O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

Maré vermelha em Vila do Conde

Moradores de Barcarena e ativistas ambientais denunciaram ao blog alterações no rio Tocantins, cujas águas estão vermelhas, atribuindo o fato a possível vazamento de rejeitos de bauxita da multinacional Hydro, que opera no município. Afirmam que há possibilidade de problemas no desembarque do bauxita no porto ou na própria fábrica e que a lama vermelha retém todo o ferro, titânio e sílica presentes no minério, além do alumínio que não foi extraído durante o refino, combinado com o sódio sob a forma de um silicato hidratado de alumínio e sódio de natureza neolítica.

Encaminhei as denúncias com fotos à mineradora, pedindo esclarecimentos, e recebi nota oficial do vice-presidente da empresa, Anderson Baranov, que transcrevo abaixo:

“Prezada Franssinete, 

Em atenção à informação que recebemos e também às fotos encaminhadas por você na data de ontem, gostaríamos de repassar algumas informações que podem ser úteis para esclarecer o ocorrido. Ressaltamos que as operações na Hydro Alunorte estão ocorrendo dentro da normalidade. 

A respeito da possibilidade de problemas no desembarque de bauxita:

No Porto ou na fábrica, não houve desembarque de bauxita, proveniente de Trombetas, pelo Porto de Vila do Conde desde a semana passada (03/11). O restante da bauxita utilizada na refinaria, proveniente de Paragominas, chega através de mineroduto, desaguando dentro dos tanques da refinaria, sem nenhuma alteração por toda a linha do mineroduto. 

A respeito do novo Depósito de Resíduos Sólidos 2:

Recentemente a Hydro finalizou a obra de construção da nova área de disposição do resíduo do refino da bauxita, DRS-2. O depósito foi construído dentro do melhor e mais moderno conceito de disposição no mundo, respeitando legislação e com rigorosa atenção aos cuidados ambientais. A metodologia adotada pela Hydro Alunorte é recomendada como melhor prática pela iniciativa ASI – Aluminium Stewardship Initiative, que certifica as melhores práticas na gestão das operações de bauxita, alumina e alumínio mundiais.
Com o DRS-2 e a nova tecnologia implantada para a filtragem do resíduo, a Hydro Alunorte poderá dispor um material com menor teor residual alcalino e menor umidade, possibilitando dispor mais material por unidade de área. Empresas especializadas e independentes acompanham e verificam o projeto, bem como os trabalhos de disposição e compactação dos resíduos, assegurando tecnicamente a qualidade da atividade. 

Sobre as fotos que mostram a água da praia com coloração avermelhada:

Apesar da coloração avermelhada da água, não há qualquer relação com a bauxita ou operações da Hydro Alunorte. O fenômeno natural, que é percebido com frequência na praia de Vila do Conde, precisa ser melhor estudado. Há na literatura pelo menos duas teorias sobre a causa: 

• O desprendimento de óxido de ferro através do atrito das ondas da praia sobre o solo. Essa condição é potencializada em marés altas, em períodos de lua cheia, o que ocorreu no dia da publicação das fotos. 

• A segunda teoria é conhecida como “maré vermelha”, geralmente causada por algas microscópicas chamadas de Dinoflagelados (divisão Dinophyta, segundo os botânicos, ou filo Dinoflagellata), e seu surgimento pode estar associado a mudanças na temperatura, salinidade e quantidade de nutrientes na água.
Fenômeno similar já foi visualizado em outras praias do Estado. Em setembro deste ano, veículos de comunicação noticiaram situações semelhantes na Ilha de Mosqueiro. 

Estamos à disposição para mais esclarecimentos em caso de dúvidas.

Atenciosamente, 
Anderson Baranov 
Vice President
Head of Brazil Government Affairs
Norsk Hydro – Brasília Office”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *