Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Secult/Jucepa ganham Prêmio Jabuti

No próximo dia 24 de novembro, no Teatro do Parque Ibirapuera, em São Paulo, “Marcas do Tempo – Registro das Marcas Comerciais do Pará 1895-1922”, obra que reúne mais de 700 imagens, entre estampas e logomarcas registradas na Junta Comercial do Pará, será distinguida com o  terceiro lugar na categoria projeto gráfico do Prêmio Jabuti 2016, promovido pela Câmara Brasileira do Livro desde 1958 e considerado o mais importante do Brasil: além de valorizar escritores, destaca a qualidade do trabalho de todas as áreas envolvidas na criação e produção de um livro. As obras são analisadas por um corpo de jurados especializados e a contagem dos votos é feita em sessões abertas ao público e dividida em duas etapas. 

O livro foi lançado este ano pelo secretário de Estado de Cultura, Paulo Chaves, na XX Feira Pan-Amazônica do Livro, numa parceria com a Jucepa que teve apoio da Federação das Indústrias do Pará (Fiepa). Paulo Maurício Coutinho, diretor do Núcleo de Editoração e Memória da Secult, e Lorena Sousa, também da Secretaria de Cultura, são responsáveis pelo design e editoração do livro. 

Com 412 páginas, trata-se de um álbum ilustrado da história comercial de Belém entre o fim do século XIX e início do século XX. Além da alta qualidade das imagens, a contextualização do material permite ao leitor conhecer um pouco mais do vocabulário e dos costumes daquele período. 

A ideia da publicação surgiu no seio do Projeto Memória do Registro Mercantil, iniciativa coordenada por Orlando Carneiro com o objetivo de resgatar a história da instituição, que completa 140 anos de existência no próximo dia 30 de novembro e ganhará programação alusiva elaborada pela presidente  da Jucepa, Cilene Sabino. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *