Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Quase todo mundo já caiu na tentação de comer ou beber além do necessário, mas a data, 26 de janeiro, foi criada a fim de conscientizar a população sobre os perigos que a compulsão alimentar oferece à saúde. Neste ano,…

"Por muito tempo, nós, da Diretoria Executiva da Unimed Belém nos silenciamos diante das barbaridades que estavam sendo disseminadas entre os colegas nos recusando a entrar no jogo de convencimento de cooperados, pois acreditamos que a verdade sempre prevalece, ou…

Cópia fiel

Nessa semana de Brasil na Copa do Mundo e inicio de dezembro, minhas filhas aprenderam a bater palminhas ao ouvir parabéns-pra-você. Univitelinas que são, até os ângulos dos primeiros dentes, tortinhos, são iguais. Mas a altura deles é diferente, porque cada uma tem seu tempo. Ser mãe de gêmeas idênticas é ver dois indivíduos iguais e completamente diferentes, que parecem o mesmo – só que em um universo paralelo. O mesmo DNA, duplicado. Aqui não existe original. Autenticidade e originalidade são conceitos complexos. Tipo um filme do Abbas Kiarostami. Parêntesis. Acho muito engraçado ter escrito e falado aos quatros ventos que Cópia fiel é um dos meus filmes preferidos e, depois, ter tido a surpresa de uma gravidez gemelar univitelina. Fecha parêntesis. O que é original? Cópia fiel é um filme que não fala sobre arte. Ele aborda as experiências que criamos em relação a ela e questiona o conceito de originalidade [o sorriso da Monalisa é original ou é uma cópia do sorriso real da Gioconda?]. No filme, de uma maneira enigmática, os limites entre o que é real e o que é a cópia de alguma realidade não são esclarecidos, te deixando intrigado com o próprio enredo.

Mas não só os símbolos e significados estão por traz das relações humanas, porque convenções sociais fazem parte da vida e o filme me lembra sobre réplicas. De Davi de Michelangelo ao Pavilhão Alemão de Mies Van de Rohe, muitas cópias de obras de arte foram realizadas e hoje também assumiram seu papel enquanto artefato a ser preservado. Porém as cópias saíram dos ateliês, da ideia de aprendizado, e entraram para o mercado das artes, chegando à arquitetura. La clonación arquitectónica, como nos explica Ascención Martinez Hernández* ao refletir que, no campo arquitetônico, é preciso cautela para não achatar e idealizar a história. Já, como nos explica Cazuza, o tempo não para. Então, quais os limites de réplicas? As cópias mudam o sentimento perante a arte? Qual o valor da cópia para o original? A cópia adiciona valor? Qual sua utilidade?

Muito se fala sobre a interação entre o cinema e a arquitetura, especialmente na construção de cenários. Mas essa relação vai além e Abbas Kiarostami me lembra que as cópias são didáticas e, se talvez não mudem em relação à aparência externa, mudam o tempo. E o tempo, para nós ocidentais, importa. A autenticidade existe. Minhas filhas gêmeas são iguais e completamente diferentes. Cada uma tem seu tempo. E o tempo tem função social e cultural. É insubstituível, irreversível, implacável. Nos meus sonhos, o tempo das minhas filhas gêmeas eu queria congelar pra mim. E ainda que tudo passe – tudo sempre passará -, se o que criamos, produzimos e edificamos, fica, de alguma maneira, elas ficam. Nós também ficamos.

https://artrianon.com/2019/11/07/e-so-o-amor-que-inventa-obra-de-arte-o-filme-copia-fiel-de-abbas-kiarostami/
https://revistagalileu.globo.com/Cultura/Arte/noticia/2014/05/onde-estara-modelo-que-inspirou-monalisa.html
https://www.cnnbrasil.com.br/entretenimento/escultura-de-davi-de-michelangelo-recebe-nova-iluminacao-e-revela-detalhes/
https://www.archdaily.com.br/br/601503/a-segunda-reconstrucao-do-pavilhao-mies-van-der-rohe-em-barcelona

*HERNÁNDEZ, Ascención Martinez. La clonación arquitectónica. Madrid: Ediciones Siruela, 2007

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *