Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Alepa vota em sessão extra extensão do abono

Eram exatamente 23h08’11’’ quando o governador Helder Barbalho assinou eletronicamente, ontem à noite, a convocação extraordinária da Assembleia Legislativa do Pará a fim de que aprecie, em regime de urgência, o projeto de lei de autoria do Poder Executivo que altera as leis nº 9.385/2021 e 9388/2021, aprovadas há menos de duas semanas, e que tratam do abono extra aos profissionais do magistério da rede pública estadual de ensino. Agora o benefício vai alcançar porteiros, vigias, merendeiras, serventes, técnicos e auxiliares administrativos, técnicos de gestão e secretários escolares, que devem ser concursados ou com vínculo através de processo seletivo, no total de 8.385 servidores. O impacto financeiro nos cofres estaduais será de R$29.347.500. A execução orçamentária do abono proposto se dará ainda no exercício de 2021, pelo que é imperiosa a manifestação da Casa Legislativa.

Na Mensagem encaminhada ao presidente da Alepa, deputado Francisco Melo, o Chicão, Helder explica que à época, inclusive em virtude das restrições da lei complementar federal nº 173/2020, não foi possível atender aos importantes profissionais que dão suporte administrativo para a educação pública. Mas o quadro jurídico foi alterado com a edição da lei federal nº 14.276, de 27 de dezembro de 2021, que incluiu os servidores administrativos no rol de profissionais da educação básica. Assim, o novo projeto de lei vai ampliar a concessão de abono, contemplando os demais servidores da Secretaria de Estado de Educação.

O valor vai ser pago em parcela única aos integrantes da carreira do magistério, sendo R$ 2.500,00 para os com lotação de até 100 horas mensais; R$ 3.500,00 para quem tem lotação de 101 a 150 horas mensais; e R$ 5.000,00 para o servidor com lotação a partir de 151 horas mensais. Os demais, atuantes em funções de apoio técnico, administrativo ou operacional, receberão R$ 3.500,00.

O projeto também autoriza o governador a suplementar no Orçamento Fiscal e da Seguridade Social, em favor da Seduc, até R$ 135 milhões, mediante a utilização de recursos provenientes do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), nas ações (projeto/atividade) de nome Implementação do Ensino Fundamental (8904), Implementação do Ensino Médio (8906), Implementação da Educação Profissional (8822), Fortalecimento da Educação de Jovens e Adultos (8479), Fortalecimento da Rede de Atendimento da Educação Especial nas Unidades de Referência (8902) e Operacionalização das Ações de Recursos Humanos (8339). O Poder Executivo Estadual ficará autorizado, ainda, a abrir novos créditos suplementares até esse limite, desde que esgotados os recursos originários e observada uma das hipóteses do §1º do art. 43 da lei federal nº 4.320, de 1964. Os efeitos da nova lei retroagirão a 29 de dezembro de 2021.

O presidente da Alepa, deputado Chicão, enfatiza que a sessão extraordinária iniciará amanhã, dia 30, às 10h, no auditório João Batista, e se estenderá por tantas quantas sejam necessárias para a aprovação da medida, de forma semi-presencial, e que a convocação em período de recesso parlamentar em nada vai onerar os cofres públicos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *