A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

O Cinema de David Cronemberg

A estreia de um filme de David Cronenberg sempre gera expectativas sobre o trabalho do mestre do horror do corpo humano. O realizador canadense marca presença na temporada 2022 com “Crimes do Futuro”, novo petardo fílmico sobre uma sociedade distópica que aboliu a sensação e o sofrimento causado pela dor no corpo humano e suas consequências e distúrbios na nova era das artes performáticas.

O filme dá mais um passo na pesquisa cinematográfica sobre o corpo humano e o processo de adaptação limítrofe aos apelos da carne em zonas de perigo, produção científica e prazer na continuação, sempre por um triz, da espécie humana.

Em “Crimes do Futuro”, Cronenberg questiona a própria produção desse fetiche imagético chamado cinema ao seduzir o espectador por meio de imagens carregadas de mutilações, cortes cirúrgicos, vísceras tatuadas e engenhocas bizarras que atendem à demanda orgiástica da contemporaneidade (sim, o futuro distópico de Cronenberg remete ao tempo presente).

Na atmosfera de desencanto em cenários pichados e sujos, os personagens são movidos como peças de um game sinistro, com infiltrações que denunciam forças concorrentes do mercado de peças e órgãos corpóreos que alimentam experimentos, disputam aliados e atendem à demanda do entretenimento voyeur das casas de espetáculo. Observem os espectadores filmando as performances que vendem a metamorfose e procedimentos cirúrgicos como forma de arte sem limites e bem distante dos conceitos clássicos de outrora. Aqui, Cronenberg reafirma sua posição de pensador do cinema contemporâneo como veículo de ideias e provocações pertinentes, afinal, o mundo continua em guerra e acossado de epidemias e pandemias. 

A procura da beleza interior e a contemplação de um prêmio para quem alcançá-la, está longe de ser uma metáfora poética ao longo do filme, pois o certame não quer saber das qualidades de caráter e espiritualidade, e sim dos adventos internos do corpo introduzido por softwares e hardwares que podem gerar mutações ou até mesmo aberrações aclamadas como vanguarda artística.

As sessões de cirurgia para retirada de órgãos estranhos ao corpo e suas assustadoras máquinas de autópsia modificadas para oferecer a sensação de prazer, sinaliza a desordem da mutação humana como espetáculo, assim como a alimentação de derivados de plástico e a mutilação como nova forma de relação sexual.

Fiel ao cinema que mescla ficção científica e o gênero horror, a trajetória de David Cronmeberg é marcada por filmes que exploram a transformação física, infecções e abordagens que implicam o uso da tecnologia e seus efeitos no corpo humano em filmes como: “Videodrome”, “Scanners”, “Enraivecida na Fúria do Sexo”, “Calafrios”, “A Hora da Zona Morta” e a refilmagem de “A Mosca”. 

A partir da realização de “Gêmeos – Mórbida Semelhança”, no final dos anos de 1980, os filmes do Cronenberg se tornam mais densos no sentido psicológico e filosófico ao enveredar por discussões que envolvem o sentido ético e moral que motivam seus personagens e a degradação carnal e mental por conta de situações absurdas e esteticamente surrealistas, como é o caso “Mistérios e Paixões”, “Crash – Estranhos Prazeres”, “eXistenZ”, “Spider” e “Cosmópolis”. Há o Cronemberg mais afeito aos exercícios narrativos no sentido clássico e sai muito bem no estilo policial de “Marcas da Violência” e “Senhores do Crime” e nos dramas “Um Método Perigoso”, “M. Butterfly”, e “Mapa para Estrelas”.

“Crimes do Futuro” é também um ótimo veículo para as performances de Léa Seydoux, Viggo Mortensen e Kristen Stewart na relação de prazer, beleza e máquinas.

Não perca esse filme!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *