O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Lixão a céu aberto em Brasil Novo

Desde 2018 o promotor de Justiça de Brasil Novo (PA), Alexandre Costa, instaurou Procedimento Administrativo para verificar as políticas públicas relacionadas ao Plano Municipal de Saneamento Básico, em especial o lixão que funciona a céu aberto em plena cidade, sem licenciamento ambiental. As reclamações da população a respeito de queima desmedida e irregular de lixo, presença de animais, desvalorização imobiliária nos arredores do depósito e dificuldade do tráfego na via pública só aumentaram. No ano passado, o município recebeu mais de um milhão de reais para construir o aterro municipal, que até hoje não foi entregue. O PJ Alexandre Costa ajuizou, então, Ação Civil Pública com obrigação de fazer e pedido de tutela de urgência, requerendo, dentre outras medidas, o fechamento do depósito de resíduos sólidos em até 60 dias.

A população se queixa do mau cheiro e contaminação da água, entre outros problemas. O Ministério Público baseou a ACP no Parecer Técnico n.º 008/2021, elaborado pelos técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Brasil Novo (SEMMA), que avaliou os impactos nos meios físico-químico, biótico, socioeconômico e na saúde pública. Foi constatada a contaminação dos cursos d’água, ainda mais porque há nascentes na área do lixão. A qualidade do ar também é afetada pelos gases liberados pela matéria orgânica em decomposição, nocivos à saúde pública e ao meio ambiente. O parecer ainda recomendou que o lixão seja fechado o quanto antes, e um levantamento quantitativo e qualitativo da situação da camada de resíduos, do nível de degradação do solo e dos recursos hídricos próximos ao local, para fundamentar futura tomada de providências para recuperação da área afetada.

A vistoria da Semma detectou inúmeras irregularidades, como resíduos sólidos depositados sobre o solo e recobertos por material inerte, sem sistema de impermeabilização do solo, permitindo a infiltração de chorume. O município não tem programa de reciclagem e compostagem, não atende as disposições da Política Nacional de Resíduos Sólidos, nem promove coleta seletiva e muito menos educação ambiental.

O MPPA requer que seja elaborado projeto de implantação da disposição final de rejeitos, ambientalmente adequado, em até 120 dias; coleta seletiva em até 60 dias; cessar todas as atividades desenvolvidas naquela área, que são degradantes e poluidoras; e que a cada 30 dias sejam apresentados relatórios das etapas já cumpridas, emitidos pelo responsável técnico, com ciência ao órgão ambiental estadual, entre outros pedidos. Foi requerida, ainda, a fixação de multa diária no valor de R$20 mil, em caso de descumprimento.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *