Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Acionado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Ministério Público Federal recomendou ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, medidas efetivas para que os responsáveis pelo edifício conhecido como Bloco B da Assembleia Paraense assegurem a manutenção emergencial do…

Na quarta-feira passada (22), operários e servidores ligados à execução da reforma e readequação do Palácio Cabanagem almoçaram com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, que preferiu essa forma de reunião para agradecer pelo compromisso com o trabalho e…

Nunca reclamem de barreiras de fiscalização no trânsito. Graças aos agentes do Detran-PA um homem vítima de sequestro foi resgatado ileso ontem à noite, por volta das 23h, na rodovia BR-316. Conforme relato do coordenador de Operações do Detran-PA, Ivan…

Rede parauara em conflito

A briga política entre Stefani Henrique e Úrsula Vidal, que causou debandada ruidosa de filiados na Rede Sustentabilidade no Pará, seguida de troca de acusações mútuas pelas redes sociais, continua, e já enveredou até por rumos pessoais. Sem assinar, a dirigente Úrsula Vidal (presume-se a autoria, vez que o texto é subscrito pela “Coordenação da Rede Sustentabilidade no Estado do Pará”) enviou nota ao Portal Uruá-Tapera, dando a sua versão aos fatos. Ei-la:

“Acerca de nota veiculada nas redes sociais usando indevidamente o nome e a identidade visual de nosso Partido, em que o ex-porta voz da REDE no Pará Stefani Henrique, inventa “razões” para sua desfiliação, escamoteia sua prática misógina e faz a juntada, em lista, de uma série de nomes de não filiados e ex-filiados como se filiados fossem, temos a esclarecer que:

1. Stefani Henrique foi afastado da Coordenação da REDE no Pará por conduta misógina contra uma companheira da Comissão em Belém e contra companheiras do Partido dos Trabalhadores. Não era a primeira denúncia recebida. Mas dessa vez ele o fez em video, que foi espalhado por ele mesmo por WhatsApp. O vídeo causou reação na Coordenação Nacional da Rede e no Elo Mulheres Nacional. Orientamos que o companheiro se retratasse. Se recusou. Disse que não tinha “do que se arrepender” ou desculpar-se, mesmo diante dos fatos. Foi então afastado de suas funções, em um acordo conduzido pela Nacional. Em que pesem as graves violações da fala pública do ex-filiado, numa postura de desobediência às diretrizes internas, seu pequeno grupo forjou uma nota “em apoio” à sua conduta condenável, usando inclusive nomes de companheiras e companheiros que sequer foram consultadas e assinando em nome de um “Elo Mulheres” que sequer existia.

2. A partir de então o ex-porta-voz passou a atuar como oposição pública à nova direção da Rede, a exercer uma militância fracional e seu grupo passou a empreender ataques à esmo contra Úrsula Vidal, principal figura pública do partido e às decisões da direção constituída. Sua crítica despolitizada à nova direção e à nossa principal liderança incluía ataques pessoais descabidos e desqualificados, que atingiam moral e pessoalmente membros da direção reconhecida pela executiva nacional. Usando o fato de deter “a posse” das redes sociais do partido, que eram associadas ao CNPJ de sua empresa, o ex-porta-voz excluiu pessoas, calou qualquer debate e atuou como grileiro de um espaço até então coletivo.

3. Com trajetória pessoal, que inclui processos por prevaricação e a saída tumultuada de outros dois partidos, causou curiosidade a tentativa do ex-filiado de se vitimizar, empolando sua retórica oportunista como se estivesse sendo alvo de perseguição e como se o arrazoado de inverdades por ele escrito e sua prática fracional reiterada tivessem algum verniz político, quando tratava-se apenas da manifestação de autodefesa de um golpista flagrado em pleno ato. Como porta-voz, o ex-filiado montou direções de fachada em diversos municípios, não cumpriu com a legalidade mínima para constituir tais direções, transformou grupos de discussão em palco para autoemulação enquanto negligenciava a contabilidade e a administração do partido, levando a Rede-Pa a ser multada em mais de 130 mil reais pela não prestação de contas ao TRE. Seu movimento sorrateiro denotava a tentativa de organizar uma “tendência” dentro do partido, que funcionava como um partido paralelo, inclusive com fechamento de questões antes do debate em nossos fóruns. O insucesso dessa empreitada golpista levou seu grupo a uma operação kamikaze: simular uma oposição “de princípios” enquanto fazia ataques à esmo e mentirosos contra Úrsula Vidal, começando por divulgar em blogues de aluguel fake news de que ela estaria inelegível e a Rede-Pa nem poderia lançar candidatos. O objetivo desse movimento circular era nos chamar a um debate público, para enxovalhar a nova direção e nossas lideranças, com métodos alheios à verdade, desagregando nossas forças e fragilizando o esforço de reorganização real que empreendemos em diversos municípios.

4. Parte da narrativa sórdida do ex-porta-voz dizia respeito ao seu afastamento do cargo de confiança que exercia no governo. A versão falaciosa de sua demissão esconde uma conduta de servidor abusivo, faltoso e autoritário que, por fim, traiu a confiança de quem o nomeou. Como manter a confiança interna em quem nos agride publicamente? Ao contrário do que o ex-filiado diz, todos os seu direitos trabalhistas, como férias e décimo terceiro proporcional, foram pagos. A tentativa de se vitimizar, atacando mais uma vez uma mulher – o que, infelizmente, descobrimos que é sua prática contumaz – é uma prova adicional de um histórico de vida que o levou ao isolamento político e a um currículo de descrenças e confrontos físicos.

5. A saída desse elemento e de seu diminuto grupo depura a REDE – Pa, melhora nossa capacidade de gestão e de arregimentação política e dá, às muitas centenas de filiados do partido, a certeza de estamos no caminho certo. É o indicativo de que estamos amadurecendo e acumulando forças para as tarefas centrais que nosso partido assumiu para 2022: ajudar a derrotar Bolsonaro e eleger deputados sob a bandeira da sustentabilidade, do ecofeminismo e da democracia radical.

6. Trata-se de rotunda inverdade a noticiada “desfiliação em massa” de mais de uma centena de aderentes ao partido, como prova uma simples pesquisa nos sites dos tribunais eleitorais. Por outro lado, a filiação partidária no Brasil é um ato voluntário. Ficam na Rede os que aceitam seu programa, respeitam seus princípios e assimilam sua cultura interna, que preza pela democracia e pelo respeito às diferenças. 

Coordenação da REDE Sustentabilidade no Estado do Pará”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *