A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Vernissage Cubas Arts em Belém

Na próxima quinta-feira, dia 15 de dezembro, a partir das 18h, o Núcleo de Conexões Ná Figueredo vai receber a exposição do ilustrador parauara Laercio Cubas Jr. Radicado desde 2018 em Fortaleza, o artista conta que está muito emocionado por apresentar o seu trabalho “em casa”, já que muitos dos seus amigos não conhecem seu trabalho como ilustrador e que vai ser o momento de agradecer pelo ciclo que se vai e pelo outro que inicia em 2023.

Laercio sempre adorou desenhar e pintar desde criança: “eu sempre digo que o ilustrador é uma criança que não desistiu. Passei a adolescência desenhando, mas sempre de forma intermitente. No ano de 1998 comecei a pintar a óleo porque queria quadros de temas e artistas que não encontrava a venda em Belém. Depois passei a fazer pinturas em tinta acrílica e depois aquarela, porém de forma cada vez mais espaçada. Isso mudou em 2019, quando comecei a me dedicar à ilustração digital, e passei a produzir de forma mais consistente”.

Quem for ao vernissage verá vinte obras nas quais os universos pop internacional e nacional conversam com o material, o imaginário e as personalidades de Belém e do Pará. “Em Fortaleza fizemos muitos novos amigos e parceiros, mas Belém nunca deixou de estar presente na minha obra, até porque o cearense ama o Pará também”.

“Penso que o artista não pode se furtar a vibrar junto com a sociedade organizada, muitas obras que hoje são imortais buscavam apenas uma impressão instantânea. Um lápis e uma folha de papel é o instrumento de arte mais barato que existe, mas os meios digitais estão cada vez mais acessíveis, então tem uma geração que está cada vez mais engajada com seu cotidiano e seu lugar. Isso é ótimo, até porque ainda vivemos no eurocentrismo no universo das artes tradicionais.”

A convergência de cenas cotidianas com os universos da música e do cinema presente nas ilustrações do artista trazem em sua essência posicionamentos políticos e sociais que instigam a reflexão do público sobre a atualidade. “Em condições normais de temperatura e pressão, deveria ser optativo ao artista e ao cidadão posicionar-se politicamente. Porém, o cenário dos últimos quatro anos em especial, com o desmonte e a demonização da cultura brasileira, não criou alternativa a não ser embarcar com todas as forças na defesa do regime democrático. Embora a gente torça por momentos mais amenos nos próximos anos, até pra refletir em artes mais belas e singelas, é preciso estar atento e forte. Parafraseando Chico César, toda ilustração é um ato político e uma carta de amor”.

Nos últimos tempos, personalidades como o presidente eleito Lula, Marina Silva e até mesmo Gal Costa, poucos dias antes de falecer, partilharam obras de Laercio nas redes sociais. “É maravilhoso ter tido o retorno de tanta gente que a gente admira desde sempre. Além dos famosos, sempre tento retribuir todo a carinho, comentários, compartilhamentos. Realmente nos motiva a seguir adiante”. Ele enfatiza, no entanto, a importância o papel ativo do público apreciador para que as artes continuem vivas, principalmente em momentos de crises e efemeridades de redes sociais. “Esse novo cenário cria novos desafios e requer novas habilidades combinadas para o artista monetizar seu trabalho. Número de seguidores não implica em uma renda”.

Além das vinte obras em exposição, poderão ser adquiridas outras artes do catálogo Cubas Arts – com temas, segundo Laercio, inusitados – e também canecas, ímãs de geladeira e outros souvenirs, tudo com preços promocionais. Para completar com maestria a noite, às 20h será lançado o livro “Conheço Palavras Perigosas”, do também parauara Renato Torres. A Ná Figueredo fica na Gentil Bittencourt, 449, e a entrada é gratuita.

A exposição ficará até o dia 15 de janeiro de 2023.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. A cultura, qualquer que seja a vertente, sempre será uma oportunidade a mais para ampliar conhecimentos e viajar por um mundo da imaginação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *