2

Ao término do ano de 2021, faço algumas retrospectivas.

Durante o período de pandemia provocada pela Covid-19, desde março de 2020, permanecemos em pleno serviço na Justiça do Trabalho, sob regime de Plantão Permanente, em home office (trabalho remoto, em casa), inclusive na realização de sessões telepresenciais de julgamento, com sustentações orais pelos advogados das partes. As atividades judiciárias não sofreram solução de continuidade. Pelo contrário, observou-se que o trabalho aumentou.

Participei de eventos, inclusive de âmbito internacional, pelo mesmo sistema telepresencial.

Em 13 de agosto de 2021, foi publicado no Diário Oficial da União o Decreto Presidencial de minha aposentadoria, depois de mais de 48 anos de Magistratura Trabalhista de carreira (cerca de 52 anos de serviço público), sendo 20 anos no 1º grau de jurisdição e 28 anos como Desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da Oitava Região.

Mesmo no período pandêmico, além de produções jurídicas e culturais, não interrompi meu prazeroso ofício de compositor e escrevi diversas obras musicais, tanto novas composições, como arranjos e revisões de peças de minha autoria, de meu pai, Wilson Fonseca (Maestro Isoca) e de meu avô, José Agostinho da Fonseca.

Compus músicas com textos poéticos de dezenas de parceiros, inclusive os poetas lusitanos Luís Vaz de Camões e Fernando Pessoa.

Escrevi também letras para músicas de meu pai e de meu avô; e compus música para um interessante poema de meu genitor (“Santarém -Certidão de Idade”).

Compositor desde 1958, o catálogo de minha obra musical registra mais de 1.000 peças, em diversos gêneros (canto, coral, piano solo e a 4 mãos, sacras, violão, banda, conjuntos camerísticos para formações instrumentais e/ou vocais e peças orquestrais), vários hinos (mais de 130), inclusive para instituições jurídicas (alguns oficializados).

OBRAS MUSICAIS

A título de amostragem, faço referência a algumas dessas obras musicais, produzidas, sobretudo, no último biênio, disponíveis no Soundcloud:

  1. Pequeno estudo em sol menor (Prelúdio). Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 21.05.1969; 11.09.2003; 26.01.2017). Arranjo: Belém-PA, 03 de janeiro de 2020. Letra incorporada às músicas “Ritual Sinfônico” (Sinfonia de Câmara), composta em 07.01.2009; “Ritual Sinfônico nº 2” (Sinfonia de Câmara), composta em 07.01.2009 e 23.01.2011; “Ritual Sinfônico nº 3” (Sinfonia de Câmara), composta em 07.01.2009; 23.01.2011; e 27.01.2015; e “Ritual Sinfônico nº 4” (Sinfonia de Câmara), composta em 07.01.2009; 23.01.2011; 27.01.2015 e 26.01.2017. Flauta e Piano. Arranjo: Belém-PA, 03 de janeiro de 2020.
  2. Cheiro de mulata (Samba) – “Versos para minha frôr” (De um poeta crioulo). Letra: Bruno de Menezes (1893-1963). Canto e Piano; e Canto, Piano e Percussão (Belém-PA, 31 de janeiro de 2020).
  3. Fartura (Samba). Letra: Bruno de Menezes (1893-1963). Canto e Piano (Belém-PA, 1º de fevereiro de 2020).
  4. DecantaçãoSantarém do Tapajós (Samba). Letra: Renato Sussuarana. Trombone, Piano e Percussão (Belém-PA, 04 de fevereiro de 2020).
  5. Da Infância para Alter-do-Chão (Homenagem a Beethoven – 250 anos). Camerata: 2 Flautas, 2 Clarinetes, Saxofone-Tenor, Trompete, Trompa, Violino, Contrabaixo e Percussão. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo (Belém-PA), 08 de março de 2020). Peça dedicada à Turma de Bacharelado em Música da Fundação Carlos Gomes (2019), da qual recebi convite para ser o Patrono na solenidade de Colação de Grau, realizada em 26 de novembro de 2020.
  6. Hino-Homenagem à Escola “Frei Ambrósio” (Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio “Frei Ambrósio”). Letra: Renato Sussuarana. Homenagem à Escola Frei Ambrósio, fundada em 03.05.1900, pelos seus 120 anos de existência, um marco histórico da educação santarena. Canto e Piano; e Canto e Orquestra (Belém-PA, 18 de março de 2020).
  7. Chamber Orchesta 2020 (“Canção do amor ausente”). Orquestra. Belém-PA, 14.09.1971 – 17.08.2018; e 24 de março de 2020.
  8. Hino da Associação Comercial do Pará. Canto e Piano. Arranjo: Orquestra Sinfônica (Belém-PA, 28 de março de 2020). Oficializado pela Resolução nº 001/2020, de 30 de janeiro de 2020.
  9. Acalanto. Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 1º e 05.10.1971). Vozes Femininas, Orquestra e Piano. Orquestra: Flauta, Oboé, Clarinete, Fagote, 2 Trompas, 2 Violinos, Viola, Violoncelo, Contrabaixo e Glockenspiel. Arranjo orquestral: Wilson Fonseca (1972) e Vicente Fonseca (2004). Versão revista pelo compositor: Belém (PA), 31 de março de 2020. A primeira execução da obra musical ocorreu na “Semana de Santarém”, realizada em 1972, no Theatro da Paz, em Belém (PA), pela Orquestra e Madrigal da Universidade Federal do Pará.
  10. Festa do Sairé (Toada/Sairé). Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 17.09.1971; e 26.07.2011). Flauta e Piano. Arranjo (revisão): Belém (PA), 04 de abril de 2020.
  11. Sairé de Santarém (Dança de Alter-do-Chão).Música e letra: Vicente José Malheiros Fonseca (Belém-PA, 24.01.1997 e 06.06.2007). Quinteto de Violões. Revisão: 1º de abril de 2020. Quinteto de Sopros (Flauta, Oboé, Clarinete, Fagote e Trompa). Revisão: 05 de abril de 2020.
  12. Aita (Valsa). Música: Wilson Fonseca (Santarém-PA, 1938). Violoncelo e Piano. Arranjo: Vicente Fonseca José Malheiros da Fonseca(Belém-PA, 04.05.2020). *À querida sobrinha Aita Christine Malheiros Altman.
  13. Salve Rainha (Sacra). Letra tradicional. Violino e Piano; e Quarteto de Cordas (Belém-PA, 05 de maio de 2020).
  14. Prece de amor (Canção). Quarteto de Cordas e Piano (Arranjo: Belém- PA, 07 de maio de 2020). Canto e Piano (Arranjo: Belém-PA, 14.10.2019 e 20.05.2021).
  15. Acalanto nº 2. Letra: João de Jesus Paes Loureiro (Belém-PA, 1984). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 22.06.2008). Violoncelo e Piano. Arranjo: Belém-PA, 11 de maio de 2020.
  16. Todos contra a Covid-19 (Marcha). Canto e Piano; e Orquestra Sinfônica (Belém-PA, 13 de maio de 2020).
  17. Pequena canção de maio (Cançoneta). Flauta e Piano; e Flauta, Violoncelo e Piano. Belém (PA), 16 de maio de 2020.
  18. Hino da Academia de Musicologia do Brasil -Canto e Piano; e Orquestra Sinfônica. Belém-PA, 20 de maio de 2020.
  19. Cantar (Fox). Letra: Joacyr Rocha. Canto e Piano; e Orquestra Sinfônica (Belém-PA, 24 de maio de 2020).
  20. Canção de Diana (Valsa). Letra: Felisbelo Sussuarana. Música: Wilson Fonseca (Santarém-PA, 1934). * Do Auto de Natal “As Pastorinhas de Santarém”, organizado por Wilson Fonseca. Quinteto de Sopros e Piano. Arranjo: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 02.06.2020).
  21. Betina (Valsa). Música: José Agostinho da Fonseca (1886-1945) – (Santarém-PA, 1922). Letra e arranjos: Vicente José Malheiros da Fonseca. Dedicada à jovem Bettina Rodrigues Alves de Almeida. Trio para Flauta, Violoncelo e Piano. Canto e Piano. Essa bela música é de autoria de meu avô paterno, para a qual eu escrevi o texto poético e o arranjo musical, além da Introdução (Belém-PA, 14 e 22 de junho de 2020).
  22. Soneto de Boa Noite (Valsa-canção). Letra: João Carlos Bemerguy Cemerini (Manaus-AM, 20 de junho de 2020). Canto e Piano. Trio para Flauta, Violoncelo e Piano (Belém-PA, 24 de junho de 2020).
  23. Noturno quase modinha -Piano. Belém (PA), 14 de julho de 2020.
  24. Lábios (Tango). Letra: Edwaldo Antônio Campos de Souza (Santarém-PA, 2012). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 11.12.2012 – Dia do Tango). Violino e Piano. Arranjo: Belém-PA, 18 de julho de 2020.
  25. Perdão (Tango). Letra: Neucivaldo Moreira. Violino e Piano. Arranjo: Belém-PA, 18 de julho de 2020. Trompete e Piano. Revisão: Belém-PA, 20.05.2021.
  26. Dança do Boto (Sairé). Letra: Renato Sussuarana. (Santarém-PA, 20 de agosto de 1986). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 17 de julho de 2016). Quarteto de Sopros (Flauta, Oboé, Clarinete e Fagote). Arranjo: Belém-PA, 25 de julho de 2020.
  27. 9 de Janeiro – Adriano (Valsa). Trio para Flauta, Violoncelo e Piano. Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Santarém-PA, janeiro de 1981). Arranjo: Belém (PA), 05 de setembro de 2005. Revisão: 25 de julho de 2020. Dedicada ao meu filho Adriano.
  28. Valsa Santarena nº 46. Piano. Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 29.01.1999 e 29.12.1999). Revisão: Belém-PA, 31 de julho de 2020. A música foi dedicada à Lorena na época de seus 15 anos de idade. Na ocasião, foram intérpretes: Celson Gomes (violino), Ana Maria Adade (piano I), José Agostinho da Fonseca Neto e José Agostinho da Fonseca Júnior (piano II). A peça foi executada na comemoração dos 15 anos de Lorena, completados em 29.12.1999 e comemorados em 22.01.2000, no Hotel Sagres (Belém-PA). Participação especial das bailarinas da “Escola Vera Torres”: Nilcelene de Oliveira, Adriana Paes, Milene Abnader, Aline Lima e Rosana Rosário.
  29. Prelúdio – Nas ondas do Tapajós.Piano (Belém-PA, 03 de agosto de 2020).
  30. Valsa Santarena nº 16 (“Meu violão“). Piano. Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Manaus-AM, 24 de julho de 1983). Revisão estética: Belém (PA), 07 de agosto de 2020. Subtítulo da música proposto pela Professora Rachel Peluso. Dedicada aos meus filhos Vicente e Adriano.
  31. Águas nº 2 (Toada Moderna). Trio para Flauta, Violoncelo e Piano. (Santarém-PA, 27.07.1977; e Belém-PA, 23.08.2020).
  32. A canoa e o jacumã (Toada Moderna) – Trio para Flauta, Violoncelo e Piano (Belém-PA, 06.05.1977; e 27.08.2020).
  33. Tema para Andréa (Violino e Piano). Dedicada à sobrinha-prima Andréa de Araújo Campos (Belém-PA, 07 de setembro de 2020).
  34. Canção para Cecília. Letra: Maria das Dores Fonseca Heidrich (Florianópolis-SC, 02 de outubro de 2020). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 02 de outubro de 2020). Dedicada à Cecília, filha de Jean Pablo Fonseca Heidrich e Marcelly Oliveira. O texto poético é em forma de acróstico com as iniciais do nome da homenageada, neta da autora da letra. Canto e Piano; e Violino e Piano.
  35. Prece à Virgem (Canção). Letra: José Rodrigues Pinagé (1895-1973). Canto e Piano; e Trio para Violino, Violoncelo e Piano (Belém-PA, 11 de outubro de 2020).
  36. Fantasia para Piano nº 2 (Peça em 3 movimentos). Piano. 1º movimento: Alegretto; 2º movimento: Andante; 3º movimento: Andantino (Più mosso). Belém (PA), 13 de outubro de 2020.
  37. Fantasia para Piano nº 3 (Peça em 6 movimentos). Piano. 1º movimento: Rio Tapajós; 2º movimento: Rio Arapiuns; 3º movimento: Rio Crepori; 4º movimento: Rio Cururu; 5º movimento: Rio Jamanxim; 6º movimento: Rio Juruena. (Rio Tapajós e 5 Afluentes). Belém (PA), 16 de outubro de 2020.
  38. Hino a Carlos Gomes (Patrono da Academia de Música do Brasil). Trompete e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 17 de outubro de 2020).
  39. Hino da Chancelaria da Academia de Música do Brasil. Canto e Piano; Violino e Piano; e Orquestra Sinfônica (Belém-PA, 24 de outubro de 2020).
  40. Elegia a João Carlos Pereira (Noturno quase modinha). Duo para Violino e Piano. Homenagem póstuma ao amigo João Carlos Pereira, jornalista, professor e escritor. O noturno foi extraído de uma peça que compus em 2020 (“Noturno Quase Modinha”), agora com arranjo para Duo de Violino e Piano. Belém (PA), 14 de julho de 2020 – 10 de novembro de 2020.
  41. Hino a Guerra-Peixe. Canto e Piano; e Orquestra Belém (PA), 14 de novembro de 2020.
  42. Annen Walzer (Valsa). Música: José Agostinho da Fonseca (Santarém-PA, 1912/1914). Arranjos para Piano; e Quinteto de Sopros e Piano: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 22 de novembro de 2020). Dedicada à Anna (Esteves) Dias da Fonseca, esposa do compositor, minha avó paterna.
  43. Um casto sorriso (Valsa). Música: José Agostinho da Fonseca (Santarém-PA, 1918). Arranjos para Piano; e Sexteto de Sopros e Piano: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 28 de novembro de 2020). Dedicada a Wilson, filho do compositor (meu saudoso pai).
  44. Toada do amor (Sairé). Letra: Renato Sussuarana. Saxofone e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 03 de dezembro de 2020).
  45. Hino de Mojuí dos Campos. Canto e Piano; Trompete e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 02 de dezembro de 2020.
  46. O mosquito estranho (Canção – Sairé – Maxixe). Letra: Juarez Bezerra Regis de Souza. Canto e Piano; Fagote e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 08 de agosto de 2020).
  47. Hino do Centro de Memória da Polícia Militar do Pará. Letra: Ten. Cel. PM Ronaldo Braga Charlet. Canto e Piano; e Canto, Orquestra, Piano e Percussão (Belém-PA, 16 de dezembro de 2020).
  48. Elogio ao Teatro da Paz (Poema-Hino). Letra: Juarez Bezerra Régis de Souza. Canto e Piano; Trompete e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 20 de dezembro de 2020).
  49. Sete Peças da Coleção “Música para criança”:Música para o vovô (Samba); Eu gosto do vovô e de meus pais (Marcha); Eu gosto dos meus avós (Sairé); Eu sou o nenê da casa (Valsa); Viva meus pais e avós (Samba); Eu sou uma criança estudante (Marcha); e Criança, sinal de esperança (Valsa). Letras: Juarez Bezerra Régis de Souza. Diversos arranjos e várias formações instrumentais (Belém-PA, 05 de janeiro de 2021).
  50. Hino a Villa-Lobos. Canto e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 14 de janeiro de 2021).
  51. Praia de Alter-do-Chão (Bolero). Letra: Juarez Bezerra Regis de Souza e Jacirema Bezerra Sousa de Almeida (Belém-PA, 31 de janeiro de 1996). Harmônica (Gaita de Boca), Percussão Piano (Belém-PA, 18 de janeiro de 2021).
  52. Choro Tapajoara (Choro). Flauta e Piano; Trombone e Piano; e Trio para Oboé, Fagote e Piano. Belém (PA), 10 de janeiro de 2021.
  53. Hino da Academia Brasileira de Direito do Trabalho. Letra e Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 30 de setembro de 2012). Arranjos para Camerata de Cordas (Cordas: 2 Violinos, Viola, Violoncelo e Contrabaixo); Sanfona e Piano; e para Violão Solo, todos tocados em solenidades de posses de novos acadêmicos da entidade, a pedido dos respectivos confrades. Camerata de Cordas: Belém (PA), 08 de outubro de 2019; Sanfona e Piano: Belém (PA), 25 de janeiro de 2021. Violão Solo: Belém (PA), 04 de julho de 2021. Hino aprovado em Assembleia Ordinária e Extraordinária da Academia, em 27 de maio de 2014, realizada em São Paulo (SP). Hino oficializado pelo Ato nº 89, de 12 de setembro de 2017, da Presidência da ABDT.

Execução do “Hino da ABDT”, ao vivo, pela Camerata de Cordas da Polícia Militar de São Paulo, com arranjo que compus especialmente para a ocasião, na solenidade de posse dos Drs. Ney Maranhão (Juiz do Trabalho do TRT-8) e Thereza Christina Nahas (Juíza do Trabalho no TRT-2), ambos professores e doutrinadores, na Associação dos Advogados do Estado de São Paulo (AASP), realizada em 21 de outubro de 2019.

Vídeo:

Execução do “Hino da ABDT”, ao vivo, pelo sanfoneiro Nonato Lima (cearense), na solenidade de posse do novo membro da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, Dr. Eduardo Pragmácio de Lavor Telles Filho, de Fortaleza (Ceará), realizada de forma telelepresencial, em 05 de março de 2021.

Vídeo:

Execução do “Hino da ABDT”, ao vivo, pelo violonista e multi-instrumentista Cacique Tukumbó Dyeguaká Robson Miguel, na solenidade de posse da Juíza do Trabalho Drª. Christiana D’Arc Damasceno Oliveira Andrade Sandim, do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (Rondônia/Acre), na Cadeira n° 34 da ABDT (Patrono: Francisco Morato), em 06 de agosto de 2021, quando foi realizado o 27° Colóquio da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, por meio telelepresencial.

Vídeo:

  • No bater do coração…O rufar do tambor alegra com emoção (Samba-enredo – Escola “Ases do Samba” – Carnaval de 2022). Letra: Renato Sussuarana (Santarém-PA, 12 de fevereiro de 2021). Trombone, Piano e Percussão (Belém-PA, 13 de março de 2021).
  • Mensagem (Canção). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 09.11.1978). Quinteto de Sopros e Piano. Arranjo: Belém (PA), 19 de março de 2021.
  • Canção de Santarém (Canção). Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca (Santarém-PA, 27.01.1975; e Belém-PA, 16.07.2010). Harmônica, Quarteto de Cordas e Piano. Arranjo: Belém (PA), 24 de março de 2021.
  • Isabela (Canção). Letra: João Luís Sarmento (Belém-PA, 14.04.1970). Música: Vicente Fonseca (Santarém-PA, 24.07.1970). Piano. Arranjo: Belém (PA), 26 de março de 2021.
  • Carimbó (Carimbó). Piano. Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Santarém-PA, 10 de dezembro de 1973). Arranjo: Belém-PA, 26 de março de 2021.
  • Procura (Toada Moderna). Letra: José Wilson Malheiros Fonseca  (Em 17.01.1976). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 23.11.1977). Sax-Alto e Piano. Arranjo: Belém (PA), 27 de março de 2021.
  • Hino a Wilson Fonseca. Canto e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 30 de março de 2021).
  • João Luís e Nina Rosa (Valsa Santarena nº 127). Piano. Obra musical composta a pedido de Nina Rosa, viúva do poeta e parceiro João Luís Sarmento, falecido. Belém (PA), 03 de abril de 2021.
  • Hino da Academia de Música do Rio de Janeiro. Canto e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 08 de abril de 2021). Hino composto a pedido do Dr. Luís Roberto Von Stecher Trench, idealizador, fundador e Presidente da Academia de Música do Rio de Janeiro. O compositor é Titular da Cadeira nº 101 (Patrono Wilson Fonseca – Maestro Isoca), na condição de Conselheiro Perpétuo da Academia de Música do Rio de Janeiro.
  • Uatumã (Samba). Letra: Juarez B. Régis (Belém-PA, 05.02.2014). Trombone, Piano e Percussão (Belém-PA, 11 de abril de 2021).
  • Quando maio vem (Valsa). Letra: Felisbelo Sussuarana (Publicado no jornal “A Cidade” – Santarém-PA, 1° de maio de 1922). Canto e Piano; e Gaita de Boca e Piano (Belém-PA, 21 de abril de 2021).
  • Minha Terra (Canção – Sairé). Letra: Felisbelo Jaguar Sussuarana (Santarém-PA, década de 20/30 do século XX). Poesia dedicada a Luiz Gentil e publicada com o pseudônimo de “Flávio Tapajós”. Canto e Piano (Belém-PA, 22 de abril de 2021).
  • Marcha da Solidão – “Poema Nosso” (Marcha-rancho). Letra: Felisberto Sussuarana (São Paulo-SP, publicado em janeiro de 1954). Poesia publicada sob o título de “Poema Nosso”. Canto e Piano (Belém-PA, 25 de abril de 2021).
  • Crepúsculo mocorongo (Noturno). Letra: Emir Bemerguy (Santarém-PA, novembro de 1970). Oboé e Piano (rascunho); e Oboé e Piano (2). (Belém-PA, 27 de abril de 2021).
  • Samba em Berlim (Samba). Letra: Juarez Régis (Belém-PA, 25 de junho de 2006). Trombone, Saxofone, Piano e Percussão (Belém-PA, 30 de abril de 2021).
  • O riso escondido (Bolero). Letra: João Carlos Bemerguy Camerini (Manaus-AM, 29 de abril de 2021). Gaita de Boca e Piano; e Gaita de Boca, Piano e Percussão (Belém-PA, 1º de maio de 2021).
  • Hino a Vasco Mariz. Canto e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 10 de maio de 2021).
  • Noturno. Piano (Belém-PA, 23 de maio de 2021).
  • Canconeta para Loriga (Cançoneta). Letra: Ignácio José de Castro Campos. Flauta, Fagote e Piano. Arranjo: Belém-PA, 04 de junho de 2021.
  • Poeta Fingidor (Canção). Letra: Fernando Pessoa  (Lisboa-Portugal, 1º.04.1931). Trio para Flauta, Fagote e Piano. Arranjo: Belém-PA, 05 de junho de 2021.
  • Tenho tanto sentimento (Canção). Letra: Fernando Pessoa (Lisboa-Portugal, 1933). Trio para Flauta, Fagote e Piano. Arranjo: Belém-PA, 05 de junho de 2021.
  • Alma minha gentil, que te partiste (Canção). Letra: Luís Vaz de Camões (1524-1580). (Portugal, 1560. Publicação: Rimas, 1595, Soneto XIII). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 10 de junho de 2021). Arranjo: Canto (Gaita de Boca) e Piano; e Trio para Flauta, Fagote e Piano. Homenagem a Portugal e a Luís Vaz de Camões. No dia 10 de junho celebra-se em Portugal o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Feriado nacional, esta data presta homenagem ao grande poeta Luís Vaz de Camões, autor d´Os Lusíadas, a maior obra épica de Portugal, que faleceu no dia 10 de junho de 1580. Este é considerado também o Dia da Língua Portuguesa e do cidadão nacional.
  • Maria – Ave Maria dos Migrantes (Sacra). Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 09 de maio de 2010). Quarteto de Flautas Doces e Órgão de tubo, com pedal. Arranjo: Belém (PA), 12 de junho de 2021. Orquestra e Órgão de tubo, com pedal. Instrumental da Orquestra: 4 Flautas Doces, 2 Oboés, 2 Clarinetes, Trompete, Trompa, Fagote e Tuba (além do Órgão). Arranjo: Belém (PA), 13 de junho de 2021. Tive a honra de ser o vencedor do Concurso Nacional de Composição de Música Sacra, com a obra “Maria – Ave Maria dos Migrantes” (Coro a 4 vozes mistas e Órgão de tubo, com pedal), promovido pela Paróquia Nossa Senhora de Boa Viagem – Igreja Matriz de São Bernardo do Campo (SP), em 2010. A música vencedora foi apresentada, em primeira audição pública mundial, na inauguração do Grande Órgão, adquirido pela Paróquia, que estava em fase de construção, fazendo parte da programação dos festejos dos “200 anos de criação da Paróquia – 1812/2012”. A Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem (São Bernardo do Campo – SP) foi criada por autorização do Príncipe Regente D. João VI, Rei de Portugal.
  • Os Lusíadas (Canção). Poema (trechos): Luís Vaz de Camões (1524-1580). Publicado em 1572 (Portugal). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém, Pará, Amazônia, Brasil, 20 de junho de 2021). Canto e Piano; e Trio para Flauta, Fagote e Piano.
  • Santarém – Certidão de Idade (Canção). Texto poético: Wilson Fonseca (Santarém-PA, 14.07.1979). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 22 de junho de 2021). Homenagem aos 360 anos de Santarém. Canto (Gaita de Boca) e Piano; e Sexteto (Flauta, Clarinete, Violino, Viola, Violoncelo e Piano).
  • Maria Magdalena (Bolero). Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca. Dedicada à Srª. Maria Magdalena Alonso Gonzalez, genitora do amigo Luís Roberto Trench. Canto e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 07.05.1977; e 24.06.2021). Arranjo: Belém-PA, 28 de junho de 2021.
  • Audi Precor (Canto Sacro). Música: José Agostinho da Fonseca (1886-1945). Melodia de “Coroação de Maria” (Santarém-PA, 1934). Quarteto de Cordas e Introdução. Arranjo: Vicente José Malheiros da Fonseca(Belém-PA, 06 de julho de 2021). Baseado no arranjo para Coro a 4 vozes mistas, escrito por Wilson Fonseca(1912-2002), em Santarém-PA (1954). Três gerações da família Fonseca.
  • Mi Mi Mi Perereca (Marchinha). Letra: Renato Sussuarana. Canto (Sopros) e Piano; e Octeto para Flautim, Metais, Percussão e Piano. Metais: 2 Trompetes, Trompa, Trombone e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo (Belém-PA, 08 de julho de 2021).
  • Abertura de Concerto nº 1. Orquestra Sinfônica. 12 Movimentos: Introdução; Santarém; Tapajós; Alter-do-Chão (Andante); Valsinha; Arapixuna; Aritapera (Andantino); Dança do Boto (Più mosso); Do Tucunaré ao Tambaqui (Adágio); Dança dos Tupaiús; Serenata Mocoronga; Finale – No Coreto da Praça da Matriz. Belém (PA), 04 de dezembro de 2010; e 14 de julho de 2021.
  • Camerata para 12 instrumentos (Orquestra de Câmara). Orquestra de Câmara: Flauta, Oboé, 2 Clarinetes, Trompa, Trombone, Fagote, 1º Violino, 2º Violino, Viola, Violoncelo e Contrabaixo. Belém (PA), 03 de agosto de 2021. À memória de Rachel Peluso.
  • Hino da Academia Paulista de Direito do Trabalho. Canto e Piano; Orquestra (Belém-PA, 11 de agosto de 2021).
  • Uma canção para Isadora (Valsa-Canção). Letra: Renato Sussuarana. Dedicada à jovem Isadora Barbosa Siqueira (filha do casal Mauro Ferreira de Siqueira e Ana Cristina Bezerra Barbosa), em homenagem aos seus 15 anos de idade, que ocorreu em 30 de outubro de 2021. Canto e Piano; Gaita de Boca e Piano; e Septeto para Canto, Flauta, Quarteto de Cordas e Piano (Belém-PA, 23 de agosto de 2021).
  • Hino da Câmara Municipal de Santarém. Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca (De Santarém-PA para Belém-PA e São Paulo-SP, 22 e 24.05 e 05.07.2014). Hino composto a pedido do Vereador Henderson Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Santarém, em seu pronunciamento durante a solenidade de homenagem pelos 35 anos de criação da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil de Santarém (PA), em 22 de maio de 2014. Hino oficializado pela Resolução nº 02/2014, de 10.12.2014. Orquestra de Sopros e Percussão. Arranjo: Belém-PA, 19 de agosto de 2021.
  • Irurá (Chorinho). Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 02 de maio de 2006; e 26 de outubro de 2021). Duo para Violino e Viola.
  • Noturno Tapajônico. Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 16.04, 21.10 e 29.12.2007). Dueto para Soprano e Tenor, com acompanhamento de Piano. Arranjo: Trio para Violino, Viola e Piano. Belém (PA), 16.04, 21.10 e 29.12.2007; 06.10.2007; e 25.09.2009. Arranjo: Belém-PA, 27 de outubro de 2021.
  • Muiraquitã (Sairé). Letra: José Wilson Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 02.12.1978). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 03.12.1978). Sexteto para Sax-Alto, Violino, Viola, Clarinete, Percussão e Piano. Arranjo: Belém (PA), 29 de outubro de 2021.
  • Toada da Piracaia (Batuque, Carimbó, Sairé). Letra: Edwaldo Antônio Campos de Souza (Santarém-PA, 2012). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 15.04.2012). Sexteto de Sopros, Percussão e Piano. Sexteto de Sopros Sax-Alto, Flauta, Oboé, Clarinete, Trompa e Fagote. Percussão: Caixa. Arranjo: Belém-PA, 31 de outubro de 2021.
  • Hino da Academia de Música de São Paulo. Canto e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 31 de agosto de 2021).
  • Hino do SESC (Serviço Social do Comércio). Canto e Piano; Orquestra Sinfônica (Belém-PA, 1º e 04 de setembro de 2021); e Coro a 4 vozes mistas e Piano (Belém-PA, 20 de novembro de 2021).
  • Novos Sonhos! (Sairé-Jingle). Letra: Renato Sussuarana. Canto e Piano; Sax e Piano; Sax, Piano e Percussão (Belém-PA, 29 de setembro de 2021).
  • Novos Sonhos!  – UFOPA e Aldenize, a luz de um novo porvir! (Hino-Marcha). Letra: Renato Sussuarana. Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, sediada em Santarém (PA). Canto e Piano; Trompete e Piano; Orquestra (Belém-PA, 30 de setembro de 2021).
  • Elegia a Sebastião Tapajós. Letra: Renato Sussuarana. Canto e Piano; e Violino e Piano (Belém-PA, 03 de outubro de 2021).
  • Hino do Preventório Santa Terezinha. Canto e Piano; Sax e Piano; Sexteto de Sopros e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 09 de outubro de 2021).
  • Suíte Tapajônica – Duo para Violino e Viola. Em memória do Maestro Don Ricardo Guida. Dedicada a Cecília Guida e Henrique Muller. Obra musical escrita a pedido de Luís Roberto Trench. Peça em 5 movimentos: 1) Mensagem; 2) Alma Tapajônica; 3) Noturno; 4) Tango; e 5) Olhando o Ocaso. Belém (PA), 17 de outubro de 2021.
  • Tapajós – Santarém (Samba). Letra: Paulo Rodrigues dos Santos (Santarém-PA, 1948). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 20 de outubro de 2021). Poema publicado em “O Jornal de Santarém”, edição de 24 de outubro de 1948, comemorativo do Primeiro Centenário de elevação de Santarém à categoria de cidade. Arranjos: Sax, Piano e Percussão; Quinteto de Sopros e Piano; e Quinteto de Sopros: Flauta, Oboé, Clarinete, Trompa e Fagote.
  • Sonatina para Violino e Viola – Duo para Violino e Viola. Revista: Belém (PA), 24 de outubro de 2021. A peça possui quatro (4) movimentos, cujos subtítulos revelam o espírito da obra: a) Alvorada (Andante); b) Dançando o Sairé (Andantino); c) Valsa do Realejo (Adágio); d) Tem Dobrado na Praça (Andante). Dedicada ao Confrade Luís Roberto Von Stecher Trench.
  • Lira Iluminada (Valsa Santarena nº 51). Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca. Belém-PA, 14.03.2002 (música) e 12.04.2002 (letra). Dedicada a meu pai, Wilson Fonseca (Maestro Isoca). Duo para Viola e Piano. Arranjo: Belém (PA), 26.07.2020. 1º Movimento: Adágio (“Os Sinos Dobram”); 2º Movimento: Più mosso (“Lembrança da Infância”); 3º Movimento: Com muita alma (“Passagem para a eternidade”).
  • Hino aos 50 anos da Turma de Direito 1971 (Homenagem à Turma do Curso de Direito da UFPA, de 1971). Canto e Piano; Orquestra; Camerata (Flauta, Clarinete, Sax-Alto, Sax-Tenor, 2 Trompetes, 2 Violinos, Violoncelo, Contrabaixo, Piano e Percussão – Pratos, Caixa e Bombo); e Canto e Trio de Violino, Violoncelo e Piano. (Belém-PA, de 14 novembro de 2021).
  • Boto Sapeca. Violoncelo Solo. Peça em 7 movimentos: Andante (Nas ondas do rio); Andante, Più mosso; Andante (Na foz do igarapé); Adágio (Canto do pássaro); Serenata; Moderato; Prestíssimo (Valseando). Dedicada ao Violoncelista Antônio Lauro Del Claro (Belém-PA, 18 de novembro de 2021).
  • Valsinha para Ana Laura (Valsa Santarena nº 118). Canto e Piano. Dedicada à netinha Ana Laura Rodrigues da Silva Fonseca, filha de Vicente José Malheiros da Fonseca Filho e Aida Rodrigues da Silva Fonseca. Para esta obra musical também escrevi um arranjo para Flauta e Piano. Belém (PA), 12 de setembro de 2019; e 18 de novembro de 2021.
  • Do Poema de Minha Tristeza (Canção). Letra: Paulo Rodrigues dos Santos. Música: Wilson Fonseca (Santarém-PA, 1951). Arranjo para Quarteto de Cordas: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 18 de dezembro de 2011; e 21 de novembro de 2021).
  • Ave Maria nº 4 (Sacra). Música: Wilson Fonseca (Santarém-PA, 1959). Arranjo para Quarteto de Cordas: Arranjo: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 06 de junho de 2017; e 22 de novembro de 2021).
  • Maria, Mãe de Jesus, Esposa de José (Hino). Letra: Renato Sussuarana (Santarém-PA, 26 de novembro de 2021). Canto e Piano; e Orquestra (Belém-PA, 26 de novembro de 2021).
  • Hino da Festa de N. S. da Conceição. Letra: Emir Bemerguy. Música: Wilson Fonseca (Santarém-PA, 1971). Arranjo para Coro a 4 vozes mistas: Vicente José Malheiros da Fonseca: Belém-PA, 28 de novembro de 2021. Dia do Círio de N. S. da Conceição – Santarém-PA).
  • Toada Tapajoara. Canto e Piano; Gaita de Boca e Piano; e Deceto de Sopros, Cordas e Piano. Deceto: Flauta, Oboé, Clarinete, Trompa, Fagote, 1º Violino, 2º Violino, Viola, Violoncelo e Piano. Belém-PA, 30 de novembro de 2021. A peça integra o ciclo de canções sobre o boto amazônico, de minha autoria, que atualmente registra 12 obras.
  • Maria, Mãe do Evangelho (Canto Sacro). Letra: Renato Sussuarana. Santarém-PA, 30 de novembro de 2021). Canto e Piano; e Gaita de Boca e Piano (Belém-PA, 05 de dezembro de 2021).
  • Oito de Dezembro (Hino Sacro). Letra: Renato Sussuarana (Santarém-PA, 08 de dezembro de 2021). Canto e Piano (Belém-PA, 08 de dezembro de 2021). Dia de Nossa Senhora da Conceição, Padroeira de Santarém (PA).
  • Meu Sonho (Canção). Poema: Cecília Meireles (1901-1964). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 17.07.2009). Violino e Piano. Postagem no Soundcloud: Belém-PA, 14.12.2021.
  • Mocidade (Canção). Letra: Silvério Sirotheau Corrêa (Santarém-PA, 09.10.1924). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 25.08.1977). Letra publicada no jornal “A Cidade” (Santarém-PA, 11.10.1924). Texto poético gentilmente cedido ao compositor da música por João Veiga dos Santos. Adaptação da melodia da música “Antes de viajar para Belém”, de autoria de Vicente Fonseca (música: Santarém-PA, 08.05.1975; e letra: São Paulo-SP, 26.07.2005 e Florianópolis-SC, 28.07.2005). Trio para Flauta, Violoncelo e Piano. Arranjo: Belém-PA, 20.03.2013. Postagem no Soundcloud: Belém-PA, 14.12.2021.
  • Ser Mãe (Valsa dos 90 Anos). Letra: Padre Manuel Albuquerque. Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 28.10.2007). Dedicada à minha querida mãe (Rosilda), que completara 90 anos em 20.02.2008. Introdução e Coda extraídas da valsa “Rosilda” (Wilson Fonseca). O acréscimo da letra, na Coda, é do compositor. Gaita de Boca e Piano. Postagem no Soundcloud: Belém-PA, 14.12.2021.
  • Diversas “Valsas Santarenas” (novas composições, arranjos e revisões), cuja série registra, atualmente, 130 obras.

Confira no Soundcloud:

E também no Portal do TRT-8:

https://www.trt8.jus.br/estrutura-do-tribunal/desembargador/vicente-jose-malheiros-da-fonseca-aposentado

HINOS OFICIALIZADOS E ALGUNS VÍDEOS

O meu hinário registra mais de 40 hinos oficializados, dentre mais de 130 peças que compus nesse gênero.

Eis alguns hinos oficializados e vídeos, nos últimos anos:

  1. Hino ao Advogado. Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca – Desembargador do TRT-8. Belém (PA), 1º de junho de 2014. O compositor escreveu diversos arranjos para esta obra musical: Canto e Piano; Canto, Sexteto de Sopros, Percussão e Piano; Orquestra de Sopros e Percussão; e Flauta, Quinteto de Cordas e Percussão. O Hino foi oficializado pela Resolução nº 43, de 15 de dezembro de 2015, do Conselho Seccional da Ordem dos Advogados – Seção do Estado do Pará.

Arranjo: Canto, Sexteto de Sopros e Percussão. Sexteto de Sopros: Flautim, 2 Trompetes, Eufônio, Trombone e Tuba. Interpretação: Coral e Orquestra Jovem “Maestro Wilson Fonseca”, de Santarém (PA), sob a regência do Maestro José Agostinho da Fonseca Neto.

Ouça a música:

  1. Hino do Instituto Histórico e Geográfico do Pará (IHGP). Letra: Célio Simões (Belém-PA, outubro de 2012).

O “Hino do Instituto Histórico e Geográfico do Pará” (IHGP) foi oficializado pela Resolução nº 001/2016, de 30 de abril de 2016, lida durante a sessão conjunta do aniversário de fundação do Instituto Histórico e Geográfico do Pará (IHGP) e da Academia Paraense de Letras (APL), em 03 de maio de 2016.

Coral Jovem “Wilson Fonseca” e Quinteto “Wilson Fonseca”, de Santarém (PA).

Ouça a música:

Quarteto de Saxofones. Arranjo: Belém-PA, 26 de abril de 2019 (Revisto). Intérprete: Quarteto de Saxofones da UFPA (“Enchendo o Sax”). Integrantes do grupo musical “Enchendo o Sax” (Quarteto de Saxofones da UFPA): Professores Marcos Cardoso (sax-soprano), Marcos Ribeiro (sax-alto), John Collinge (sax-tenor), Raíza Rocha (sax- barítono) e Jorge Freitas (sax-barítono). Sessão solene comemorativa dos 119 anos do Instituto Histórico e Geográfico do Pará; e da Academia Paraense de Letras, na Associação Comercial do Pará. Belém (PA), 03 de maio de 2019.

Vídeo:

  1. Hino da ATEP – Associação dos Advogados Trabalhistas do Estado do Pará (letra: Célio Simões de Souza) – Canto e Piano; e Canto, Deceto, Percussão e Piano. Oficializado pela Resolução nº 001/2017, da Diretoria da ATEP, de 31 de agosto de 2017.

Ouça a gravação do Hino da ATEP:


Ouça a música (execução simulada por computador – Canto, Deceto Percussão e Piano):

  1. Hino do Instituto Maestro Wilson Fonseca (letra e música) – Canto e Piano; Quinteto ou Orquestra de Cordas; Quinteto de Metais; Quinteto de Metais e Percussão; Quarteto de Cordas; e Coro a 4 vozes mistas e Piano. Oficializado pela Resolução nº 01/2017, de 11 de novembro de 2017, da Diretoria da Associação Artístico Cultural Maestro Wilson Fonseca, entidade mantenedora do Instituto Maestro Wilson Fonseca.

Ouça a música (execução simulada por computador – Quinteto de Metais e Percussão):

  1. Hino a Saboeiro – Hino-marcha (letra: Antonio Erlindo Braga) – Canto e Piano; e Canto, Sexteto de Sopros, Piano e Percussão. Oficializado, como “Hino do Município de Saboeiro”, pela Lei nº 597, de 25 de maio de 2018, publicada nas páginas 716/717 do livro “História de Saboeiro e as Sete Irmãs na Monarquia e na República“, de Antônio Erlindo Braga.

Vídeo:

  1. Hino do Rotary Club de Belém (letra e música) – Canto e Piano; e Orquestra. Oficializado pela Resolução nº 01/2018, de 05 de agosto de 2018, por deliberação unânime da Assembleia Geral, em reunião extraordinária da entidade, realizada em 02 de agosto de 2018.

Ouça a música (execução simulada por computador – Orquestra):


Vídeo:

  1. Hino do Instituto Silvio Meira (letra e música) – Canto e Piano; Canto, Quinteto de Metais, Percussão e Piano; Canto, Banda Sinfônica, Percussão e Piano; Orquestra de Cordas; e Orquestra Sinfônica. Oficializado pela Resolução nº 01/2018, da Diretoria do Instituto Sílvio Meira, de 13 de setembro de 2018. Canto e Orquestra. Cantor: Júlio César Guimarães. Orquestra Sinfônica Maestro Wilson Fonseca (membros) – Santarém-PA. Regência: Maestro José Agostinho da Fonseca Neto. Primeira audição pública mundial do Hino, na abertura do I Congresso Ítalo-Luso-Brasileiro de Direito, em 23 de abril de 2018, em Roma (Itália).

Vídeo:

  1. Hino da Academia Paraense de Letras Jurídicas (letra: Célio Simões de Souza) – Canto e Piano; e Orquestra. Oficializado pela Resolução nº 01/2018, de 27 de setembro de 2018, da Diretoria da Academia Paraense de Letras Jurídicas, de 03 de julho de 2018. Canto, Orquestra, Percussão e Piano. Canto: Júlio César Guimarães (Barítono). Orquestra: Flautim, Clarinete, Sax-Alto, Sax-Tenor, 2 Trompetes, Trompa, Trombone e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo. Piano. Gravação no estúdio da Rádio Rural de Santarém (PA).

Ouça a música:

  1. Hino da AMATRA-VIII – Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 8ª Região (letra e música) – Canto e Piano; Canto, Sexteto de Sopros, Percussão e Piano; e Canto, Orquestra, Percussão e Piano. Oficializado pela Resolução nº 001/2018, de 19 de dezembro de 2018, da Diretoria da Associação. Canto e Piano. Primeira audição pública mundial do “Hino da AMATRA-VIII”. Intérpretes: Ione Carvalho (soprano) e Renata Tavernad (pianista). Abertura do Seminário “Constituição, Dignidade e Trabalho: 30 anos da Constituição Federal e 40 anos da AMATRA8” (Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 8a. Região). Promoção: AMATRA-VIII e Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 8a. Região. Auditório da Faculdade de Direito do Centro Universitário do Pará (CESUPA). Belém (PA), 30 de novembro de 2018.

Vídeo:


Canto, Orquestra, Percussão e Piano. Orquestra: Flautim, Flauta, Clarinete, Sax-Alto, Sax-Tenor, 2 Trompetes, 3 Trompas, Eufônio, Trombone e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo.

Ouça a música (execução simulada por computador):

  1. Hino do Instituto de Advogados do Pará – IAP (letra: Célio Simões) – Canto e Piano; e Piano solo. Oficializado pela Resolução nº 001/2019, de 11 de abril de 2019, da Diretoria do Instituto. O Hino do IAP foi executado, em primeira audição pública, em 08 de fevereiro de 2019, no Instituto de Ciências da Arte, da Universidade Federal do Brasil, na Praça de República, em Belém (PA), na solenidade de posse da nova Diretoria da entidade, ocasião em que este compositor e o poeta Célio Simões “cantamos” a obra musical, acompanhados pela pianista Gabriella Affonso, que apresentou, durante o evento, um belo concerto de piano. Na oportunidade, os autores do Hino do IAP tivemos a honra de receber os Títulos (Diplomas) de Membros Honorários do IAP. Saxofone e Piano.

Ouça a música (execução simulada por computador):

  1. Hino da ABDSS – Academia Brasileira de Direito da Seguridade Social (letra: Océlio de Jesus Carneiro de Morais) – Canto e Piano; Canto, Orquestra, Percussão e Piano; Piano; e Canto, Quarteto de Cordas e Piano. Oficializado pela Resolução nº 01/2019, de 27 de setembro de 2019, do Presidente da Academia, autor do texto poético. Canto, Orquestra, Percussão e Piano. Orquestra: Flautim, Flauta, Clarinete, Sax-Alto, Sax-Tenor, 2 Trompetes, 3 Trompas, Eufônio, Trombone e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo.

Ouça a música (execução simulada por computador):

  1. Hino da Academia de Música do Brasil (letra e música) – Canto e Piano; Canto, Orquestra, Percussão e Piano; Quarteto de Cordas e Piano; e Piano solo. Oficializado pela Resolução nº 01/2019, de 09 de novembro de 2019, do Presidente, Fundador e Idealizador da Academia (Luís Roberto Trench). Canto, Orquestra, Percussão e Piano. Orquestra: Flautim, Flauta, Clarinete, Sax-Alto, Sax-Tenor, 2 Trompetes, 3 Trompas, Eufônio, Trombone e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo.

Ouça a música (execução simulada por computador):

  1. Canção do Oficial da Reserva (letra e música) – Canto e Piano; e Canto, Orquestra, Percussão e Piano.  Coro e Banda. Banda: Flautim, Flauta, Clarinete, Sax-Alto, Sax-Tenor, 2 Trompetes, 3 Trompas, Eufônio, Trombone e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo. Intérpretes: Coro e Banda do Comando Militar do Norte, sob a regência do 2° Tenente Samuel da Cunha Peçanha. No dia 16 de novembro de 2019 ocorreu a primeira audição pública da “Canção do Oficial da Reserva”, de minha autoria, durante a Solenidade Cívico-Militar em comemoração ao “Dia Nacional do Oficial da Reserva (R/2)”, durante o 15º Encontro Anual AORE-Belém, no Quartel do 2° Batalhão de Infantaria de Selva (2° BIS), na Av. Almirante Barroso, 4421, em Belém (PA). Na ocasião, a “Canção do Oficial da Reserva” foi especialmente apresentada ao General do Exército do Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, Comandante Militar do Norte. Na mesma oportunidade, foi assinada a Resolução nº 01/2019, de 16 de novembro de 2019 (da Associação dos Oficiais da Reserva do Exército – AORE – Belém-PA), que oficializou a “Canção do Oficial da Reserva”, pelo Sr. Ruy Sérgio Nascimento Cohen, 1º Ten. R/2 Inf., Presidente da Associação dos Oficiais da Reserva do Exército – AORE – Belém (PA).

Ouça a música:

  1. Hino da FENAJU (Federação Nacional das Juntas Comerciais). Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 22 de março de 2019). Oficializado em Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária  da Federação Nacional das Juntas Comerciais (FENAJU), realizada em 27 de novembro de 2019, na cidade de São Paulo (SP), conforme Ata aprovada e registrada no 2º Ofício de Registro de Pessoas Jurídicas, sob o número 000112464, em 19 de dezembro de 2019.

Canto, Orquestra, Percussão e Piano. Orquestra: Flautim, Clarinete, Sax-Alto, Sax-Tenor, 2 Trompetes, 3 Trompas, Eufônio, Trombone e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo. Canto: Itanaã  Moraes Figueiredo (Barítono).

Vídeo:

https://youtu.be/_ZkCTBE3rA8

Orquestra/Banda. Orquestra: Flautim, Clarinete, Sax-Alto, Sax-Tenor, 2 Trompetes, 3 Trompas, Eufônio, Trombone e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo. Intérprete: Banda de Música da Marinha. Regência: Suboficial Jurandir Dias Lima, Mestre de Banda. Primeira audição do Hino. Cerimônia de posse da nova Diretoria da Federação Nacional das Juntas Comerciais (FENAJU), sob a Presidência da Dra. Cilene Sabino. Pavilhão Boulevard das Feiras – Estação das Docas. Belém (PA), 16 de maio de 2019.

Vídeo:

  1. Hino da Academia Paraense de Jornalismo. Letra: Célio Simões de Souza (Belém-PA, 10 de setembro de 2016). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Madrid, Espanha, 11 de setembro de 2016). Canto e Piano. Noneto para Canto, Flautim, Metais, Percussão e Piano. Metais: 2 Trompetes, Trompa, Trombone e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo.

Quarteto de Saxofones: Sax-Soprano, Sax-Alto, Sax-Tenor e Sax-Barítono. Arranjo: Belém-PA, de 18 de maio de 2019. Intérpretes: Quarteto “Enchendo o Sax”, da Escola de Música da Universidade Federal do Pará. Solenidade de posse da nova Diretoria da Academia Paraense de Jornalismo, no salão nobre da Associação Comercial do Pará. Belém (PA), 31 de maio de 2019.

Vídeo:

  1. Hino da Associação Comercial do Pará (letra e música) – Canto e Piano; Canto, Deceto de Sopros, Percussão e Piano; e Orquestra Sinfônica. Oficializado pela Resolução nº 01/2020, de 30 de janeiro de 2020, do Presidente da ACP. Arranjo: Canto, Deceto de Sopros, Percussão e Piano. Deceto de Sopros: Flautim, Sax-Alto, 2 Trompetes, 3 Trompas, Eufônio Trombone e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo. Interpretação: Membros do Coral e Orquestra Jovem “Maestro Wilson Fonseca”, de Santarém-PA, sob a regência do Maestro José Agostinho da Fonseca Neto.

Ouça a música:

  1. Hino da SBACE  – Sociedade Brasileira de Artes, Cultura e Ensino (letra e música). Canto e Piano; Canto, Deceto de Sopros, Percussão e Piano; e Orquestra Sinfônica. Oficializado pela Resolução nº 01/2020, de 09.03.2020, do Presidente da SBACE. Orquestra: Flautim, Flauta, Oboé, Clarinete, Clarinete-Baixo, Fagote, 3 Trompas, 2 Trompetes, Trombone, Trombone-Baixo, Tuba, Percussão (Pratos, Caixa e Bombo), 2 Violinos, Viola, Violoncelo e Contrabaixo.

Ouça a música (execução simulada por computador):

  1. Hino da Academia de Musicologia do Brasil (letra e música) – Canto e Piano; e Orquestra Sinfônica. Oficializado pela Resolução nº 01/2020, de 25 de junho de 2020, do Presidente, Fundador e Idealizador da Academia (Luís Roberto Trench). Orquestra Sinfônica. Orquestra: Orquestra: Flautim, Flauta, Oboé, Clarinete, Fagote, Trompete, Trompas, Trombone, Tuba, 1º Violino, 2º Violino, Viola, Violoncelo e Contrabaixo. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo.

Ouça a música (execução simulada por computador):

  1. Hino da Escola Judicial do TRT-11ª Região. Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Desembargador do TRT-8ª Região). Belém (PA), 9 de julho de 2014. Hino composto a pedido da Exmª. Srª. Desembargadora Francisca Rita Alencar Albuquerque, Diretora da Escola Judicial do Egrégio Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região, sediado em Manaus (AM), conforme o Ofício EJUD11.NFAM nº 67/2014, de 27 de junho de 2014. Oficializado pela Resolução Administrativa nº 209/2014, de 27 de agosto de 2014, do E. TRT-11ª Região. Execução: Banda da Polícia Militar do Amazonas (Manaus). Regência: Sargento Marcolino. Primeira audição mundial, durante a solenidade de abertura da II Jornada Institucional dos Magistrados do Trabalho da 11ª Região, que tem como eixo temático “A Justiça que Queremos”, realizada no dia 06 de outubro de 2014, no Fórum Trabalhista de Manaus (AM), quando o compositor proferiu a palestra sobre o tema “Revisitando a velha CLT e a Justiça que queremos”. (Canta, de improviso, o próprio compositor do hino).

Vídeo:


Vídeo da execução apenas instrumental:

  1. Hino da Academia Luminescência Brasileira. Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Belém-PA, 20 de maio de 2015. Arranjo: Banda. Instrumental: 3 Clarinetes, 2 Saxofones-Alto, Saxofone-Tenor, Saxofone-Barítono, 3 Trompetes, 3 Trombones, Bombardino e Tuba. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo. Primeira audição mundial do “Hino da Academia Luminescência Brasileira”, executado pelo Coro Cantares e Corporação Musical Gomes & Puccini, de Jaboticabal (SP), sob a regência da Maestrina Tutti Góes de Lima, em 11 de setembro de 2015, quando o compositor tomou posse na referida Academia, como titular da Cadeira nº 5, que tem como Patrono o seu pai Wilson Fonseca (Maestro Isoca), em solenidade realizada no Salão Nobre do Colégio Santo André daquela cidade paulista. A Academia tem como Presidente a Escritora e Comendadora Michelle Franzini Zanin.

Vídeo:

  1. Ave Maria (Sacra). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Canto: Madalena Aliverti (Soprano). Piano: Adriana Azulay. Violino: Márcia Aliverti. Recital “Ave Maria Paraense”. Instituto Estadual Carlos Gomes – Sala Ettore Bosio – Belém-PA, 09.10.2015.

Vídeo:

Ave Maria (Sacra). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Texto latino (tradicional). Canto e Piano. Belém (PA), 15.07.2003. Intérpretes: Elizabeth Valdez (soprano) e Elias Carvalho (tenor), na abertura da IV Semana Regional de Museus, que integra a XIV Semana Nacional de Museus (Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM), no Hall de Entrada do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, em Belém (PA), 18 de maio de 2016. Escrevi mais de 50 arranjos (canto, conjuntos de câmara, orquestra etc.) para esta peça sacra, composta originariamente em 2003. Em 2005, dediquei a composição à Sua Santidade o Papa Bento XVI (Joseph Ratzinger) – que havia sido eleito – a quem enviei a peça e, por intermédio da Secretaria de Estado do Vaticano, tive a graça de ser contemplado com uma Bênção Apostólica (expediente datado de 24.06.2006). Na época, escrevi o artigo intitulado “Uma Ave Maria ao Papa Bento XVI”, publicado no Jornal “Uruá-Tapera – Gazeta do Oeste” (Belém-PA), Ano XIII, edição nº 120, de abril de 2005, p. 6.

Vídeo:

Ave Maria” (Sacra). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Canto e Piano. Intérpretes: Sílvio Rodrigues (Contratenor) e Humberto Azulay (piano). Sala Ettore Bósio — Fundação Carlos Gomes — Belém (PA), 08.10.2013. O compositor escreveu mais de 50 arranjos (canto, conjuntos de câmara, orquestra etc.) para esta peça sacra, composta originariamente em 2003. A “Ave Maria” foi interpretada pelo tenor paraense Atalla Ayan, acompanhado pela Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, sob a regência do Maestro Mateus Araújo, no Theatro da Paz (Belém-PA), em 10 de outubro de 2006, durante o concerto “Um Canto para Maria”, de que participou a soprano paraense Patrícia Oliveira.

Vídeo:

  1. Belém Meu Amor. Letra: Joacyr Rocha. Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 23 de março de 2014). Homenagem ao aniversário de Belém (12 de janeiro de 2016).

Arranjo para Banda: Belém (PA), 29 de julho de 2015. Ensaio: Palacete Pinho, Belém-PA, 07 de janeiro de 2016. Execução: Banda da Guarda Municipal de Belém. Música incluída na Programação Oficial das comemorações dos 400 Anos de Belém, a ser executada, em primeira audição mundial, no próximo dia 12 de janeiro de 2016, às 9h (Ver-o-Peso, Belém-PA).

Vídeo:

Arranjo: Coro a 3 vozes mistas, Violino e Piano (Vicente Fonseca). Belém (PA), 23 de fevereiro de 2016. Interpretação: Coral “Maestro Isoca”, da Caixa de Assistência dos Advogados do Pará (OAB-PA), Violino (Alexandre Augusto Negrão) e Piano (Sandro Marcelo Negrão), sob a regência da Maestrina Danihellen Prince Dias Siqueira. Primeira execução cantada da canção “Belém do meu amor”. Dia 04/05/2016. Auditório “Otávio Mendonça”, da OAB-PA, Belém (PA). Comissão de Arte e Cultura da OAB-PA e Escola Superior de Advocacia (ESA). Programação sobre “Belém 400 anos – “Patrimônio Público e Particular de Belém – Resgate da Memória Histórica”.

Vídeo:

  • Hino da Câmara Municipal de Santarém. Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca (De Santarém-PA para Belém-PA e São Paulo-SP, 22 e 24 de maio de 2014). Em 1º de fevereiro de 2016 foi executado, em primeira audição mundial, o “Hino da Câmara Municipal de Santarém”, de minha autoria, na sessão de abertura do ano legislativo, com interpretação do cantor Júlio César Guimarães, acompanhado da Orquestra Jovem “Maestro Wilson Fonseca”. O hino foi oficializado pela Resolução nº 02/2014, de 10.12.2014, da Câmara Municipal de Santarém. Hino composto a pedido do Vereador Henderson Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Santarém, em seu pronunciamento durante a solenidade de homenagem pelos 35 anos de criação da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil de Santarém (PA), em 22 de maio de 2014.

Vídeo:

  1. Chorinho Pai D’égua (Choro). Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca (Santarém-PA, 03.03.1970 – Belém-PA, 25.10.2004). Quarteto para Vibrafone, Marimba, Contrabaixo Eletrônico e Pandeiro. Execução: Tacap Percussion Amazon. Sala Ettore Bósio – Conservatório Carlos Gomes – Belém-PA, 22.03.2016.

Vídeo:

  1. Uirapuru. Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca Santarém-PA e Belém-PA, 27.12.1970 e; Belém-PA, 11.11.2007 e 26.11.2015). Duo para Oboé e Piano. Música interpretada pelo Duo de Oboé e Piano, integrado pelos professores paulistas Gilson Barbosa e Arlete Tironi Gordilho (“Duoboé e Piano”), no dia 2 de maio de 2017, no Projeto “Música na Biblioteca”, no Memorial da América- Latina (Av. Auro Soares de Moura Andrade, n° 664 – Barra Funda – São Paulo-SP). O texto poético, de autoria do próprio compositor, é um poema em forma de acróstico com o nome das sete notas musicais. Na primeira vez, a escala musical ascendente; e na segunda vez, a escala musical descendente. Observe-se que ao pronunciar as sílabas correspondentes às notas musicais (na escala ascendente), a partitura da “melodia” assinala justamente a nota equivalente (dó, ré, mi, fá, sol, lá, si, dó). Como se sabe, o uirapuru é um famoso pássaro amazônico, considerado o cantor-mor de nossas florestas. O seu canto faz calar os demais passarinhos da selva, extasiados com o seu maravilhoso gorjeio. Diz a lenda que o raro privilégio de ouvi-lo constitui garantia de sorte para a vida inteira. A peça é dedicada in memoriam de Gabriel Luciano Trench, genitor do musicólogo Luís Roberto Trench (SP).

Vídeo:

  1. Valsa Santarena nº 102. Duo para Corne Inglês e Piano. Música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Santarém (PA), 22 de novembro de 2015 (Dia do Músico – Círio de N. S. da Conceição).  Belém-PA, 28.11.2015 (Arranjo: Duo para Corne Inglês e Piano). A obra integra a série de “Valsas Santarenas” (atualmente, 130 peças). Música interpretada pelo Duo de Oboé e Piano, integrado pelos professores paulistas Gilson Barbosa e Arlete Tironi Gordilho (“Duoboé e Piano”), no dia 2 de maio de 2017, no Projeto “Música na Biblioteca”, no Memorial da América- Latina (Av. Auro Soares de Moura Andrade, n° 664 – Barra Funda – São Paulo-SP).

Vídeo:

  • Para Minha Mãe” (Quarteto de Cordas). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Belém (PA), 09.08.2009. Compus a peça no Dia dos Pais (09.08.2009) e dediquei à minha querida mãe Rosilda, que chegou a ouvi-la, no hospital, antes de falecer, em Florianópolis-SC (18.08.2009). Minha mãe tocava violino, quando jovem. Foi aluna de meu avô José Agostinho da Fonseca e de meu pai Wilson Fonseca, maestro Isoca. Concertos SESC Partituras. Quarteto de Cordas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará (EMUFPA): Celson Gomes (1° Violino); Joziely Britto (1° Violino); Rodrigo Santana (Viola); e Cristian Brandão (Violoncelo). SESC Boulevard. Belém-PA, 18 de outubro de 2017.

Vídeo:

  1. Irurá” (Chorinho). Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 15.11.2008). O compositor escreveu diversos arranjos para esse chorinho, que também tem letra de sua autoria, que indica o clima da obra musical. Arranjo: Quarteto de Cordas (versão revista). Concertos SESC Partituras. Quarteto de Cordas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará (EMUFPA): Celson Gomes (1° Violino); Joziely Britto (1° Violino); Rodrigo Santana (Viola); e Cristian Brandão (Violoncelo). SESC Boulevard. Belém-PA, 18 de outubro de 2017.

Vídeo:

  1. Irurá” (Chorinho). Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 15.11.2008). O compositor escreveu diversos arranjos para esse chorinho, que também tem letra de sua autoria, que indica o clima da obra musical. Arranjo: Quarteto de Cordas (versão revista). Interpretação: DOT Quartet. Violinos: Gustavo Cabrera e Chris Kosides; Viola: Isaac Poels; Violoncelo: Ivan Nogueira. “De Muziek Experience”. Local: Cafe Klassiek Plus, Roterdã (Holanda).

Vídeo:

  1. Quarteto 2012” (Quarteto de Cordas). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 05 de janeiro de 2012). Obra composta em homenagem ao primeiro centenário de nascimento de Wilson Fonseca (Maestro Isoca, 1912-2012), meu saudoso pai. As datas expressas nos movimentos correspondem a momentos marcantes na vida de Wilson Fonseca, com trechos de músicas de minha autoria: 1º movimento: Moderato – Nascimento (1912); 2º movimento: Adágio – Bodas (1941) – trecho da obra “Meu Uirapuru”; 3º movimento: Andante – Eternidade (2002) – trecho da obra “Motivo Amazônico”; 4º movimento: Andante (Sairé) – trecho da obra “Motivo Amazônico”; Coda: Centenário (2012). Concertos SESC Partituras. Quarteto de Cordas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará (EMUFPA): Celson Gomes (1° Violino); Joziely Britto (1° Violino); Rodrigo Santana (Viola); e Cristian Brandão (Violoncelo). SESC Boulevard. Belém-PA, 18 de outubro de 2017.

Vídeo:

  • Suíte ao Maestro Isoca. Música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Compus a “Suíte ao Maestro Isoca”, em 2005, para Orquestra de Violinos e Piano a 4 mãos, peça em 6 movimentos: Sacra (“Ave Maria”), Maxixe (“Quase aos 50”), Valsa lenta (“Lira Iluminada” – trecho), Choro (“Sapecando Miudinho”), Canção (“Canção a um grande amor”) e Sairé (“Dança na Roça”), dedicada à Turma “Wilson Fonseca”, Concluintes do Curso Técnico em Instrumento, da Escola de Música da Universidade Federal do Pará (2004). A obra é uma coletânea de composições de minha autoria, a respeito das quais fiz ligeiros comentários, que considero oportunos, conforme Carta que dirigi a cada um dos alunos concluintes (Alexandre Contente, Edivanildo Nascimento, Evelyn Menezes, Fabrício Castro, Filipe Leitão, Ronaldo Souza Filho, Osvaldo Santos, Rodrigo Santana e Rosacélia Brito). Dos seis movimentos da “Suíte ao Maestro Isoca” (Orquestra de Violinos e Piano a 4 mãos), em 19 de março de 2005 foram executados, naquela solenidade de colação de grau, apenas o primeiro movimento (“Ave Maria” – sacra) e o segundo movimento (“Quase aos 50” – maxixe).

Vídeo:

  • Hino do TJC (Programa Trabalho, Justiça e Cidadania). Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Belém (PA), 29 de setembro de 2013. Primeira audição pública mundial do “HINO TJC” (Programa Trabalho, Justiça e Cidadania), de autoria do Desembargador Vicente Malheiros da Fonseca, no Auditório do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, em Belém (PA), na data de 14 de novembro de 2013, no encerramento da “Culminância” do TJC, evento promovido pela Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 8ª Região (AMATRA-8), então presidida pelo Juiz Antônio Oldemar Antônio Coelho dos Santos. Na época, o Programa TJC era coordenado, na 8ª Região, pela Desembargadora do Trabalho Maria Zuíla Lima Dutra e pelo Juiz do Trabalho Océlio de Jesus Morais. O “Hino do TJC” foi interpretado pelo Coral Infanto-Juvenil do Projeto Vale Música, acompanhado por um Sexteto de Sopros (Flautim, 2 Trompetes, Trompa, Trombone e Tuba), Glockenspiel, Percussão e Piano, integrado por Membros da Orquestra Jovem do Projeto Vale Música, a seguir nominados – Sexteto de Sopros: Vítor Barral Oeiras (Flautim), Handel Alcântara da Silva (1° Trompete), David Nascimento (2° Trompete), Ágatta Sobral (Trompa), Handerson Hazan (Trombone) e Paulo Sérgio Fonseca (Tuba). Percussão: Christopher Santana (Bombo), Darlan Show (Pratos) e Lucas Miranda (Caixa). Glockenspiel: Leandro Caxias. Piano: José Agostinho da Fonseca Júnior. Regência: Maestrina Elizety Rego. Hino composto a pedido dos Magistrados do Trabalho Maria Zuíla Lima Dutra e Océlio de Jesus Carneiro Morais, Coordenadora e Vice-Coordenador do “Programa Trabalho, Justiça e Cidadania” na Justiça do Trabalho da 8ª Região (Belém-PA). Oficializado pela Diretoria da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (ANAMATRA), em reunião realizada em Brasília (DF), em 02 de dezembro de 2013.

Vídeo:

  1. Acalanto nº 2. Letra: João de Jesus Paes Loureiro (Belém-PA, 1984). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 22.06.2008). Violoncelo e Piano. Arranjo: Belém-PA, 11 de maio de 2020. Intérpretes: Samuel Lopes (Violoncelo) e Aita Chistine Malheiros Altman (Piano). São Paulo (SP), junho de 2020.

Vídeo:

  1. Hino da UEPA (Universidade do Estado do Pará). Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca. Belém (PA), 30 de outubro de 2011. Coro a 4 vozes mistas e Piano. Interpretação: Madrigal da UEPA (Universidade do Estado do Pará), acompanhado pelo pianista Humberto Azulay, sob a regência da Maestrina Ana Maria Souza. Compus sete (7) arranjos para o “Hino da UEPA”: Canto e Piano; Coro a 4 vozes mistas e Piano; Canto, Quinteto de Sopros e Piano; Canto, Quinteto de Metais e Piano; Quarteto de Cordas e Piano; Quarteto de Cordas; e Canto, Orquestra de Sopros (Banda Sinfônica), Percussão e Piano. O “Hino da Universidade do Estado do Pará” – UEPA foi executado pelo Madrigal da UEPA, acompanhado pelo pianista Humberto Azulay, sob a regência da Maestrina Ana Maria Souza (Coro a 4 vozes mistas e Piano), na solenidade de abertura da XXI Semana Acadêmica, do Centro de Ciências Sociais e Educação​, no Auditório Paulo Freire (Campus I – CCSE), Núcleo de Arte e Cultura da UEPA, realizada em 16 de maio de 2016, em Belém (PA). Na ocasião, tive a honra de ser homenageado com a entrega da Portaria nº 1285/2016, de 13.05.2016, do Magnífico Reitor da UEPA, publicada no Diário Oficial do Estado do Pará nº 22.128, edição de 16.05.2016, pág. 50, com agradecimentos e elogios, como forma de reconhecimento pela autoria do Hino da Universidade do Estado do Pará, além da outorga do Diploma de Menção Honrosa, conferida pelo Diretor do Centro de Ciências Sociais e Educação, da Universidade do Estado do Pará (UEPA), em 16.05.2016, em gratidão e reconhecimento pela composição da letra e música do “Hino da UEPA”. O Hino foi oficializado pela Resolução nº 3.140/2017-CONSUN, de 25.04.2017, do Conselho Universitário da UEPA (Processo nº 167.014/2017), publicada no Diário Oficial do Estado do Pará nº 33.375, edição de 17.05.2017, pág. 112.

Vídeo:

  1. Valsa Santarena nº 77. Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 10 de abril de 2009; e 06 de janeiro de 2015). Quinteto de Metais: 2 Trompetes, Trompa, Trombone e Tuba. Esta “Valsa Santarena nº 77” foi composta na Sexta-Feira Santa do ano de 2009, daí o seu clima sacro. Dediquei a peça a meu irmão José Agostinho da Fonseca Neto (Maestro Tinho), que dirige, em Santarém (PA), o Instituto “Maestro Wilson Fonseca” (Música, Dança e Teatro), a Orquestra Jovem e Coral “Maestro Wilson Fonseca”. Aproveitei a melodia principal desta valsa (totalmente inédita) na elaboração da peça “Maria – Ave Maria dos Migrantes” (Coro a 4 vozes mistas e órgão de tubo, com pedal), vencedora do Concurso Nacional de Composição de Música Sacra, promovido, em 2010, pela Paróquia Nossa Senhora de Boa Viagem – Igreja Matriz de São Bernardo do Campo (SP), em comemoração aos “200 anos de criação da Paróquia – 1812/2012”.

Vídeo editado por José Agostinho da Fonseca Júnior.

Belém-PA, 21 de Junho de 2020.

  1. Um Poema de Amor (Wilson Fonseca). Santarém-PA, 1953. Música dedicada a José Agostinho da Fonseca Neto (Tinho), filho do compositor, meu irmão, no ano do nascimento do homenageado. Intérpretes: Vicente José Malheiros da Fonseca (Piano solo) e José Agostinho da Fonseca Júnior (Piano acompanhante), na data do aniversário natalício do homenageado. Belém (PA), 21 de junho de 2020. Captação do vídeo: Neide Teles Sirotheau da Fonseca.

Vídeo:

  • Acalanto“. Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Belém-PA, 1971. Coro a 4 vozes mistas e Piano. Vozes da Amazônia. Regência: Maestrina Maria Antônia Jiménez. Igreja de Santo Alexandre. Belém (PA), setembro de 2012.

Vídeo:

https://www.facebook.com/katnassar/videos/3208578673570/


Acalanto“. Coro a 4 vozes mistas e Piano. Coral Vozes da Amazônia. Regência: Maestro Eduardo Nascimento. Belém (PA), 28 de novembro de 2013.

Vídeo:

Acalanto“. Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 1971). Concerto de Duo Piano e Soprano. Concerto em agradecimento a Belém — Cidade das Mangueiras. Soprano: Chiaki Okuyama. Piano: Yukiko Numata (Consulesa do Japão, em Belém-PA). Data: 04 de dezembro de 2013. Local: Arte Doce Hall (Sala Augusto Meira Filho), em Belém (PA). Promoção: Consulado Geral do Japão em Belém. A peça foi executada, em primeira audição, com arranjo orquestral elaborado por Wilson Fonseca (Maestro Isoca), meu saudoso pai, na “Semana de Santarém”, realizada em 1972, no Theatro da Paz, em Belém (PA), pela Orquestra e Madrigal da Universidade Federal do Pará (UFPA). Essa música, que dediquei à minha esposa Neide, foi tocada na cerimônia de nosso casamento, em 1976, na Igreja Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, na capital paraense. Elaborei uma revisão da versão para Canto e Piano, especialmente para ofertá-la à Consulesa Sra. Yukiko Numata, talentosa pianista, esposa do Sr. Yukio Numata, Cônsul Geral do Japão em Belém, que se realizou o belo concerto na Sala Augusto Meira (Arte Doce Hall), em companhia da notável soprano Chiaki Okuyama. Trata-se de uma obra bem singela, que lembra uma canção de ninar, daí porque, em certo trecho, deve ser cantada em bocca chiusa, ou seja, com a boca fechada, conforme indicado na partitura musical. Além de “Acalanto”, de minha autoria, foram apresentadas, no concerto, músicas de compositores japoneses (Yoshinao Nakata, Hideo Kobayashi e Kouzaburou Hirai) e obras de J. S. Bach, G. Puccini, G. Donizetti, J. Massenet e F. Chopin. Participação especial de Alexandre Negrão (violino), Ariel Lima (piano), Fábio Santos (violino) e Igor Amaro (violino), membros da Orquestra Jovem do Projeto Vale Música. O concerto foi um agradecimento a Belém – Cidade das Mangueiras, da qual o Cônsul-Geral do Japão, Yukio Numata, se despede.

Vídeo:

  • Canção da Escola da Magistratura da Justiça do Trabalho da 8ª Região. Letra: Desembargador Almir de Lima Pereira (Tribunal de Justiça do Estado do Pará). Música: Desembargador Vicente José Malheiros da Fonseca (TRT-8). Belém-PA, 05.09.1998. Oficializada como “Hino da Escola da Magistratura da Justiça do Trabalho da 8ª Região”, pela Resolução nº 266/2009, de 06.08.2009, divulgada no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho, em 17 de agosto de 2009, e considerada publicada em 18 de agosto de 2009. Intérpretes: Ione Carvalho (soprano) e Renata Tavernad (pianista). Solenidade de posse dos novos dirigentes da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 8a. Região (biênio 2018/2020). Auditório da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (EJUD-8). Belém-PA, 11 de dezembro de 2018.

Vídeo:

  • Hino do Ministério Público de Contas do Estado. Letra: Antonio Maria Filgueiras Cavalcante – Procurador-Geral de Contas do Estado do Pará (Belém-PA, maio de 2012). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca – Desembargador do Trabalho, Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (Belém-PA, 14.09.2012).

“Desembargador rege Coral do MPC.

Na cerimônia de outorga do Colar do Mérito Institucional, concedido ao Desembargador Vicente Malheiros da Fonseca pelo Ministério Público de Contas do Estado do Pará, nesta quarta-feira (30), foi executado, em primeira audição, o Hino do MPC, que tem letra de Antônio Maria Cavalcante, Procurador-Geral da instituição, e música do magistrado trabalhista homenageado. Na ocasião, Vicente Malheiros foi chamado para reger o Coral do TCE, do qual participou o autor da letra. Cavalcante é o decano no MPC e Malheiros, decano no TRT8. Na mesma solenidade tomaram posse três novos Subprocuradores de Contas (Silaine Karine Vendramin, Felipe Rosa Cruz e Guilherme da Costa Sperry). Momentos de muita emoção. O Hino foi oficializado pela Resolução nº 003/2012, de 27.09.2012 (Diário do Estado do Pará nº 32.253), que também outorgou ao compositor o Colar do Mérito Institucional do Ministério Público de Contas do Estado do Pará, entregue na mesma data da primeira audição pública da obra musical”.

Vídeo:

  • Saudação a Dom Irineu – “Vim para servir” (Hino). Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 19 de dezembro de 2019). Saudação a Dom Irineu Roman, nomeado em 06 de novembro de 2019, pelo Papa Francisco, como Primeiro Arcebispo Metropolitano da recém-criada Arquidiocese de Santarém (PA). Posse em 02 de fevereiro de 2020. Lema episcopal: “Vim para servir”.

Canto e Orquestra. Orquestra: Flauta, Oboé, Clarinete, Fagote, 2 Trompetes, 3 Trompas, Trombone, Tuba, 1º Violino, 2º Violino, Viola, Violoncelo e Contrabaixo. A música foi executada, em primeira audição pública mundial, no momento da chegada de Dom Irineu Roman, 1° Arcebispo de Santarém, na sala de desembarque, no Aeroporto de Santarém (PA) – “Maestro Wilson Fonseca”, pela Orquestra Sinfônica “Maestro Wilson Fonseca”, sob a regência do Maestro José Agostinho da Fonseca Neto, em 28 de janeiro de 2020. Canto: Bianca e Júlio César Antunes.

Vídeo:

  • Hino do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós (IHGTAP). Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 29.03.2012). Arranjo para Banda Sinfônica: Belém (PA), 15 de janeiro de 2015. Instrumental: Flautim, 2 Flautas, 2 Clarinetes, Clarinete-Baixo, 2 Sax-Alto, Sax-Tenor, Sax-Barítono, 2 Trompetes, 3 Trompas, Eufônio, 2 Trombones, Trombone-Baixo, Tuba, Contrabaixo e Glockenspiel. Percussão: Pratos, Caixa e Bombo. O “Hino do IHGTap” foi executado, em primeira audição mundial, pelo Coral e Orquestra Jovem “Maestro Wilson Fonseca” (dirigidos pelo Maestro José Agostinho da Fonseca Neto), na solenidade de abertura do Primeiro Colóquio de Institutos Históricos da Amazônia, realizado em Santarém (PA), nos dias 13 e 14 de março de 2015, quando ocorreu a sua oficialização (Ato nº 01/2015, de 13.03.2015). interpretado pelo cantor Júlio César Guimarães (Barítono), com acompanhamento da Banda Sinfônica “Maestro Wilson Fonseca”, na solenidade de posse da nova Diretoria do IHGTAP, em Santarém-PA, no dia 23 de março de 2018.

Vídeo:

  • Valsa Santarena nº 107. Música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Belém (PA), 06 de abril de 2017. Piano. Intérprete: Carla Ruaro. Concerto: “Floresta – Um Piano na Amazônia”. Sala Ettore Bósio – Conservatório Carlos Gomes. Belém-PA, 11 de dezembro de 2017.

Vídeo:

  • Hino da Academia de Letras e Artes de Santarém (ALAS). Letra: Emir Bemerguy e Vicente Malheiros da Fonseca (Santarém-PA, 27.02.2008; e Belém-PA, 03.06.2010). Música: Vicente Fonseca (Belém-PA, 03.06.2010; e 30.10.2010). Vicente Malheiros da Fonseca escreveu os textos das estrofes I e II, do 1º Refrão e do Final, além dos dois primeiros versos do 2º refrão. Emir Bemerguy escreveu os textos das estrofes III e IV e os dois últimos versos do 2º Refrão. Ambos membros da Academia. Emir Bemerguy (falecido) foi Membro efetivo da Academia; e Vicente Malheiros da Fonseca é Titular da Cadeira n° 39, cujo Patrono é o poeta, músico e escritor Wilmar Fonseca, desde a fundação da Academia de Letras e Artes de Santarém (A.L.A.S.). 

Canto e Banda Sinfônica. Arranjo: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 06.05,2012). Banda Sinfônica: Flautim, 2 Flautas, 2 Clarinetes, Clarinete-baixo, 2 Saxofones-alto, Saxofone-tenor, Saxofone-barítono, 3 Trompas, 2 Trompetes, 2 Trombones, Trombone baixo, Eufônio ou Bombardino, Tuba, Contrabaixo eletrônico, Percussão (pratos, caixa e bombo) e Vibrafone.

Intérpretes: Júlio César Guimarães e Banda Sinfônica “Maestro Wilson Fonseca”. Regência: Maestro Charles Almeida. Supervisão: Maestro José Agostinho da Fonseca Neto, membro da Academia. Casa da Cultura, Santarém (PA), 23 de fevereiro de 2018.

Posse da nova Diretoria da Academia de Letras e Artes de Santarém (A.L.A.S.), sob a Presidência do Professor Anselmo Colares, que sucede, na função, ao Professor Ednaldo Rodrigues.  Primeira audição pública mundial do Hino da Academia de Letras e Artes de Santarém.

Vídeo:

Hino da A.L.A.S. Gravação de ensaio do Coro e Orquestra Jovem “Maestro Wilson Fonseca”, de Santarém (PA), 2012, sob a regência do Maestro José Agostinho da Fonseca Neto. Coro, Orquestra de Sopros, Percussão e Piano.

Ouça a música:

  • Valsa Santarena nº 75 (“Seresteira”). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Belém (PA), 08 de dezembro de 2008. Trio para Flauta, Violoncelo e Piano. A peça integra a série de “Valsas Santarenas”, de minha autoria, que atualmente registra 130 obras. Intérpretes: Frederico Mendes de Oliveira Mil Homens (Flauta); Samuel Pessatti (Violoncelo); e Cleusa Marisa Rosati (Piano). Concerto de Música de Câmara, no Centro Recreativo, em  Santarém (PA), 17 de novembro de 2018. Promoção: Projeto SESC Partituras. Comemoração do aniversário natalício do compositor santareno Wilson Fonseca (Maestro Isoca); ao Jubileu de Prata do Instituto “Maestro Wilson Fonseca”; aos 60 anos da valsinha “Experimentar”, de Vicente Malheiros da Fonseca, que nesse ano fazia 70 anos de idade. Lançamento do CD “Família Fonseca: Do Erudito ao Popular”, gravado pelo citado Trio de Flauta, Violoncelo e Piano.

Vídeo:

  • Noturno Tapajônico. Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca. Belém (PA), 16.04, 21.10 e 29.12.2007. Arranjo: Trio para Flauta, Violino e Piano (Belém-PA, 06.10.2007 e 26.11.2018). Escrevi diversos arranjos para esta composição musical. Intérpretes: Eliane Ferreira da Fonseca (Flauta Transversal), Davi Ferreira da Fonseca (Violino ) e José Agostinho da Fonseca Júnior (Piano). Concerto da Turma do Professor e Maestro Miguel Campos Neto. Escola de Música da Universidade Federal do Pará. Belém-PA, 18 de dezembro de 2018. (Trecho da música).

Vídeo:

  • Valsa Santarena nº 1 (“Praia dos Namorados”). Música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Composta originariamente para Piano (Santarém-PA, dezembro de 1981). Transcrição para Violão solo: Belém-PA, 10 de dezembro de 2007. Intérprete: Maurício Ferreira Gomes. A peça integra a série de “Valsas Santarenas”, de minha autoria, que atualmente registra 130 obras.

Vídeo:

  1. Hino do Peteleco (Comunidade Educativa “O Mundo do Peteleco” e Centro de Educação Montessoriana do Pará (CEMP). Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca. Belém (PA), 05 de março de 2010. Nessa Escola estudou meu neto Vicente José Malheiros da Fonseca Neto. Arranjo: Canto, Orquestra de Sopros, Percussão e Piano (execução simulada por computador).

Orquestra: Flautim, 2 Flautas, 2 Clarinetes, Clarinete-baixo, 2 Saxofones-alto, Saxofone-tenor, Saxofone-barítono,  3 Trompas, 2 Trompetes, 2 Trombones, Trombone baixo, Eufônio ou Bombardino, Tuba, Contrabaixo eletrônico, Percussão (Pratos, Caixa e Bombo), Vibrafone e Piano.

Vídeo:

  1. Hino da Justiça do Trabalho (Hino em homenagem aos magistrados trabalhistas brasileiros). Letra e música de Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 12 de outubro de 1998). Oficializado pela Resolução nº 45/2000, de 09.03.2000, e art. 309 do Regimento Interno do TRT-8ª Região. Oficializado como canção oficial do Colégio de Presidentes e Corregedores dos Tribunais Regionais do Trabalho do Brasil – COLEPRECOR (Resolução nº 001/2010). Oficializado, em âmbito nacional, pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho – CSJT, em sessão de 29.02.2012, conforme Resolução nº 91, de 06.03.2012, publicada no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho nº 934/2012, de 08.03.2012.

Vídeo editado pelo TRT-14:

  1. HINO DO SESC (Serviço Social do Comércio). Música e letra: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 1º e 04 de setembro de 2021). Orquestra Sinfônica. Orquestra: Flautim, Flauta, Clarinete (1º e 2º), Sax-Alto (1º e 2º), Sax-Tenor, Trompete (1º e 2º), Trompa (1ª, 2ª e 3ª), Trombone, Eufônio (Bombardino), Tuba, Violino (1º e 2º), Viola, Violoncelo, Contrabaixo e Percussão (Pratos, Caixa e Bombo).

O vídeo registra um trecho da execução do “Hino do SESC”, de minha autoria, em primeira audição pública mundial, realizada pela Orquestra Jovem SESC-PA, sob a regência do Maestro Rodrigo Moraes, no dia 20 de setembro de 2021, na inauguração da ampliação do Centro de Cultura e Turismo do SESC Ver-o-Peso, em Belém (PA).

Vídeo (Trecho da versão instrumental):

Vozes e Orquestra Sinfônica. Orquestra: Flautim, Flauta, Clarinete (1º e 2º), Sax-Alto (1º e 2º), Sax-Tenor, Trompete (1º e 2º), Trompa (1ª, 2ª e 3ª), Trombone, Eufônio (Bombardino), Tuba, Violino (1º e 2º), Viola, Violoncelo, Contrabaixo e Percussão (Pratos, Caixa e Bombo). Gravação: Vozes e Orquestra Jovem do SESC-PA (52 músicos), sob a regência do Maestro Rodrigo Moraes. Cantores: Dulcianne Ribeiro; Ione Carvalho; Andrew Lima; e Léo Menezes. Técnicos de som: Luiz Pardal e Jacinto Kahwage.

Ouça a música:

  • Tema para Andréa“. Música: Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 07 de setembro de 2020). Dedicada à sobrinha-prima Andréa de Araújo Campos. Violino e Piano. Intérpretes: Andréa de Araújo Campos (Violino); e Cinthia Sell (Piano). Gravação do vídeo: São Paulo (SP), fevereiro de 2021.

Vídeo:

SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM LISBOA (PORTUGAL)

No mês de setembro de 2019, fui convidado a ministrar Palestra sobre o tema “OIT e Direitos Humanos: Desafios Contemporâneos (O trabalho infantil e o trabalho forçado no Brasil e os Direitos Humanos)”, no 2º Painel do Seminário Internacional de Direito do Trabalho – Homenagem ao Centenário da OIT (Organização Internacional do Trabalho), promovido pela Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 8ª Região (AMATRA-VIII), na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em Portugal (25 a 27 de setembro de 2019).

CONGRESSO INTERNACIONAL EM SEVILHA E VALÊNCIA (ESPANHA)

Em outubro de 2021, participei, de modo telepresencial (on line) do XI Congresso Internacional da Academia Brasileira de Direito do Trabalho – da qual sou Membro Titular da Cadeira n° 87 -,  realizado na Faculdade de Direito de Sevilha (Espanha), nos dias 07 e 08.10.2021; e na Faculdade de Direito de Valência (Espanha), nos dias 13 e 14.10.2021.

Na ocasião, a pedido da organização do evento, foram  apresentadas obras musicais compostas por meu avô José Agostinho da Fonseca; por meu pai Wilson Fonseca; e por mim (“Três gerações em concerto”):

  1. Mutamba – Tango-Brasileiro (1912-1914) – Música: José Agostinho da Fonseca (1886-1945) – Primeira geração. Vídeo da apresentação do grupo instrumental “Água de Vintém”, no Teatro Anchieta do SESC Consolação (São Paulo), em 1° de outubro de 2018. Grupo: Bandolim, Violão 7 Cordas, Cavaquinho, Violão e Pandeiro.
  • Perto de você – Tango (1934). Música: Wilson Fonseca (1912-2002) – Segunda geração. Obra musical dedicada à esposa do compositor, D. Rosilda Malheiros da Fonseca. Arranjo para Escaleta e Quinteto de Cordas: José Agostinho da Fonseca Júnior, neto do compositor Wilson Fonseca. Execução no 23° Fest’arte promovido pelo Instituto “Maestro Wilson Fonseca”, de Santarém, Pará, Amazônia, Brasil (2021).
  • Irurá – Chorinho (2006-2008). Música: Vicente Malheiros da Fonseca (1948-) – Terceira geração. Quarteto de Cordas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará. Concerto realizado no SESC-PA, em 2017.
  • Um Poema de Amor – Bolero (1953). Música: Wilson Fonseca. Piano: Vicente Malheiros da Fonseca. Mixagem de som: Vicente José Malheiros da Fonseca Filho. Captação e edição de vídeo: Adriano Teles Sirotheau da Fonseca.

PRODUÇÕES JURÍDICAS

Nos últimos três anos, escrevi vários artigos jurídicos, publicados no jornal “O Liberal” e na Revista semestral do Tribunal Regional do Trabalho da Oitava Região, que contém inúmeras produções de minha autoria, desde a década de 70 do século XX.

Nesse período, participei de algumas obras coletivas, tais como:

  1. “Curso de Direito Processual do Trabalho – Homenagem da Academia Brasileira de Direito do Trabalho a Christovão Piragibe Tostes Malta e Wagner D. Giglio”, 1ª edição, Editora LTr, 2019, sob coordenação de Luciano Martinez, Jorge Boucinhas e Bruno Freire, com o artigo “Atos de constrição e de expropriação”, em coautoria com minha filha Lorena Sirotheau da Fonseca Lestra.
  2. “Direito e Processo do Trabalho – Homenagem a Armando Casimiro Costa Filho”, Editora LTr, 2019, sob coordenação de Carlos Henrique Bezerra Leite e Vitor Salino de Moura Eça, com apoio institucional da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, com o artigo “Acesso à Justiça do Trabalho no contexto pós-reforma”.
  3. “Direito Internacional do Trabalho – Estudos em Homenagem ao Centenário da OIT”, Amatra-8/Editora LTr, São Paulo, 2019, sob a coordenação de Ney Maranhão e Pedro Tourinho Tupinambá, com o artigo “Imunidade de Jurisdição do Estado Estrangeiro”.
  4. “Comentários à Constituição de 1988 em Matéria de Direitos Sociais Trabalhistas – Em Homenagem aos 30 anos da Constituição da República e aos 40 anos da Academia Brasileira de Direito do Trabalho”, ABDT/Editora LTr, São Paulo, 2019, sob a coordenação de Luciano Martinez e João de Lima Teixeira Filho, com o artigo “Gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do que o salário normal”.
  5. “O Mundo do Trabalho em Debate – Estudos em Homenagem ao Professor Georgenor de Sousa Franco Filho”, Editora LTr, São Paulo, 2019, sob a coordenação de José Cláudio Monteiro de Brito Filho, Ney Maranhão, Sandro Nahmias Melo e Sônia Mascaro Nascimento, com o artigo “Breves Considerações sobre Temas Trabalhistas à Luz dos Direitos Humanos”.
  6. “Novas Matrizes do Direito do Trabalho”, Editora LTr, 2019, sob coordenação dos Professores Luiz Eduardo Günther e Hélio Gomes Coelho Júnior, com o artigo “Reforma Trabalhista e Benefício da Justiça Gratuita: Tópicos Polêmicos”.
  7. “Direito do Trabalho na crise da Covid-19”, ABDT/Editora Jus Podivm, 2020, sob a coordenação de Alexandre Agra Belmonte, Luciano Martinez e Ney Maranhão, com o artigo “Impactos trabalhistas do cancelamento de serviços, reservas e eventos dos setores de turismo e cultura em tempos de Pandemia (Covid-19). Medida Provisória nº 948/2020” (obra coletiva e e-Book).
  8. “Amazônia, Trabalho e Globalização” (Homenagem a Georgenor de Souza Franco Filho), Editora Dalcídio Jurandyr/Imprensa Oficial do Estado do Pará, Belém, 2020, sob a organização de Pastora do Socorro Teixeira Leal, Jeferson Antônio Fernandes Bacelar e Ilton Giussepp Stival Mendes Rocha Lopes da Silva, com o artigo “Temas Trabalhistas e os Direitos Humanos” (obra coletiva e e-Book).
  9. “O Direito do Trabalho, Hoje: Novas Tendências do Direito do Trabalho Contemporâneo” (Revista da Academia Brasileira de Direito do Trabalho – Ano 23 – 2018/2020), com o artigo “Teletrabalho, Trabalho Intermitente e Trabalho Autônomo“.
  10. “As Novas Relações Trabalhistas e o Futuro do Direito do Trabalho” (Tomo 2), Editora Forum, 2021, sob a coordenação de Carolina Tupinambá, com o artigo “Fundo de Garantia das Execuções Trabalhistas“.

OBRA COLETIVA DE HOMENAGEM

Tive a honra de ser contemplado com a publicação da obra coletiva “Transformações e Desafios à Efetividade dos Direitos e Garantias Fundamentais“, Editora LTr, São Paulo, 2021, sob a coordenação e organização do Juiz do Trabalho e Professor Doutor Océlio de Jesus Carneiro de Morais, que reúne estudos escritos por diversos juristas, em minha modesta homenagem, com Prefácio de João de Lima Teixeira Filho, na época Presidente da Academia Brasileira de Direito do Trabalho.

Recebi a notícia de que em 2022 outra obra coletiva será publicada, em minha homenagem, organizada pelos Drs. Ilton Giussepp Stival Mendes Rocha Lopes da Silva, Advogado; Jeferson Antônio Fernandes Bacelar, Professor da Universidade da Amazônia; e Gabriel Napoleão Velloso Filho, Desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região.

HONRARIAS

Fui privilegiado com a outorga de algumas honrarias, no último triênio, tais como:

  1. Diploma e Medalha “Amigo da Marinha” outorgados pelo Comandante do 4º Distrito Naval, “em reconhecimento aos serviços relevantes prestados à Marinha do Brasil”, em cerimônia realizada em 06 de novembro de 2019 no Ginásio de Esportes do Centro de Instrução Almirante Braz de Aguiar (CIABA), em Belém (PA), conforme Carta nº 013-40/2019/Com4ºDN/MB, de 31 de outubro de 2019. 
  2. Medalha do Mérito “Tiradentes”, criada pelo Decreto nº 985, de 17 de setembro de 1980, concedida por Decreto do Excelentíssimo Senhor Governador do Estado do Pará, datado de 15 de abril de 2020, publicado no Diário Oficial do Estado do Pará nº 34.185, edição de 16 de abril de 2020.
  3. Nota de Louvor concedida pela Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, Professora Anaíza Vergolino e Silva, “por reunir em seu currículo a competência de desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (TRT-8), e o dom de músico e compositor. Predicados que garantem que o ilustre confrade como maestro, tenha presença destacada na abertura do X Congresso Virtual Internacional da Academia Brasileira de Direito do Trabalho em agosto/2020”. Tenho a honra de ser sócio efetivo e vitalício do IHGP. Participei da solenidade de abertura do X Congresso Virtual Internacional da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, que se realizou no período de 12 a 14 de agosto de 2020. Na abertura do evento, foi tocado o Hino Nacional Brasileiro pelo Pianista e Maestro João Carlos Martins, ao piano; e o Hino da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, de minha autoria, por mim executado, ao piano, a convite do Presidente da ABDT, Alexandre de Souza Agra Belmonte, Ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Também atuei como Presidente da Mesa do 9° Painel do Congresso, no dia 14 de agosto, sobre o tema “Poder do Empregador: tendências da organização empresarial”, cujos palestrantes foram a advogada e acadêmica Vólia Bomfim Cassar e o Professor Dr. José João Abrantes (Catedrático da Universidade Nova Lisboa, Portugal). Execução do “Hino da ABDT” pelo próprio compositor, ao Piano. Vídeo exibido na solenidade de abertura do X Congresso Virtual Internacional da Academia de Direito do Trabalho (Tema central: “Crise Econômica e Social e o Futuro do Direito do Trabalho”), em 12 de agosto de 2020, quando tomou posse a nova Diretoria da entidade, sob a Presidência do Ministro Alexandre de Souza Agra Belmonte, do Tribunal Superior do Trabalho.

Vídeo:

  • Doutor Honoris Causa da Academia de Música do Brasil, sediada no Rio de Janeiro.
  • Medalha Comemorativa aos 60 anos de Autonomia Institucional do Ministério Público de Contas do Estado do Pará (Resolução nº 24/2019). Belém (PA).
  • Doutor Honoris Causa da Academia de Musicologia do Brasil, sediada no Rio de Janeiro.
  • Doutor Honoris Causa da Academia de Música de São Paulo.

MEDALHA DO MÉRITO JUDICIAL DA ESAMAZ

No dia 08 de novembro deste ano, realizou-se a Cerimônia de Outorga da Faixa Professor Doutor Elder Lisboa Ferreira da Costa, ato tradicional adotado em instituições de ensino superior de vários países, momento solene que marca a oficialização do Curso de Bacharelado em Direito da Escola Superior da Amazônia (ESAMAZ), bem como o progresso do ensino e aprendizagem adquiridos pelos discentes premiados.

Na impossibilidade de comparecer à sessão pública, para qual fui convidado, solicitei a meu filho Adriano Sirotheau da Fonseca que me representasse no evento.

É louvável a escolha do nome do Doutor Elder Ferreira da Costa para a Outorga da Faixa instituída pela ESAMAZ.

Em 1976, como Juiz do Trabalho Substituto, proferi aquela foi considerada a primeira sentença trabalhista sobre “trabalho escravo” no Brasil, quando eu funcionava na eventual Presidência da Junta de Conciliação e Julgamento (hoje, 1ª Vara do Trabalho) de Abaetetuba, datilografada com mais de 100 páginas, cujos autos receberam a cunhagem de um Selo Histórico e se encontram no Memorial do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, sediado em Belém (PA).

A sentença foi destacada na Tese de Doutorado defendida pelo Juiz de Direito, paraense, falecido, Dr. Elder Costa, perante a Universidad de Salamanca (Espanha), que lhe outorgou um Prêmio Extraordinário pela melhor tese no âmbito do Direito em 2013/2014.

As minhas ligações com o Juiz Elder Costa vêm de longa data.

Referências sobre a sentença, de minha de minha lavra, constam do livro “Escravidão no Brasil – Os pilares da OIT e o discurso internacional – Há escravos no Brasil?”, de autoria de Elder Costa  (Sérgio Antonio Fabris Editor, Porto Alegre-RS, 2018).

Em 2019, a ESAMAZ foi contemplada pelo TRT-8 com a Comenda da Ordem do Mérito “Jus et Labor“, no grau Institucional, indicada pelo Conselho da Ordem, da qual eu participava.

Doze anos antes, em 2007, eu compus a música do HINO DA ESAMAZ, com letra do advogado Dr. Célio Simões de Souza, em homenagem à Instituição.

Em maio de 2021, fui convidado a ministrar Conferência na IV Semana Jurídica da ESAMAZ, sob o tema “Justiça do Trabalho – 80 anos”.

Na mesma solenidade de 08 de novembro passado, tive a honra de ser contemplado com a concessão da Medalha do Mérito Judiciário da ESAMAZ do ano de 2021, “pelos relevantes serviços prestados à cultura jurídica” (Portaria nº 003/2021).

HINO DO SESC

A pedido da administração da instituição, eu compus o “HINO DO SESC” (Serviço Social do Comércio), executado, em primeira audição pública mundial, pela Orquestra Jovem SESC-PA, sob a regência do Maestro Rodrigo Moraes, no dia 20 de setembro de 2021, na inauguração da ampliação do Centro de Cultura e Turismo do SESC Ver-o-Peso.

Agora, o “HINO DO SESC” foi gravado, na interpretação de membros do Coro Carlos Gomes, acompanhados da Orquestra Jovem SESC-PA, com arranjo que elaborei, sob a regência do Maestro Rodrigo Moraes.

HOMENAGENS DA AMATRA-8

Em 27 de agosto de 2021, concedi entrevista à Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da Oitava Região (AMATRA-VIII), disponibilizada no site da entidade, sob o título de “Homenagem pela aposentadoria do Desembargador Vicente Malheiros da Fonseca, no seguinte link:

https://www.amatra8.org.br/post/homenagem-pela-aposentadoria-do-des-vicente-malheiros-da-fonseca

No Dia do Músico e de Santa Cecília, em 22 de novembro deste ano, recebi outra significativa homenagem da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da Oitava Região (AMATRA-8), presidida pelo Juiz do Trabalho Saulo Marinho Mota, consubstanciada num Quadro com a minha foto e um texto que muito me emocionou, acompanhado de um carinhoso cartãozinho.

Tomo a liberdade de transcrever o teor das palavras contidas nesse Quadro, haja vista que não consegui obter uma foto tão legível:

Caríssimo Desembargador Vicente Malheiros da Fonseca

A Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da Oitava Região – AMATRA-VIII, ao ensejo de sua aposentadoria, no exercício de indeclinável dever, vem, por seus membros, expressar-lhe, ao lado do regozijo por significativa meta alcançada, profundo reconhecimento e agradecimento por sua fulgurante trajetória profissional e associativa, não apenas das mais duradouras, das mais vocacionalmente compartilhadas.

Quarenta e Oito Anos de Magistratura, quase meio século dos oitenta anos da Justiça do Trabalho. Marca histórica imperecível. Ademais, primou seu longo exercício por constante e revigorante atualização de conhecimentos, revelados em suas sentenças, acórdãos, enfim, suas decisões.

Desde seus primórdios na magistratura trabalhista, como Juiz-Substituto, e até antes, no cargo de Juiz-Suplente de Juiz-Presidente de Junta de Conciliação e Julgamento, na continuidade, como Juiz-Presidente de JCJ, hoje Titular de Vara do Trabalho, Juiz Togado, atualmente Desembargador do Trabalho, nas elevadas e desafiantes funções administrativas de Corregedor Regional, Vice-Presidente, Presidente do Tribunal, singularmente, em momentos difíceis e turbulentos no enfrentamento a forças políticas adversas, nunca lhe faltaram a competência, o destemor na luta em prol do que significasse o prestígio, a dignidade da Magistratura Trabalhista.

Emblemático ter sido eleito, por duas vezes consecutivas, Coordenador do Colégio de Presidentes e Corregedores dos Tribunais do Trabalho – COLEPRECOR.

Ao mesmo tempo, na função judicante, cumpriu a missão de modo enobrecedor, – sempre em busca de um grande ideal -, neste, inserido, outrossim, o encanto, a inspiração de suas composições poéticas e musicais, a destacar-se o Hino da Justiça do Trabalho.

De modo todo especial, como membros da AMATRA-VIII, orgulhamo-nos de associado de sua magnanimidade. Exaltamos seu profícuo, irradiante espírito associativo a tê-lo elevado à qualidade de membro fundante da Associação, bem como, ao exercício do cargo máximo de Presidente, destaque maior de uma incessante, inestimável e continuada contribuição ao perene fortalecimento da união dos Magistrados da Oitava Região.

Ao ensejo do alcance de sublime marco histórico em sua caminhada de realizações, externamos, nestas sintéticas expressões de reconhecimento e agradecimento, toda a amplitude dos desejos de que sua aposentadoria constitua início de um novo e fulgurante porvir.

HINO DA AMATRA-VIII

(Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 8ª Região)

Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca

Belém (PA), 20 de outubro de 2018

I

Em defesa dos Magistrados Trabalhistas

Da Oitava Região,

Teu papel social relevante:

Congregar o juiz-cidadão.

Refrão

Salve! Nossa Amatra Oito!

Canto neste hino de louvor;

Buscas sempre a convivência,

Amatra Oito, seja onde for.

II

Magistrado independente

Conta sempre com sua proteção,

No exercício da judicatura,

Sacerdócio, tua nobre missão.

Refrão

Salve! Nossa Amatra Oito!

Canto neste hino de louvor;

Buscas sempre a convivência,

Amatra Oito, seja onde for.

(Buscas sempre a convivência,

Amatra Oito, seja onde for).

JUBILEU DE OURO DA TURMA DE DIREITO DA UFPA – 1971

Neste ano, a nossa Turma do Curso de Direito, da Universidade Federal do Pará (1967-1971), completa 50 anos de formatura (Jubileu de Ouro).

Fizemos o Exame de Vestibular em 1967 e em 1971, juntamente com mais de 80 colegas, colamos grau em Direito.

Foi criado, por colegas, um grupo de nossa Turma no WhatsApp.

O orador da nossa Turma na cerimônia de Colação de Grau, em 1971, na sede, anterior à atual, do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, foi Jader Barbalho, atualmente Senador da República.

No dia 10 de dezembro de 2021 foi comemorado o Jubileu de Ouro de nossa formatura, como Bacharéis em Direito, pela Universidade Federal do Pará, com a celebração de uma Missa em Ação de Graças, na Igreja da Trindade, e um jantar num restaurante em Belém (PA).

Em homenagem ao evento, compus o “Hino aos 50 anos da Turma de Direito 1971” que foi executado, durante a Missa, em primeira audição pública mundial.

A capa do missal, com os textos escolhidos para participar da cerimônia litúrgica, é ilustrada com uma foto dos colegas de nossa Turma de Direito, na companhia de alguns Professores, junto à estátua de Ruy Barbosa, no Largo da Trindade, na capital paraense, onde funcionava a Faculdade de Direito.

Na época, a Faculdade de Direito, da UFPA, funcionava no Largo da Trindade, onde hoje é sediada a Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Pará.

Um dos colegas de Turma, Expedito Leal, que possui experiência no jornalismo, escreveu alguns artigos, publicados no Facebook, sobre o evento, tais como “Destaque Emérito (4)” e “A nossa colação de grau (final)”, disponíveis no Facebook:

https://www.facebook.com/100003894266217/posts/2372294862910299/?sfnsn=wiwspmo

https://www.facebook.com/100003894266217/posts/2374858419320610/?sfnsn=wiwspmo

Veja também a postagem da soprano Dulcianne Ribeiro, uma das intérpretes do “Hino aos 50 anos da Turma de Direito 1971“,  no Facebook:

https://www.facebook.com/story.php?story_fbid=4475962442501083&id=100002621143853

MÚSICA E COLAÇÃO DE GRAU

Lembro-me de que na data de nossa Colação de Grau como Bacharel em Direito, pela Universidade Federal do Pará, em 11 de dezembro de 1971, algumas horas antes da solenidade acadêmica, realizada na antiga sede do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, eu estava participando do “1º Festival Estudantil da Canção”, em Belém, concorrendo com três composições musicais, de minha autoria, das quais duas ficaram entre as dez finalistas: “Apocalíptica” e “Motivo Amazônico”, com letras de José Wilson Fonseca.

Depois da apresentação das músicas, no Festival – cuja Comissão Julgadora era presidida pelo Maestro Waldemar Henrique -, eu saí correndo, vesti o terno e a beca, a fim de comparecer à cerimônia de Formatura, onde ali já estavam, com a beca e o anel, os meus queridos pais, vindos de Santarém.

Moral da história: a Música e o Direito, além do Magistério, sempre estiveram presentes na minha vida.

Concluo este artigo com a obra musical que dediquei à nossa Turma de Direito (1971) cinquentenária:

HINO AOS 50 ANOS DA TURMA DE DIREITO 1971

(Homenagem à Turma do Curso de Direito da UFPA, de 1971)

Letra e música: Vicente José Malheiros da Fonseca

(Belém-PA, 14 de novembro de 2021)

Somos da Turma de Direito

De 1971

Da Universidade Federal do Pará.

Sempre estaremos unidos,

Viva nosso grande ideal!

São 50 anos

De labuta e muito amor;

Largo da Trindade

Que saudade…

Nossos Professores

E colegas

Tão queridos

São recordações inesquecíveis.

Vamos comemorar

E agradecer a Deus!

50 anos e a fé no Direito,

O diploma e o anel

Que tanto honramos.

____________

Canto e Piano.

Canto: Andrew Lima (Tenor) e Dulcianne Ribeiro (Soprano).

Piano: Rodolfo Santana.

Captação de vídeo: Adriano Teles Sirotheau da Fonseca.

Primeira audição pública mundial do Hino, ao final da Missa em Ação de Graças, na Igreja da Trindade, em comemoração ao Jubileu de Ouro da Turma de Direito 1971, da Universidade Federal do Pará. Belém (PA), 10 de dezembro de 2021.

Assista o vídeo:

Feliz Natal e Abençoado Ano Novo!

Vicente Malheiros da Fonseca
Vicente José Malheiros da Fonseca é Desembargador do Trabalho de carreira (Aposentado), ex-Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (Belém-PA). Professor Emérito da Universidade da Amazônia (UNAMA). Compositor. Membro da Associação dos Magistrados Brasileiros, da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho, da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 8ª Região, da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, da Academia Paraense de Música, da Academia de Letras e Artes de Santarém, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, da Academia Luminescência Brasileira, da Academia de Música do Brasil, da Academia de Musicologia do Brasil, da Academia de Música do Rio de Janeiro, da Academia de Artes do Brasil, da Academia de Música de Campinas (SP), da Academia de Música de Santos (SP), da Academia Paraense de Letras Jurídicas, da Academia Paraense de Letras, da Academia Brasileira de Ciências e Letras (Câmara Brasileira de Cultura), da Academia Brasileira Rotária de Letras (ABROL) - Seção do Oeste do Pará, da Academia de Música de São José dos Campos (SP), da Academia de Música de São Paulo. Membro Honorário do Instituto dos Advogados do Pará. Sócio Benemérito da Academia Vigiense de Letras (Vigia de Nazaré-PA).

Experiências

Anterior

A Piracema (soneto)

Próximo

Vocë pode gostar

2 Comentários

  1. Sobre tão admirável trabalho do mestre compositor santareno, Vicente José Malheiros da Fonseca, também, iminente desembargador, do Estado do Pará, exemplo de membro das mais conceituadas academias da área do direito trabalhista, e experiente, na arte musical, compositor da música refinada e de grande elevo, eu só tenho que agradecer por ele me ter aceito como um humilde parceiro em algumas feituras sobre música regional, envolvendo vários ritmos musicais, que juntos fizemos parte, eu com as Letras, e ele por certo, com a sua fabulosa maestria na nobre arte da composição dos tons e semitons, agregando vários instrumentos musicais.
    O que mais dizer, senão agradecer em primeiro lugar a Deus, e a ele, que me possibilitou de ser “um grande pingo d’água” nesse imenso e mavavilhoso oceano da música brasileira.
    Prezado amigo conterrâneo, aceite o meu muito obrigado!
    Do amigo de sempre, economista e escritor:
    Juarez Bezerra Regis de Souza

  2. As homenagens, mais do que justas, endereçadas ao brilhante, ilustre e grande Vicente Malheiros da Fonseca, partindo do nobre estado do Pará, se alastram pelo território nacional através das ACADEMIAS de Música do Brasil Academia de Musicologia do Brasil, Academia de Música do Rio de Janeiro, Academia de Artes do Brasil,Academia de Música de São Paulo, e Academia de Música de Campinas. Sendo Presidente de todas elas, venho aqui reafirmar o inequívoco Sacerdócio do Desembargador Federal Vicente Malheiros da Fonseca. Alto Sacerdócio bipartido com equivalente brilho nos Setores da MAGISTRATURA DO TRABALHO e da MÚSICA ERUDITA NACIONAL. Ele é digno de todas as Homenagens a ele dirigidas. O Humanismo, a Ética, a Alta Competência e o natural Talento permeiam todas as Atividades de VICENTE MALHEIROS DA FONSECA. A ele, nossa individual e franca Homenagem e a vocês, desta belíssima URUÁ-TAPERA nossos mais sinceros Parabéns !

    LUIS ROBERTO VON STECHER TRENCH
    Chanceler de Honra do Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *