Casarões da CDP saqueados e em ruínas
Abandonado há cerca de vinte anos pela Companhia Docas do Pará, o casarão que até o início dos anos 2000 servia como...
Ver mais
Perigo quando as águas azuis do Tapajós ficam verdes
O Tapajós, já reconhecido como o mais belo rio do mundo, é um dos maiores da Amazônia e às suas margens...
Ver mais
As incríveis coleções do Museu Paraense Emílio Goeldi
Com importância singular nos campos científico, sociocultural e político, os acervos arqueológicos e etnográficos do Museu Paraense Emílio Goeldi, sediado em...
Ver mais
Previous
Next

O procurador-geral de Justiça César Mattar Jr. recebeu, ao lado do subprocurador-geral de Justiça Eduardo Barleta, do 2º subcorregedor-geral Geraldo Rocha; do presidente da Associação do Ministério Público do Pará (Ampep), promotor de Justiça Márcio Maués Faria, e do chefe de gabinete da PGJ, promotor de…

A roda de conversa “Novíssimas teses sobre a Cabanagem”, com o jornalista Sérgio Buarque de Gusmão, pesquisador e autor do livro “Nova História da Cabanagem: seis teses revisam a insurreição que incendiou o Grão-Pará em 1835”, o historiador Geraldo Mártires Coelho, professor titular aposentado da UFPA, e a cientista política…

O Ministério Público do Estado e o Ministério Público Federal criaram um Grupo de Trabalho Interinstitucional para tratar das questões envolvendo as comunidades quilombolas e populações tradicionais do Marajó, de modo articulado com o Grupo de Trabalho Agrário do MPPA e acompanhamento dos Centros de Apoio Operacional…

Figura na pauta da reunião virtual do Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Pará desta quarta-feira, 16, o julgamento de Processo Administrativo Disciplinar contra os juízes Raimundo Moisés Alves Flexa e Marco Antônio Lobo Castelo Branco. Em julho de 2019, circulou amplamente nas redes sociais gravação em áudio na qual o prefeito de…

Carlos Gomes e o Marcapasso

Na edição de maio/2003, escrevi neste jornal um artigo sob o título “JOSÉ AGOSTINHO, CARLOS GOMES, VILLA-LOBOS e WILSON FONSECA”, onde narrei sobre curiosos encontros musicais ocorridos entre esses quatro gênios da música brasileira.
Retorno ao tema, com novas informações que ilustram os contatos pessoais entre meu avô José Agostinho da Fonseca (1886-1945) e o Maestro Carlos Gomes (1836-1896), falecido em Belém.
Em longas e proveitosas conversas com meu tio e padrinho Wilde Fonseca (Maestro Dororó, 87 anos), que veio a Belém para implantar um marca-passo, agreguei aos fatos, que me foram transmitidos por meu pai (Wilson Fonseca, Maestro Isoca), outras informações preciosas sobre os encontros musicais de meu avô e o maestro campineiro. Esses contatos pessoais ocorreram tanto no Conservatório de Música, então dirigido por Carlos Gomes, em Belém, como nas ocasiões em que o grande maestro brasileiro visitava o Instituto de Educandos Artífices (depois, Instituto Lauro Sodré), onde meu avô estudou. E não há dúvida de que José Agostinho da Fonseca, então com 10 anos de idade, participou das exéquias do Maestro Carlos Gomes, em setembro de 1896, na capital paraense, na condição de membro da famosa Banda de Música do Instituto de Educandos Artífices. Além das narrativas de meu saudoso pai, confirmadas por meu tio Dororó, louvo-me das informações de Vicente Salles e Clóvis Moraes Rego, com os quais conversei sobre o assunto. Aquele Instituto era considerado um dos principais estabelecimentos de ensino, no gênero, no Brasil, onde lecionavam professores especializados na Europa. Por isso, o destaque no cortejo fúnebre de Gomes.
No livro “Carlos Gomes no Pará” (Clóvis Moraes Rego), L & A Editora, 2004, UFPa, que me foi ofertado, com dedicatória do próprio autor, há diversas evidências da participação destacada da famosa banda de música daquele Instituto, inclusive com fotografias, que revelam a magnitude e a autêntica apoteose das homenagens fúnebres a Carlos Gomes, em Belém. Por isso, meu avô jamais esqueceu do memorável e histórico evento, narrado para seus filhos.
Esse fato deve ser motivo não apenas de orgulho para nós, seus descendentes, como também dever que temos de preservar a memória de nossos ancestrais.
O tio Dororó me confessou que jamais havia assistido alguma ópera ao vivo. Já ouvira muitas e sua preferida era justamente “O Guarany”, de Carlos Gomes. Cuidei então de levá-lo ao Theatro da Paz, onde se realiza o excelente Festival de Ópera da Amazônia. Embora convalescente da recente cirurgia cardíaca, meu tio conseguiu realizar um velho sonho. Aceitou o convite e lá fomos nós ao teatro, acompanhados de familiares. Diante de nós, a mais conhecida ópera do famoso compositor paulista, cuja abertura é tocada no início da “Voz do Brasil”, nas estações de rádio. A produção foi magnífica. Depois da récita, fomos jantar e encontramos o regente da ópera, Maestro Roberto Duarte, carioca, membro da Academia Brasileira de Música, que nos revelou ter conhecimento e bom conceito da obra musical de meu pai.
Ainda no hospital, entreguei ao tio Dororó as partituras de arranjos que escrevi para a primeira e a última composição musical de meu avô: “Idílio do Infinito” (1906), para Quinteto de Sopros; e “Ave Maria” (1938), para Quarteto de Cordas. Retornei para casa e compus o chorinho “Marcapasso” (Duo para Flauta e Piano), que lhe dediquei, por sugestão de minha irmã Conceição.
(Vicente Malheiros da Fonseca – magistrado e compositor – vjmf@terra.com.br)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email

Conteúdo relacionado

0 resposta em “Carlos Gomes e o Marcapasso”