A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Profusão de Sons e Imagens de David Bowie

Prepare-se para uma imersão na arte e sons produzidos por David Bowie, um dos maiores ícones do rock and roll. A arte de Bowie atravessa a história da música pop nos séculos XX e XXI e resiste como legado contemporâneo ao alcance das novas gerações digitalizadas que marcam os novos tempos.
O diretor Brett Morgen, mais conhecido pelo documentário “Kurt Cobain: Montage of Heck”, oferece ao espectador um fluxo de consciência com base em depoimentos do artista ao longo de várias décadas.
“Moonage Daydream” é mais que um simples documento audiovisual sobre um astro do rock. É experimentação visual, temática universal, montagem que dialoga com várias fases pessoais e musicais não necessariamente em ordem cronológica (a não linearidade como registro de uma carreira mutante).
O diretor teve acesso ao arquivo de Bowie, o que inclui gravações inéditas, diários, animações e filmes para tentar dar conta da obra de um artista múltiplo, com trânsito livre para expressões de dança, pintura, escultura, teatro e música.
Nos primeiros minutos do documentário, o tema caro da expressão pela palavra, instrumento de linguagem que irá pontuar a música e a carreira de Bowie como ator em filmes que marcam a história do cinema como “Fome de Viver”, “Furyo – Em Nome da Honra”, “O Homem que Caiu na Terra”, “Apenas um Gigolô”, e tantos outros como coadjuvante ou protagonista.
Sim, o cinema é parte da vida e do arquivo pessoal de Bowie. “Moonage Daydream” é uma torrente de imagens com trechos de filmes de Stanley Kubrick, Fritz Lang e outros grandes diretores. São recortes que fazem o trabalho de Brett Morgen um caleidoscópio visual para ver e rever, pois são muitas informações visuais e sonoras a desafiar nossa capacidade de fruição imediata.
David Bowie entra em cena nos anos 60 e viveu o que se pode chamar da era da ressaca pós-hippie e de seus marcos referencias e estéticos, para reinventar a cultura do rock and roll para os anos 70. São performances com muito brilho, glamour e androginia como ferramentas eficazes para reconhecimento da então indústria fonográfica. O visual excêntrico como marketing de aparição musical era a tônica dominante e marca registrada de grupos como Kiss, o cantor Alice Cooper e no Brasil, os Secos & Molhados.
A corrida espacial estava na ordem do dia e a ideia de um ser extraterreno que vem do espaço sideral é usada como base para a criação de Ziggy Stardust, uma entidade alienígena, andrógina e sexualmente fluída. Nas imagens do show, a catarse de fãs que parecem ir ao transe com a ascensão e queda de Ziggy.
Depois vieram outras personas criadas por Bowie, como o Major Tom, Aladdin Sane, Halloween Jack, Pierrot (de Ashes to Ashes), o Duque Branco Magro (que causou polêmica pelo tom fascista), o Profeta Cego, Olhos de Botão e outras criações marcantes que justificam o clichê de artista camaleônico.
Nos anos 80, Bowie ressurge com a pele bronzeada, ternos bem cortados e produz clássicos mais dançantes e celebrativos como “Let’s Dance”, “Modern Love”, “Absolute Beginners”, “Under Pressure” (com o grupo Queen) e mais uma mudança como cantor na banda Tim Machine.
E Bowie não parava nunca, lançando novos trabalhos até 2016, com o lançamento de “Blackstar”, o canto de cisne de um artista completo, efêmero e eterno.
“Moonage Daydream” é programa obrigatório para os amantes do cinema e da música.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *