O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Quase todo mundo já caiu na tentação de comer ou beber além do necessário, mas a data, 26 de janeiro, foi criada a fim de conscientizar a população sobre os perigos que a compulsão alimentar oferece à saúde. Neste ano,…

A Viagem de Pedro

Um dos melhores filmes nacionais na temporada 2022, “A Viagem de Pedro” passou rapidamente pelo circuito alternativo com baixa frequência de público, mesmo com o apelo e protagonismo de Cauã Reymond, que também assume a produção do filme.

No ano em que se comemora o bicentenário da independência do Brasil, o filme dirigido por Laís Bodanzky se alinha a outro projeto radical na confluência de idiomas como relações explícitas de poder no Brasil Império: a série “IndependênciaS”, de Luiz Fernando Carvalho, ora em exibição na TV aberta.

A proposta cinematográfica de Bodanzky remete ao ano de 1831, momento em que o imperador do Brasil volta à Europa na fragata inglesa Warspite. Felizmente, estamos distantes da abordagem esquemática presente nas produções espetaculares sobre o projeto de independência do Brasil e a romantização da família monárquica (procedimentos repetitivos observados na maioria de filmes, séries e telenovelas sobre o tema).

Em “A Viagem de Pedro”, o foco central é um imperador considerado traidor na terra onde nasceu e regente impopular na terra em que escolheu viver. Com cenário, um navio como uma babel de línguas e costumes em tensas relações de poder. São extratos sociais bem definidos e compostos por escravos, marítimos, serviçais, membros da corte portuguesa e negros recém-libertos num mar de sotaques e relações políticas tensas.

Destaque para as cenas em que as pessoas confinadas ao porão do navio conversam sobre o passado, suas culturas e a ideia sobre a tal nobreza. E a desajeitada tentativa imperial de se aproximar das classes subalternas exigindo que um tripulante negro se faça de engraçado e o desfecho súbito e trágico dessa sequência.  

A instabilidade, atribuída ao excesso ou falta de poder político sobre terras e pessoas, faz da viagem de Pedro uma tormenta sem fim (ver a escuridão do barco e tom claustrofóbico da narrativa). Gritos, delírios e a sequência final que mais parece um grande pesadelo, refletem a solidão do poder instável e perda do controle do próprio corpo, acossado por suspeita de doença sexualmente transmissível e disfunção sexual física ou psicológica.

Laís Bodanzky descontrói dois mitos da cultura afirmativa: o da independência de fato e de direito do estado brasileiro (o estado como refém dos acontecimentos políticos internos e externos) e a fragilidade da masculinidade prepotente ao se deparar com pressões de todos os lados e as consequências na vida privada.  

A cineasta já imprimiu seu nome da história do cinema brasileiro com os filmes: “Bicho de sete cabeças” (2001), “Chega de saudade” (2008), “As melhores coisas do mundo” (2010) e “Como nossos pais” (2017).

“A Viagem de Pedro” (2021) foi o grande vencedor na categoria melhor filme da América, no Septimus Award (na Holanda). Na edição 2021 do Festival do Rio, o filme foi premiado com a melhor direção de filme de ficção.  O filme está disponível em plataforma de streaming.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *