O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Impasse na questão do lixo metropolitano

Depois de já ter sido anunciado um acordo entre as prefeituras da Região Metropolitana de Belém, Governo do Pará, Ministério Público e as empresas Guamá Tratamento de Resíduos Ltda, Solvi Participações S/A, Revita Engenharia S.A. e Vega Valorização De Resíduos S.A, prorrogando a operação no aterro sanitário de Marituba, houve um retrocesso durante a última audiência de mediação, realizada hoje no Tribunal de Justiça do Pará, sob a presidência do desembargador Luiz Neto, que, diante da posição irredutível dos representantes da Guamá Resíduos Sólidos em condicionar o acordo e continuidade de suas atividades à liberação de R$26 milhões, bloqueados judicialmente em razão de multas e indenizações, devido ao descumprimento de cláusulas para o funcionamento do aterro em processos originados pelo MPPA no 1º e 2° graus, decidiu encerrar as tratativas. O MPPA entende que esses valores devem ser revertidos para indenizações por danos coletivos e compensatórios à Marituba e sua população, atingida ambientalmente pelo empreendimento.

Em nota, o MPPA esclareceu que a empresa não deu garantias efetivas da implementação da Usina de Biogás (para diminuir o odor que prejudica a saúde dos moradores do entorno da obra em Marituba) e da Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), ambos fundamentais para o funcionamento regular do aterro sanitário, e ainda por cima condicionou a efetivação desses equipamentos a um aporte do Estado, o que o Ministério Público entende inadequado.

A situação é complexa e dramática. Passados dois anos do primeiro acordo em 2019, os municípios não cumpriram a maioria das cláusulas pactuadas, nem garantiram uma solução alternativa ambientalmente adequada e licenciada, apesar das cobranças extrajudiciais e judiciais constantes. O MPPA  explica que não se fechou ao diálogo, contanto que as tratativas com as partes envolvidas garantam primordialmente o interesse público, o cumprimento das normas ambientais e a proteção à população de Belém, Ananindeua e Marituba. A discussão do destino dos resíduos sólidos da região metropolitana continua, agora, nos autos do processo, onde o MPPA já se manifestou. E aguardará a decisão judicial. O preço, o descumprimento das cláusulas, os pedidos das partes e perícias serão dirimidas pelo desembargador relator e sujeitas aos recursos processuais.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *