0

O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, pretende começar em maio a execução do Projeto de Requalificação Urbana Ambiental e Tratamento Paisagístico no Entorno do Igarapé São Joaquim, na bacia do Una, escolhido através de concurso público de âmbito nacional, em parceria com o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), cujo vencedor foi o escritório GRS Arquitetura, de Brasília, representado pelo arquiteto Fabiano Sobreira. A obra está orçada em R$ 150 milhões e já tem os recursos garantidos pela diretoria da Itaipu Binacional. Os critérios para a escolha foram os eixos ambiental, mobilidade e acessibilidade urbana, social, econômico e ambiência amazônica, além de arquitetura da paisagem. Nada obsta que o projeto do governo do Pará na área seja executado paralelamente, menos o desmatamento do parque Gunar Vingren.

Mais de 18 projetos se inscreveram no concurso da Prefeitura, que pagou R$ 85 mil em prêmios, sendo R$ 50 mil para o primeiro lugar, além de R$ 23 mil e R$ 12 mil, para segundo e terceiro lugares, respectivamente. O coordenador do concurso e representante do IAB, Luiz Fernando Freitas, revelou que o olhar para a comunidade no entorno do igarapé e o conhecimento das peculiaridades de Belém foram pontos fundamentais na escolha do vencedor. “A metodologia que ele se dispõe em consultar a comunidade para desenvolver o projeto. A segunda coisa é a utilização de materiais que são comuns no Pará, especialmente em Belém, então, foi com muita qualidade, com muita responsabilidade no que estava fazendo. Também teve a questão da arquitetura paisagística, que é extremamente importante”.

O Projeto Parque Agroflorestal Comunitário São Joaquim propõe tornar o igarapé navegável, utilizado como meio de transporte e prática de esportes e lazer, com espaço para equipamentos flutuantes e ciclovias nas margens, paisagismo com manejo pela própria comunidade, um portal para contemplação do por do sol e também a recuperação de vias no entorno do igarapé São Joaquim, com área de 6,48 hectares e 4,6 km de extensão.

O parque ao longo do Igarapé São Joaquim se estende pela desembocadura do Uma e será ao mesmo tempo urbano, comunitário e agroflorestal, com a presença urbana, social e cultural das comunidades do Barreiro, Sacramenta e Telégrafo, Zonas Especiais de Interesse Social, símbolos de expressão cultural, resistência e luta pela moradia em Belém; a paisagem e a cultura já consolidadas de produção agroflorestal em pequena escala, praticada pelas comunidades ao longo do Igarapé e que tem suas raízes nas tradições dos povos originários; e a participação comunitária já observada nos bairros, evidenciada pelas hortas coletivas, espaços de lazer, eventos, campanhas e mutirões de limpeza.

O projeto está fundamentado na premissa de  que a transformação social, ambiental, urbana e paisagística do Igarapé deve se irradiar para dentro das comunidades, em vários aspectos, a fim de evitar remoções e fortalecer os laços afetivos e comunitários na gestão do espaço urbano e dos bens comuns; ruas mais acolhedoras, com arborização, espaços caminháveis e espaços verdes, como resultado das ações de mobilidade; transformação econômica e social em decorrência da dinâmica de economia circular e colaborativa associada à gestão comunitária do parque; melhoria da qualidade de vida de toda a comunidade, a partir das estratégias de eliminação do lançamento de esgotos e de resíduos no igarapé, com a criação de fossas coletivas e sistemas de alternativos de tratamento, filtragem e desinfecção;  referências urbanísticas para os planos de urbanização das ZEIS que circundam o parque; educação ambiental contínua, no processo de implantação e gestão; criação, no interior das comunidades, dos quintais, pátios e praças agroflorestais, como irradiação dos canteiros agroflorestais do igarapé.

Condição essencial para a implantação sustentável do parque é a proteção social, urbanística e a melhoria da qualidade ambiental das comunidades do Barreiro, Sacramenta, Telégrafo e áreas adjacentes, classificadas como zonas especiais de interesse social. Para isso, é estratégia fundamental a integração entre o Plano Diretor do Parque e os Planos de Urbanização das ZEIS. Sem a devida proteção legal e a necessária qualificação urbanística e ambiental, as comunidades correm o risco de serem gradativamente expulsas de seus locais de moradia, em decorrência da valorização imobiliária que resultaria da implantação do parque e das melhorias na infraestrutura urbana do entorno. Nesse sentido, as principais estratégias contra a gentrificação devem ser baseadas na indissociabilidade entre parque e comunidade, não apenas enquanto projeto, mas principalmente na sua gestão.

Prefeitura nega licença ao Estado para desmatar parte de APA

Anterior

Da Bandeira Branca ao Homem Rio Benedicto Monteiro

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *