Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

O drone, a ponte e o secretário

O secretário de Estado de Transportes, Kleber Menezes, está precisando tomar um banho de ervas daquelas poderosas que há no Ver-O-Peso, em Belém. Adepto de esportes radicais – ele salta de para-quedas, voa em asa-delta, pilota jet-ski e outros quetais – e premido pelo tempo curto face a muitas responsabilidades, entre elas o cronograma para executar a obra de recuperação da ponte do rio Moju -, ele comprou um drone (veículo aéreo não tripulado) com seus próprios recursos, pagou algo em torno de R$25 mil, com os impostos inclusos, para assistir em tempo real, a partir de seu celular, ao andamento dos serviços. Pois bem. Logo de início a engenhoca foi apreendida na alfândega, porque a fiscalização achou que teria fins comerciais. Depois que conseguiu provar que seria para ajudar no seu trabalho como agente público, conseguiu a liberação. Mas, no primeiro dia de uso efetivo, o operador aproximou demais o drone da estrutura da ponte. Ondas eletromagnéticas desgovernaram o aparelho, que filmou tudo mas na hora de se recolher literalmente mergulhou no fundo do rio. Agora Kleber está sem a geringonça, que não tinha seguro, por isso sem direito a reembolso, sem o material das filmagens, que foi todo perdido, e vai ter que ir pessoalmente fiscalizar a obra. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *