O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

A definição de mulher

“Não se nasce mulher, torna-se mulher”, já muito bem disse Simone de Beauvoir na frase que se tornou mandamento dentro da filosofia feminista e também da identidade de gênero, que tanto (ainda bem) é discutida hoje. Tornamo-nos mulheres, diversas conforme nossas trajetórias, habilidades, afinidades, porém como definirmo-nos mulheres? Há dois meses, uma  carta aberta endereçada ao Instituto da Enciclopédia Italiana com o pedido para que fossem retiradas referências sexistas do vocábulo donna[1] no Dicionário Treccani foi publicada no site La Repubblica por um grupo liderado pela ativista italiana Maria Beatrice Giovanardi, que já trazia na bagagem uma luta histórica neste sentido: em 2020, depois de mais de um ano de protestos e em meio a todo o caos causado pela pandemia do covid-19, e com mais de 30 mil assinaturas em uma petição exigindo que todas as definições que discriminam ou conotem a propriedade masculina das mulheres fossem removidas, conseguiu que o Oxford English Dictionary fizesse alterações no vocábulo woman[2] (o dicionário britânico agora reconhece que uma mulher pode ser esposa, namorada ou amante de uma pessoa e não apenas de um homem – a mesma alteração foi aplicada no vocábulo man[3] -, entretanto palavras como bint[4] e bitch[5]  ainda são listadas como sinônimos de mulher, apesar de agora apresentarem o apontamento de que são termos considerados “ofensivos”, “depreciativos” ou “datados”). Pois bem, no dia 14 de maio de 2021 o Treccani anunciou a mudança no verbete com a retirada de palavras como cagna[6]zoccola[7], e expressões como buona donna[8]. Ao invés disso, quem consultar o dicionário encontrará expressões como donna di legge, di lettere, di scienza, di Stato[9].

         Em Portugal, a definição de mulher foi alterada no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa em 2018 a partir de um movimento lançado pelo próprio dicionário e pelo canal televisivo FOXlife, e que contou com o apoio de várias celebridades portuguesas das artes, ciências e desporto. O público pôde mandar suas sugestões que, após revisão dos linguistas do dicionário, compuseram o seguinte verbete: “ser humano do sexo feminino ou do género feminino; pessoa do sexo ou género feminino, depois da adolescência; pessoa do sexo ou género feminino casada com outra, em relação a esta; pessoa do sexo ou género feminino com quem se mantém uma relação sentimental e/ou sexual; conjunto de pessoas do sexo ou género feminino; que tem qualidades ou atributos considerados tipicamente femininos (ex: mulher da vida: [depreciativo] meretriz, prostituta; mulher de armas [figurado] corajosa, guerreira, lutadora)”. Um fato, porém, chamou a atenção ao procurar a palavra homem no mesmo dicionário. Segundo a Priberam, homem: “(latim homo, -inis) nome masculino. 1. [Biologia] Mamífero primata, bípede, do género Homo, em particular da espécie Homo sapiens, que se caracteriza pela postura erecta, mãos preênseis, inteligência superior, capacidade de fala e que é considerado o tipo do género humano (ex.: o aparecimento do homem na Terra ocorreu há milhares de anos). 2. Humanidade; espécie humana (ex.: desastres ambientais causados pelo homem; a guerra é própria do homem)”, para depois virem as definições relacionadas ao sexo e gênero (e, notem, nenhuma depreciativa). A Priberam, com todo o esforço midiático para desenraizar o machismo de seu conteúdo, esqueceu-se de considerar a mulher inclusive pela sua primeira característica biológica de mamífero primata.

         Pior ainda é quando procuramos o Michaelis, Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, que define como mulher: “(substantivo feminino) 1. Ser humano do sexo feminino: “É mulher”, gritou o pai, emocionado. 2. Pessoa adulta do sexo feminino; rabo de saia, racha, rachada. 3. O ser humano feminino, visto como um todo: A mulher moderna é resoluta e independente. 4. Adolescente do sexo feminino após sua primeira menstruação, quando passa a ser capaz de conceber, distinguindo-se, assim, da menina. 5. Pessoa do sexo feminino, de classe social menos favorecida, em oposição a senhora. 6. Pessoa do sexo feminino, após sua primeira relação sexual: Tornou-se mulher ainda na adolescência. 7. Num casal, aquela com quem o homem tem relação formalizada pelo casamento; esposa. 8. Aquela com quem o homem tem relação estável, mas sem vínculo legal; amante, concubina. 9. Forma de tratamento que denota intimidade e, às vezes, desrespeito: Mulher, vê se me esquece. 10. Aquela com quem se tem uma relação romântica ou de caráter meramente sexual; namorada: Está sempre trocando de mulher. 11. O ser humano do sexo feminino que apresenta características consideradas próprias do seu sexo, como delicadeza, carinho, sensibilidade etc.: Como qualquer mulher, arrasava-se com as grosserias do companheiro. 12. V mulherzinha.” É tão ofensivo que resolvi nem destacar os absurdos. Quem não os perceber, volte uma casa no jogo da vida.

         Dicionários são documentos em eterna construção, sabemos, e também sabemos que a etimologia das palavras diz muito sobre a sociedade que a criou ou adotou. Segundo a doutora em literatura brasileira Noemi Jaffe, “embora de origem desconhecida, rastreia-se a origem da palavra mulher como algo relacionado a molleris; seria, nesse sentido, a mesma origem de molusco e de molhado, provavelmente também de mole.” Quando a própria origem de uma palavra é fruto de uma sociedade que impõe a visão de um sexo e gênero como fraco e submisso, como o outro, é duro lutar por sua significação apropriada, para que não signifique, literalmente, um estereótipo misógino.

         Aliás, temos que ter em mente que esta luta contra um vocabulário preconceituoso e misógino ainda é insuficiente se a restringirmos apenas à palavra mulher. Até outubro de 2019, se uma pessoa procurasse a palavra “professora” no Google, apareceria, entre seus significados, a definição de “prostituta com quem adolescentes se iniciam na vida sexual.” Não é preciso dizer que o mesmo não acontecia com a palavra “professor”, no masculino. Fazendo a devida observação de que, obviamente, respeitamos aquelas que ESCOLHEM a prostituição como forma de trabalho (e queremos um mundo onde mulheres não tenham seus corpos explorados, violentados, escravizados para o lucro alheio), este tipo de associação reforça estereótipos machistas que sexualizam a imagem das profissionais da educação e contribuem para os constantes assédios sofridos em ambiente de trabalho; e também normalizam a inicialização sexual à força de adolescentes para que “aprendam a ser homens”, que é um combo criminoso de abuso sexual (muitas vezes de incapazes) e também homofobia. 

         É também muito “curioso” se formos analisar os xingamentos dirigidos aos homens no Brasil: geralmente a ofensa é dirigida às mulheres familiares do “xingado”, e a “ofensa” é sempre relativa à vida sexual desta mulher. A mãe é puta, a esposa é adultera… E se tentarmos “masculinizar” estas ofensas, a probabilidade de que muitos homens se sintam lisonjeados (ainda que tenham o bom senso de não manifestar este sentimento) é alta. Ainda hoje, assustadoramente. Alguém discorda?

         “São só palavras”, dirão muitos. Exatamente, são precisamente palavras, a forma mais usada para a comunicação humana, aquela que transmite conhecimento, conceitos, leis, direitos e deveres; que combate o discurso de ódio e que dá poder, emancipa e inclui. Giovanardi, esta revolucionária, que bem espero eu que sirva de inspiração em terras tupiniquins, disse a La Repubblica que “Simone de Beauvoir ficaria feliz, esperando um papel para as mulheres não mais do segundo sexo, mas sim de femme indépendante[10]. Com este gesto de respeito e reconhecimento o Treccani ajudou a fechar o ciclo da vassalagem e da subordinação das mulheres ao sexo masculino, alimentado também por um uso infeliz e injusto da palavra”. Assim esperamos. Nossos corpos, nossas regras; nossas vidas, nossas definições; nossas armas: palavras.


[1] “Mulher”, em italiano.

[2] “Mulher,” em inglês.

[3] “Homem”, em inglês.

[4]  Gíria para “prostituta”, em inglês.

[5] “Cadela”, gíria para “vadia”, em inglês.

[6] “Vadia”, em italiano.

[7] “Puta”, em italiano.

[8] “Boa mulher”, eufemismo idiomático para “prostituta”, em italiano.

[9] “Mulher de direito, de letras, de ciência, de Estado”, em italiano.

[10] “Mulher independente”, em francês.

Fonte da imagem: Prof. Osvaldo Coimbra no blog da FAU/UFPA

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Quanta coisa aí não sabia olha! A importante é não ter preguiça de aprender sobre termos que estão inseridos no nosso discurso cotidiano, pra que, naturalmente, a gente vá revendo e substituindo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *