O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Superintendente da Polícia cai por assédio moral

Dos onze delegados subordinados ao superintendente regional da Polícia Civil do Pará no Lago de Tucuruí, Rommel Felipe Oliveira de Souza(aquele que indiciou por associação criminosa e requereu a prisão preventiva de três cidadãos que prometeram jogar ovos no governador), nove pediram remoção por serem incompatíveis com ele na gestão. Ante a debandada geral, não restou alternativa ao delegado-geral Walter Resende a não ser a substituição do superintendente. O delegado Tiago Mendes, que era o superintendente regional do Baixo Amazonas, sediado em Santarém, vaiassumir o cargo. Rommel quer continuar na regionale ficará em Breu Branco, município vizinho de Tucuruí. 

Leiam os documentos dos delegados denunciando o intenso assédio moral que sofriam, que se tornou insuportável a ponto de uma retirada coletiva. A Assindelp, que deveria estar atenta a situações como essa, proteger os delegados e lutar para que os cargos sejam ocupados por merecimento ou por antiguidade e não via indicação política, prefere divulgar notas ofensivas a jornalistas que publicam as verdades incômodas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Infelizmente o ambiente de trabalho da Polícia Civil, neste particular, não discrepa de nenhuma outra repartição pública. Exerci, em toda minha carreira profissional, vários cargos e funções públicas, quer na qualidade de ocupante de cargo em comissão, quer como servidor temporário, quer como concursado, assim como cumpri estágio em repartições públicas em meus tempos de acadêmico, tendo, em todas essas ocasiões, constatado que dos traços mais característicos no serviço público estão a intriga, a fofoca, a falsidade, a prepotência do chefe, o mal-querer disfarçado de cordialidade, as constantes armações visando “puxar o tapete” do colega, muitas das vezes o mais próximo e por quem finge amizade e carinho, a “derrubação” sob todos os sentidos, a falta de ética, o mal-caratismo, de um modo geral, o que torna, enfim, o local de trabalho um ambiente imundo, muitas das vezes insuportável, a exemplo da situação narrada pelos delegados subscritores do expediente publicado. Se, por um lado, o serviço público significa a conquista de “lugar ao sol” do profissional, com a certeza da justa remuneração e estabilidade, além de outros benefícios, por outro, é o ambiente, salvo honrosas e raras exceções, onde a falsidade do ser humano, no que tem de pior, mais se evidencia e aflora. Por essas e outras que um dia decidi abdicar do sonho de uma bem sucedida carreira no serviço público para, até meu último dia, trabalhar, na iniciativa privada e na minha banca de advocacia e imóveis, onde pelo menos sou o dono do meu nariz e onde não devo satisfação a falsos amigos, assim como não tenho o dever de aturar chefetes de caráter duvidoso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *