Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Resgate histórico

O advogado e procurador de justiça aposentado Luiz Ismaelino Valente lança, no próximo dia 11, na Loja Maçônica Fraternidade Alenquerense nº 11, o seu livro “O Curumu de Alenquer na Obra de Francisco Gomes de Amorim”.

A obra aborda vida e obra de Francisco Gomes de Amorim, que aos 10 anos veio para Belém do Pará, onde, junto com seu irmão Manoel, foi vendido como escravo branco a um comerciante lusitano.

Viveu dos 13 aos 16 anos (1840-1843) em Alenquer. As tapuias (caboclas) o chamavam de “Cauçúpára Carayba Goataçara Cuapará”, que significa “Querido branco português caminhante sabedor”. Virou escritor e expoente da segunda geração do romantismo português e imortalizou a paisagem paradisíaca do lago Curumu em seus livros, na segunda metade do século XIX.

Nas suas memórias, Gomes de Amorim registra que, em Alenquer, teve “a primeira revelação da poesia”, ao ler o poema Camões, do visconde de Almeida Garrett, que, surpreendentemente, encontrou “num cesto forrado com folhas da bananeira brava na casa de uma família indígena”. Nesse momento, escreveu, “nasceram as aspirações que fizeram da criança um homem!

Em 1846, retornou a Lisboa e passou a frequentar o círculo literário de Garrett, tornando-se, em pouco tempo, um escritor prolífero e consagrado.

A sua peça teatral “O Cedro Vermelho” (encenada em 1856 e editada em 1874) tem por cenário o lago Curumu, cuja beleza descreve com riquezas de detalhes. Em “Cantos Matutinos” (1858), rememora suas andanças pela “encantadora vilazinha” situada entre o rio Surubiú e o lago Curumu.

De sua vasta obra destacam-se ainda o drama “Ódio de Raça” (1854), os romances “O Remorso Vivo” e “Os Selvagens” (ambos de 1875 e com temática amazônica), a monumental biografia de Almeida Garrett (publicada em 4 tomos, de 1881 a 1884) e a edição crítica de “Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões”, que publicou pouco antes de sua morte.

Para Luiz Ismaelino Valente, “O Curumu de Alenquer na Obra de Francisco Gomes de Amorim” tenta resgatar, ainda que tardia e parcialmente, a grande dívida de gratidão que os alenquerenses têm para com o grande escritor ultramarino que entronizou, universalizou e imortalizou Alenquer na literatura mundial do século XIX.

Decorridos exatos 167 anos desde que Gomes de Amorim deixou as águas do Surubiú e do Curumu, Alenquer até hoje não prestou uma só homenagem ao grande vate português a quem tanto deve.

Em agosto, a obra será lançada em Belém.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *