O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

Intermitências da vida

Um amigo dos meus amigos faleceu semana passada. Em um daqueles contextos de terrível tristeza em que não faz o menor sentido essa partida para alguém tão jovem. Aprender a morrer, só para os sábios. Talvez por isso quem escreveu sobre essa sabedoria foi Saramago, um dos poucos que conseguia tratar a morte como vida e como alegria. E também aquele que escreveu que filosofamos por saber que morreremos. Filosofar é aprender a morrer. Intermitências da morte. Mas seria bom que fosse intermitências da vida. Porque a vida devia ter intervalos e não fins. E se na ponta da língua a gente sabe que a vida importa mais do que tudo, na vida real é difícil viver essa verdade. Porque a vida, ela não para e toma folego. E nem nós. Ela só é. E nós, só somos.

Se existe arte, se existe arquitetura, se existe patrimônio e cultura é porque a vida existe e ela precisa de um meio material para acontecer. Das coisas nascem coisas e nelas, as coisas, também persistem nossas memórias. É por isso que o patrimônio cultural é um sinal da existência histórica do homem, torna vivo um passado e nos serve de orientação. Eu sou quem eu sou porque eu sei quem eu fui. E nós precisamos da relação com as coisas para saber quem somos. Para estabelecer uma ordem simbólica. Termo chique, ordem simbólica, que significa nada mais do que tranquilidade. A sensação de ordem que a familiaridade de certos locais nos remete, embora não possa ser reduzida aos objetos, é fortemente influenciada pela arquitetura, por exemplo. E ter tranquilidade é bom. Sem ela, há um vazio. E é por isso que a destruição de monumentos em guerras ou desastres nos causa um enorme sentimento de vazio e perda, porque a arquitetura também transmite ao homem a sensação de estabilidade.

É a tranquilidade que nos faz encarar os fins e sonhar com os começos. É preciso estar tranquilo para aceitar nossa natureza angustiada com o medo da morte e, por consequência, a desejar a permanência. Mas as pessoas, elas morrem. E é preciso muita filosofia para aceitar isso, aprender a morrer. Ou muita arte. Sim, a arte salva e nos ajuda a lidar com nossas dores, mas nem sempre ela é suficiente. E ainda que seja clichê, gosto de lembrar que a vida é curta, mas as emoções que podemos deixar duram uma eternidade*. Descanse em paz.

https://www.literar.com.br/intermitencias-morte/
https://artout.com.br/a-persistencia-da-memoria/
https://www.nationalgeographicbrasil.com/historia/os-lugares-antigos-danificados-e-destruidos-pelo-isis
https://www.diariodelviajero.com/asia/palmira-antes-y-despues-de-isis
https://www.diariodelviajero.com/asia/palmira-antes-y-despues-de-isis
  • Poema de autoria desconhecida que circula em páginas de pensamentos da internet.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *