Nesta terça-feira (29) a presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Pará, desembargadora Luzia Nadja Guimarães Nascimento, inaugura a sala da Ouvidoria da Mulher, espaço para sugestões, reclamações e denúncias relativas à violência contra à mulher, direitos políticos e à igualdade…

A praça do Mascate, na esquina da Av. Visconde de Souza Franco (Doca) com a Trav. Antônio Barreto, no bairro do Reduto, está sendo transformada em Praça Pet, espaço de lazer para os moradores e animais de estimação. O local…

Foi aberto ontem (25) um novo retorno para veículos no Km 08 da BR-316, perto de uma loja de peças de motos no sentido entrada de Belém, e em frente à Escola Raimundo Vera Cruz, no sentido de saída da…

A construção do muro de arrimo e urbanização da orla da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, avança ao longo de 1.200 metros de extensão. Gerenciadas pelo Governo do Pará, via Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, já foram executadas as…

O Homem do Norte e o Cinema como Espetáculo

Um dos lançamentos mais esperados do ano é exibido no circuito comercial: “O Homem do Norte”, de Robert Eggers (o diretor de “A Bruxa” e “O Farol”). Com referências intertextuais que inspiraram William Shakespeare em ”Hamlet”, a superprodução é um show de sons e imagens que invadem a tela num dos melhores exemplos de gênero do cinema épico e o cinema de aventura.

Popular na literatura, séries de TV e no cinema, a cultura viking já foi associada à ideologia nazista e hoje é equivocadamente apropriada por determinadas camadas da política extremista. Porém, a saga dos vikings transborda culturalmente qualquer tentativa de engessamento retórico sobre piratas nórdicos, comerciantes, guerreiros e exploradores que colonizaram o continente europeu e ilhas do Atlântico Norte no final do século VIII ao século XI.

“O Homem do Norte” é o resultado contemporâneo da própria evolução da história do cinema como laboratório de estilos e avanço tecnológico para chegar ao espetáculo visual com discussões eternas sobre a dominação territorial e sanguinária em tempos de guerra. O filme remete aos procedimentos visuais elaboradíssimos de Stanley Kubrick, às sequências de batalha dos filmes de Akira Kurosawa e os jogos de luz e sombra que dão margem para uma direção de fotografia que privilegia o cinza e o verde, que faz link com o título da produtora A24: o contemplativo “A Lenda do Cavaleiro Verde”, de David Lowery.

Como uma espécie de mantra (Eu te vingarei, pai. Eu te salvarei, mãe. Eu te matarei, tio.), o roteiro é uma parceria de Robert Eggers e Sjón (ou Sigurjón Birgir Sigurðsson), escritor islandês mais conhecido por suas canções para Björk e parceria com o diretor dinamarquês Lars von Trier. O texto é uma livre adaptação da lenda de Amleth, escrita pelo historiador dinamarquês Saxo Grammaticus; lenda que ficou mais conhecida como inspiração de “Hamlet”. A ação se passa no período de povoamento da Islândia (os anos iniciais: 870 a 874 dC) e narra a história de loucura e vingança do príncipe Amleth (Alexander Skarsgård). Observem que a adaptação de Eggers e Sjón acentua o perfil de guerreiro sanguinário com tintas mais carregadas do que todas as versões de “Hamlet” para o cinema, o que não é nada gratuito. 

Em “O Homem do Norte”, a cultura viking é também um modo de ocupação territorial pela violência e misticismo, em que guerreiros são possuídos pelo instinto de animais. O sobrenatural era parte do cotidiano como forma de sobrevivência em que homens encarnavam lobos e mulheres animais marinhos.

Destaque para as cenas filmadas em plano-sequência, procedimento que vai contra a máxima de que se pode filmar com várias câmeras e só depois na edição se escolhe os planos mais eficientes. O diretor de fotografia, Jarin Blaschke, filma várias cenas brutais com apenas uma câmera, o que exige trabalho redobrado (sem erro) de marcação de atores, luz correta e coreografia selvagem para o impacto que se vê na tela. 

A superprodução da Universal conseguiu reunir astros dispostos a trabalhar com Robert Eggers (um dos nomes mais promissores da indústria cinematográfica americana): Nicole Kidman, Willem Dafoe, Björk, Ethan Hawke e Anya Taylor-Joy.

“O Homem do Norte” é um convite irrecusável ao cinema-espetáculo e apelo visual de tirar o fôlego, com desenho de produção impecável e processo de pesquisa que impressiona os amantes das grandes sagas de povos considerados bárbaros. Famoso por recriar ambientes naturais intimidadores e sombrios, o diretor acerta em compor uma obra que viaja no tempo para analogias com o tempo presente na reflexão sobre a naturalização do mal, forças sobrenaturais e a escalada de perpetuação da violência.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *