Para marcar os quinze anos de criação das Florestas Estaduais de Faro, Trombetas e Paru, da Estação Ecológica Grão-Pará e da Reserva Biológica Maicuru, na Calha Norte, hoje (4), o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) lançou…

Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Fordlândia espera tombamento pelo Iphan há mais de 30 anos

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita há mais de trinta anos no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional o processo administrativo de tombamento de Fordlândia, o núcleo urbano com quatro mil habitantes que faz parte do município de Aveiro, construído em plena floresta amazônica nos anos 1920 pelo magnata norte-americano Henry Ford, que pretendia fazer do local um centro exportador de borracha destinado a abastecer a indústria automobilística nos Estados Unidos, na época liderada pela Ford Motors. Nessas três décadas, a descaracterização e a deterioração das edificações e equipamentos de imensurável valor histórico do lugar avançaram em ritmo frenético. Na Vila onde se concentravam as residências dos americanos que administravam o projeto, a área de interesse para tombamento agora se resume aos galpões e a quatro ou cinco casas, as demais já foram completamente alteradas, pela troca da cobertura ou pela substituição da madeira por alvenaria. O município de Aveiro não dispõe de recursos técnicos nem financeiros para assumir sozinho os ônus, sobretudo financeiros, de manter viva a história da comunidade. A demora excessiva e injustificável resultará, fatalmente, na perda total e irreversível desse rico acervo.

O juiz federal Domingos Moutinho Jr., da Subseção da Justiça Federal em Itaituba, marcou para os dias 6 e 7 de dezembro deste ano inspeção judicial e audiência pública para subsidiar o julgamento da ação ajuizada em 2015 pelo Ministério Público Federal, pedindo o tombamento do patrimônio histórico, artístico e arquitetônico de Fordlândia, que já foi a cidade mais importante da Amazônia, com hospital, escolas, água encanada, moradia, cinema, luz elétrica, porto, oficinas mecânicas, depósitos, restaurantes, campo de futebol, igreja e hidrantes nas ruas. Os seringais foram desativados em razão das pragas e Fordlândia passou para o domínio da União em 1945, depois que o projeto de Henry Ford já havia sido transferido para Belterra, que então pertencia a Santarém e virou município em 1995.

Durante audiência de justificação virtual, na segunda-feira (25), com a presença do procurador da República Paulo de Tarso Oliveira e de representantes do Iphan, Universidade Federal do Pará e Uepa, representantes de Aveiro e uma pesquisadora que tenta resgatar parte do acervo histórico de Fordlândia, após ouvir várias reclamações do Iphan sobre a resistência da Secretaria do Patrimônio da União (SPU), que não atende às solicitações para levantar a dominialidade da área territorial do distrito e dos imóveis que remontam à época em que Fordlândia foi edificada, o juiz mandou citar a União para integrar o processo e adotar medidas em relação à preservação do patrimônio histórico artístico e cultural do distrito.

O magistrado determinou também ao Iphan que deixe acessível a qualquer cidadão o processo de tombamento histórico de Fordlândia no SEI, em seu site. Mandou ainda que o Instituto apresente o resultado de levantamento fotográfico que deverá ser realizado nos dias que antecederão à vistoria e audiência pública.

O juiz Domingos Moutinho contou que em 2016, fascinado pela história da experiência de Henry Ford na Amazônia, visitou Belterra e Fordlândia, onde constatou o abandono do acervo por ele classificado de “extraordinário”. “Independentemente do julgamento que cada um é livre para fazer sobre o projeto de exploração da borracha na região, a história não pode ser apagada”, salientou, aduzindo que “a história da Amazônia, a história do Pará é a história da omissão do estado. Essa história se repete em Itaituba, que é uma parte muito ilustrativa dessa omissão, com problemas de exploração de garimpo sem controle e do desmatamento. Tudo é um retrato da omissão do estado”. Moutinho lamentou que se dissemine a ideia de que Fordlândia é uma “cidade-fantasma” e considerou que “isso reflete, em menor escala, a noção de que a Amazônia é um vazio demográfico. Sob essa premissa, ficamos à míngua de políticas públicas. Somos objetos dessas políticas, e não sujeitos”.

A superintendente do Iphan no Pará, Rebeca Ribeiro, atribuiu à má vontade da SPU a impossibilidade de concluir o processo de tombamento. “Eles não nos atendem, não nos respondem e não comparecem a reuniões. Sugiro que a SPU seja colocada no processo. É muito difícil o diálogo com eles. É muito complicado”. Ela também se queixou de que no Pará o Iphan conta com apenas quatro arquitetos para trabalhar num estado que tem mais de quatro mil imóveis tombados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *