No dia 6 de maio deste ano, o artista Eduardo Kobra inaugurou o mural “Coexistência – Memorial da Fé por todas as vítimas do Covid-19”, feito inicialmente em uma tela, no ano passado. Com 28 metros de largura por 7…

Desde o registro oficial do 1º caso confirmado de Covid-19, em 26 de fevereiro de 2020, o Brasil superou a trágica marca de meio milhão de mortos e quase 18 milhões de infectados confirmados, na tarde de 18 de junho de 2021, conforme…

Já estão conclusos à relatora no Supremo Tribunal Federal, ministra Rosa Weber, os autos da ADPF 848/DF - Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, com pedido de medida cautelar, proposta pelos governadores do Distrito Federal e dos Estados de Alagoas,…

Os artistas são os mais atingidos pela pandemia de Covid no Brasil, onde sempre foi difícílimo viver de arte, ainda mais em tempo que não se pode fazer shows, concertos, vernissages, temporadas teatrais, festivais, lançamentos de livros e mostras de…

Cinema e o Dia dos Namorados

O filme romântico, como gênero cinematográfico, se consolida como atividade industrial nas primeiras décadas do século passado com pequenos filmes mudos em preto & branco e depois em formato de média e longa metragem. Com a padronização do cinema colorido, advento do som e o sistema das estrelas de cinema (star system), o gênero romântico (e subgêneros: comédia romântica, melodrama) se firma como poderoso veículo de moda, ideais e emoções na História do Cinema Mundial.

Para o Dia dos Namorados é usual a indicação de filmes leves e sedutores, produções que cumprem o papel necessário de cinema de entretenimento. Mas, o cinema como reinvenção corre por fora e apresenta produções que aprofundam o tema das relações amorosas em diversos níveis de abordagem e complexidade.

O exemplo clássico é a chamada Trilogia do Amanhecer, do cineasta e escritor Richard Linklater com os filmes “Antes do amanhecer”, “Antes do pôr do sol” e “Antes da meia-noite”. Com Ethan Hawke e Julie Delpy, a trilogia tem início com personagens que se conhecem em um trem e desembarcam em Viena, cidade em que celebram o primeiro encontro, a descoberta e promessas de amor. No segundo filme, a sensação desconcertante de rever o amor que não aconteceu gera longas discussões e a possibilidade de que agora tudo pode dar certo. No terceiro filme, o desafio da maturidade é a prova de fogo que determina ou não a continuidade da relação amorosa.

Em “Namorados para sempre”, de Derek Cianfrance, a narrativa alterna o momento atual com fatos precedentes (flashback). Cindy (Michelle Williams) e Dean (Ryan Gosling) passam por um período de desgaste e incertezas no teste de resistência e a rotina que corrói sentimentos. O mesmo procedimento de flashback está presente em “Amor em 5 tempos”, do cineasta francês François Ozon. Diretor de filmes instigantes, Ozon faz um tratado sobre o casamento contando a história de trás para frente, com momentos de amor e infidelidade.

A produção nacional marca presença com o duelo de interpretação de Tales Pan Chacon e Fernanda Torres no denso “Eu sei que vou te amar”, de Arnaldo Jabor; “Pequeno dicionário amoroso 1 e 2”, de Sandra Werneck; e “Houve uma vez dois verões”, de Jorge Furtado. O filme de Jabor faz parte da Trilogia entre quatro paredes (com “Tudo bem” e “Eu te amo”), onde o cineasta explora a estética de cenários fechados para questionar o mito do amor, codependência e relações paralelas não ditas. Já os filmes de Sandra Werneck são intercalados por depoimentos sérios e engraçados para a tarefa nada fácil de questionar a atração física e emocional mesmo depois do casal já estar em outros relacionamentos. E o juvenil “Houve uma vez dois verões” resgata a urgência e encanto do primeiro amor em paisagens solares. 

Falar de amor é também falar dos filmes do italiano Bernardo Bertolucci (“Eu e você”, “O céu que nos protege”), François Truffaut (“Jules e Jim – uma mulher para dois”, “A História de Adele H), e se deleitar com vários filmes de Woody Allen (“Meia-noite em Paris”, “Todos dizem eu te amo”, “A rosa púrpura do Cairo” e “Noivo neurótico, noiva nervosa”).

A lista parece não caber nesse texto. Como esquecer “Amor à primeira vista”, com Robert De Niro e Meryl Streep na releitura do classicão “Desencanto”, de David Lean? Com deixar de fora os belos filmes Wong Kar-Wai, cineasta de Hong Kong que assina “Felizes juntos”, “Amor à flor da pele” e “Um beijo roubado”?

E talentosamente o cinema contemporâneo fala de amor de todas as matizes e tendências. É só ficar com os olhos bem abertos para produções como “Me chame pelo seu nome”, de Luca Guadagnino; “Retrato de uma jovem em chamas”, de Celine Sciamma; e “Se a rua Beale falasse”, de Barry Jenkins.

Para finalizar, o cinema paraense abre o foco para Canção do amor perfeito”, produção contemplativa do cineasta Fernando Segtowick. No filme, o amor é uma decisão, com expectativas, qualidades e defeitos da pessoa amada.

Imagem promocional de “Namorados para sempre”, de Derek Cianfrance

Foto: Divulgação

*O artigo acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *