O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, anunciou na tarde desta segunda-feira, 8, que os recursos para a revitalização e requalificação do complexo do Mercado São Brás, na ordem de R$50 milhões, já estão garantidos pela Caixa Econômica Federal. Durante visita…

A orla da cidade concentrou o maior público de todos os tempos. Cerca de dez mil pessoas esperaram, ansiosas, o espetáculo emocionante e grandioso que incluiu barcos grandes e balsas, mas também canoeiros, as tradicionais e belíssimas barquinhas, confeccionadas com…

Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

Mais uma trama vergonhosa

O Brasil é mesmo o país do escândalo. Nem com tantas prisões de políticos poderosos o círculo vicioso se quebra. O diplomata Marcelo Calero revelou que o motivo de sair do Ministério da Cultura, ontem, foi a pressão que sofreu do ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Geddel Vieira Lima, para que um empreendimento imobiliário no centro histórico de Salvador (BA) fosse autorizado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. O prédio foi projetado para ter 30 andares, mas o Iphan autorizou a construção de, no máximo, 13 andares. Geddel comprou na planta um apartamento em um dos andares mais altos. Ou seja, o apê de Geddel não seria construído. Calero chegou a contar que integrantes do governo pediram a ele para conceder a licença de construção ou enviar o caso para a Advocacia-Geral da União (AGU), que construiria um argumento de que não poderia haver decisão administrativa do Iphan. Se não cedesse, sofreria um “processo de fritura” palaciano. 
O caso é vergonhoso: a presidente do Iphan,  historiadora Kátia Bogéa, barrou a construção, mas a superintendência regional do órgão na Bahia – indicada por Geddel – elaborou parecer técnico liberando a obra. Geddel é um dos ministros mais próximos ao presidente Michel Temer, presidente do PMDB na Bahia e muito influente na política local. 

Geddel Vieira Lima admitiu que é proprietário de um imóvel no empreendimento embargado pelo Iphan, que conversou com Calero sobre o empreendimento, mas diz que não houve pressão e sim “ponderação” e que “lamenta” e “repele” as declarações de Calero. 

Temer foi informado da situação e não tomou providências. Mas deve satisfações à nação sobre seu silêncio. Geddel  deverá ser convocado a explicar o caso no Senado e responder a representações na Comissão de Ética da Presidência e ações do Ministério Público Federal. Calero será substituído pelo deputado Roberto Freire (PPS-SP). 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *