A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

O que fazer para retirar o Pará da periferia da economia nacional?

Maior exportador mineral do país, o estado do Pará é o estado que mais contribui com o saldo da balança comercial internacional. De 2020 a 2021, o superávit da balança comercial do Pará cresceu de US$ 19 bilhões para US$ 27,8 bilhões.

É do território paraense que a Vale extrai a maior parte (cerca de 60%) dos ganhos auferidos no Brasil. Em 2021, o lucro líquido da mineradora alcançou inacreditáveis US$ 22,4 bilhões (alta de 360% em relação a 2020).

A liderança em extração, produção e exportação mineral, o espetacular superávit da balança comercial e os exorbitantes ganhos líquidos da Vale não se reverteram em melhoria das condições de vida da população paraense, como apontam Juliano Giassi Goularti (Doutor pelo Instituto de Economia da UNICAMP) e Talita Alves de Messias (Doutora em História pela UNISINOS), que, por encomenda do Sindifisco-Pará, desenvolvem estudos sobre a evolução da economia paraense desde o início do século XXI, apontando as principais tendências setoriais.

Consideradas as duas primeiras décadas do presente século XXI, vê-se nitidamente o declínio da participação das atividades de transformação, que representavam 66% da produção industrial no Pará em 2002, desabando para cerca de 13% em 2021; enquanto as atividades extrativas passaram de 34% para 87% no mesmo período.

Não precisa ser especialista para saber que a atividade mineradora, pela forte tendência concentradora, gera poucos efeitos encadeadores na economia, poucos e cada vez menos empregos e renda (pela crescente automação), além de acarretar enormes impactos ambientais e nas populações que vivem e produzem nos territórios explorados.

No correr do presente século, enquanto avançou a atividade extrativa e recuou a indústria de transformação, o estado do Pará se consolidou na triste posição de um dos mais pobres e desiguais do país, o que se expressa, por exemplo, na renda média das famílias no Pará, de R$ 847 (R$ 365 menor do que o valor do salário mínimo), a sétima pior do país.

Enquanto se “especializa” e se torna cada vez mais dependente da atividade primário-exportadora, o Pará se torna um dos mais dependentes dos bens de consumo produzidos pelos estados do Sul e Sudeste. Em suma, o Pará transfere renda para financiar o desenvolvimento Sul-Sudeste, via aquisição de quase tudo o que consome.

Assim, o estado-líder em exportação de minérios para o exterior, é também deficitário na balança comercial interestadual. Em 2021, o fluxo interestadual de mercadorias mostra o Pará com déficit comercial com 18 estados e superávit com apenas 8 estados.

No agregado regional, o Pará é deficitário com todas as regiões do país: R$ 4,9 bilhões com o Nordeste; R$ 7,3 bilhões com o Norte; R$ 29,8 bilhões com o Sudeste; R$ 8,6 bilhões com o Centro-Oeste; e R$ 16,3 bilhões com o Sul. Em termos percentuais, o déficit do Pará é de 7,3% com o Nordeste; 10,98% com o Norte; 44,48% com o Sudeste; 12,84% com o Centro-Oeste; e 24,39% com o Sul.

Isso não é fatalidade, acidente de percurso ou obra do acaso. É modelo imposto de cima pra baixo e de fora pra dentro. É projeto!

Sem a pretensão de cravar a resposta certa à pergunta que dá título a este artigo, arrisco afirmar que não há possibilidade de retirar o estado do Pará da condição de subalternidade e periferia econômica sem mudar radicalmente o modelo vigente de exploração mineral.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *