Nesta terça-feira (29) a presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Pará, desembargadora Luzia Nadja Guimarães Nascimento, inaugura a sala da Ouvidoria da Mulher, espaço para sugestões, reclamações e denúncias relativas à violência contra à mulher, direitos políticos e à igualdade…

A praça do Mascate, na esquina da Av. Visconde de Souza Franco (Doca) com a Trav. Antônio Barreto, no bairro do Reduto, está sendo transformada em Praça Pet, espaço de lazer para os moradores e animais de estimação. O local…

Foi aberto ontem (25) um novo retorno para veículos no Km 08 da BR-316, perto de uma loja de peças de motos no sentido entrada de Belém, e em frente à Escola Raimundo Vera Cruz, no sentido de saída da…

A construção do muro de arrimo e urbanização da orla da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, avança ao longo de 1.200 metros de extensão. Gerenciadas pelo Governo do Pará, via Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, já foram executadas as…

Pobreza e desmatamento não combinam

Estamos vivendo um grande impasse: se continuarmos crescendo economicamente emitindo gases de efeito estufa e desmatando as florestas tropicais, a humanidade vai sofrer as graves consequências das mudanças climáticas.

O meio ambiente está tomado por enfisemas e o planeta começa a ter dificuldade de respirar e oxigenar o corpo, colocando o sistema respiratório em risco total. 

Através de um relatório assinado por mais de 200 cientistas, revisado e aprovado em sessão plenária que durou duas semanas, a ONU emitiu um alerta vermelho sobre as mudanças climáticas no mundo.

Vejamos um resumo dos principais pontos do relatório:

  • Os cientistas não têm dúvidas de que as atividades humanas aqueceram o planeta. Mudanças rápidas e generalizadas ocorreram no clima do planeta e alguns impactos estão agora se concretizando.
  • A ciência de atribuição melhorada encontra evidências do impacto da humanidade em todo o sistema climático, as emissões causadas pelo homem são agora responsáveis por um planeta alterado e menos estável.
  • O planeta aquecerá em pelo menos 1,5°C em todos os cenários. No caminho mais ambicioso de emissões, alcançamos 1,5°C nos anos 2030, ultrapassando 1,6°C, com as temperaturas caindo de volta para 1,4°C no final do século. 
  • Os cientistas são claros quanto à necessidade de combater outros gases de efeito estufa além do CO2, no curto prazo. As emissões de metano – um poderoso gás de efeito estufa – são particularmente preocupantes.
  • O mundo natural será prejudicado por mais aquecimento e, portanto, os ecossistemas terrestres e oceânicos têm uma capacidade limitada para nos ajudar a resolver o desafio climático. 
  • Os tomadores de decisão precisam implementar planos de emissão zero líquido se quisermos parar o aquecimento. A remoção do dióxido de carbono é uma ferramenta crucial, mas que só será útil quando acompanhada por rápidas e profundas reduções de emissões. 
  • As estimativas do orçamento de carbono restante – uma forma simplificada de avaliar quanto mais CO2 pode ser liberado – foram melhoradas desde os relatórios anteriores, mas o orçamento de carbono permanece praticamente inalterado.

Fonte: ClimaInfo.org.br .

O Pará abriga parte significativa da floresta amazônica e tem sido responsável por grande volume nos desmatamentos, contribuindo negativamente para o aquecimento global e, consequentemente, sendo vetor das mudanças climáticas.

Uma constatação trazida pelo relatório do clima e dita com todas as letras, sendo uma verdade científica incontestável, é que o desmatamento da floresta amazônica tem correspondido a grandes emissões de gases de efeito estufa, em decorrência das atividades humanas.

O modelo econômico extrativista, concentrador de riquezas, de crimes ambientais e a ausência de ação do poder público no cumprimento da legislação ambiental, é a opção política dos governantes e poderosos paraenses desde sua colonização.

Reverter a tendência de emissões de gases, parando completamente o desmatamento e criando condições de uso sustentável da floresta e da biodiversidade amazônica é urgente, trata-se de uma atitude ética com a humanidade.

Os próximos governos paraenses, sejam de que partido forem, devem ser escolhidos com base num programa de governo que albergue esta exigência de salvação do planeta e da humanidade. Não há mais tempo para postergarmos as providências.

Portanto, o mais urgente não é saber quem nos governará, mas como nos governará e reverterá o modelo econômico, adotando políticas públicas que combatam a pobreza, gerando emprego e distribuindo riqueza, sem destruir a floresta e parando as emissões de gases.

*O artigo acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Vamos levar a experiência da Gavea pra região ? Não vi interesses de governos, partidos e empresas.
    Sempre sonhei e ver um time paraense nas olimpíadas, mas tenho a impressão que no Pará a competição do esporte nos impeça de cooperar.
    Oportunidades existem, quando não existe criamos https://youtu.be/_8uCK9gH9Jw mas são pra quem tem grana https://youtu.be/fThiLltKIoY se valorizássemos talentos seria diferente https://youtu.be/z4wQq6mCeyo o ginásio não tirou o povo da roça https://youtu.be/uM1ndEyfwPI
    Grato pelas olimpíadas 2016, essas paraenses agradecem, esporte é um investimento de longo prazo https://youtu.be/krMJFiBJ6wk
    E grana tem http://www.sema.pa.gov.br/wp-content/uploads/2012/11/Arrecadacao_Taxas_Fema_Consolidado_2012.pdf

    http://www.projetofeeemasc.wixsite.com/guip

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *