O catamarã Bom Jesus IV, que faz o trecho Belém-Ponta de Pedras, no arquipélago do Marajó, naufragou hoje por volta de 17h, em frente a Vila do Conde. O casco rachou, entrou água na embarcação, que adernou e começou logo…

O empresário e político Carlito Begot, ex-vice-prefeito de Ananindeua(PA), protagonizou cena chocante no condomínio Lago Azul, reduto de endinheirados, na noite do domingo passado, 23, em um píer destinado à pesca “pesque-e-solte”. Um grupo fisgou um pirarucu com cerca de…

A alteração da turbidez do rio Tapajós resulta de, ao menos, duas fontes sedimentares distintas: o rio Amazonas e a atividade garimpeira no médio e alto Tapajós, além de usos da terra que causam desmatamento e exposição do solo. Apenas…

A promotora de justiça Ângela Maria Balieiro Queiroz, pelo Ministério Público do Estado, e o procurador Patrick Bezerra, do Ministério Público de Contas do Pará, acompanharão a contratação da obra de reconstrução da ponte Enéas Pinheiro, que interliga os distritos…

ESTAMOS COM FOME

A Amazônia já foi muitas vezes “convocada” e “desafiada” para algumas missões pela Pátria.

Vejamos:

A construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, foi uma verdadeira epopéia na então impenetrável selva. Estima-se que para cada dormente assentado, 05 homens tenham morridos vitimados pela febre amarela e malária, controlada quando da vinda de Osvaldo Cruz, para in-loco tomar medidas sanitárias urgentes. A meta dos idealizadores, vindo de longe, era fazer o escoamento de nossas riquezas naturais, sempre elas, pelo Pacífico, atravessando o Peru.

A extração do rico e estratégico látex das nossas seringueiras, indispensável ao preparo bélico das nações envolvidas nos grandes conflitos mundiais, foi outra demonstração de heroísmo do amazônida e do nordestino, expostos a toda sorte de dificuldades, penetraram mato a dentro e, pagando com a própria vida, foi satisfeita a vontade dos “magnatas”. Aliás, projetos do governo e de megalomaníacos para a Amazônia, foram tantos, a custa do sacrifício do povo, com a cessão de enormes áreas de terras, isenções fiscais, subsídios, franquias alfandegárias, etc. Se tudo fosse relatado, teríamos grande compêndio da nossa história.

Lembremos os mais “arrojados”: Fordlândia, Belterra, Núcleo Tomé Açu, Jarí (Ludwig), Estrada Perimetral Norte (do Amapá até a Venezuela, interligando todo o lado esquerdo do Rio Amazonas), são alguns.

E os protocolos de “intenções” firmados com aquela ex-estatal, cujas letras invertidas lê-se LEVA?

Ótimo para seus donos, mas para os paraenses, só resta mesmo (antes de exaurir), o título pomposo de Primeira Província Mineral do Brasil.

Na pauta fiscal do Pará (base para cálculo de impostos) observa-se no passado quanto significou para nós o extrativismo da castanha do Pará (hoje do Brasil), das resinas e das sementes oleaginosas.

Sem política de governo e os produtores (ou coletores) entregues à própria sorte, acabaram por cessar suas atividades, sem, contudo, deixar de registrar a tristeza e indignação que nos envolve, sobretudo pela derrubada criminosa de castanhais inteiros, objetos da cobiça de muitos, sequiosos em arrancar o máximo de lucro da natureza e do solo da Amazônia.

Porque não lembrar “anos d’ouro” vividos pelas populações ribeirinhas, quando da cultura da juta nas várzeas e da malva no sertão, que propiciaram renda significativa para os bravos “juticultores”?

Como sempre, aqui nada foi feito para transformar a região em palco produtivo perene com a agregação de valores. Não passamos de tímidos passos no setor de alguma sacaria, logo suplantada por setores avançados não só na técnica, como com forte capital subsidiado e surgimento de poderosos concorrentes de outras matérias primas e maciça importação de fibras. Pode?

E o que vimos? As populações rurais, com mais esta débâcle, se transferiram para os centros urbanos, sob os falsos acordes do canto da sereia, onde passaram a formar fileira dos excluídos urbanos.

Por tudo isto e muito mais a abordar, nós, caboclos da Amazônia, estamos com fome de uma política desenvolvimentista real e definitiva, cessando assim estes permanentes experimentos, que nos fazem afundar no mundo das ilusões, somente superadas pelo desejo ardente, revivido com o sonho da sociedade fraterna e feliz que tanto perseguimos, como povo valente, que tem nome, sobrenome e endereço: Residente Rio Abaixo, Bairro dos Sonhos, cujo CEP nos dá as iniciais de Contra Esta Política, só do leva.

*O artigo acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *