Se depender do procurador regional eleitoral substituto, José Augusto Torres Potiguar, o senador Zequinha Marinho(PSC) e seus suplentes Arlindo Penha da Silva e Marinho Cunha terão os mandatos cassados pelo Tribunal Superior Eleitoral, assim como a suplente de deputada federal Júlia Marinho (PSC), esposa de Zequinha Marinho,…

No dia 6 de maio deste ano, o artista Eduardo Kobra inaugurou o mural “Coexistência – Memorial da Fé por todas as vítimas do Covid-19”, feito inicialmente em uma tela, no ano passado. Com 28 metros de largura por 7…

Desde o registro oficial do 1º caso confirmado de Covid-19, em 26 de fevereiro de 2020, o Brasil superou a trágica marca de meio milhão de mortos e quase 18 milhões de infectados confirmados, na tarde de 18 de junho de 2021, conforme…

Já estão conclusos à relatora no Supremo Tribunal Federal, ministra Rosa Weber, os autos da ADPF 848/DF - Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, com pedido de medida cautelar, proposta pelos governadores do Distrito Federal e dos Estados de Alagoas,…

Alepa discute Propará com setor produtivo

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Pará, Carlos Xavier, apresentou à Assembleia Legislativa o “Pro Pará – Agronegócio Competitivo”, iniciativa do Fórum das Entidades Empresariais que consiste em ações estratégicas destinadas à retomada do crescimento econômico pós-pandemia. O presidente da Alepa, deputado Chicão, as deputadas Michelle Begot, professora Nilse Pinheiro (que preside a Frente Parlamentar pelo Cooperativismo Paraense e é também produtora rural) e Dra. Heloísa, e os deputados Raimundo Santos, Miro Sanova, Igor Normando, Fábio Freitas e Orlando Lobato ouviram a exposição e durante três horas encaminharam questões de interesse público. Os deputados Delegado Caveira e Toni Cunha foram mais cedo, por conta de compromissos inadiáveis. A reunião contou com a participação do secretário extraordinário de Produção, ex-deputado Giovanni Queiroz; do presidente do Conselho da Fecomércio, Sebastião Campos; diretores e assessores do Sistema Faepa e da Alepa.

O conjunto de propostas de entidades parceiras públicas e privadas inclui necessidade de consciência ambiental e política de integração da Amazônia, acentuando o contexto atual e as potencialidades do Pará. O Pró Pará envolve melhoria da produtividade, investimentos estruturantes na logística, segurança jurídica fundiária e ambiental. Para garantir os recursos foi pensada a criação do Fundo Preservar, de apoio a PPPs, investimentos setoriais e logísticos.

“O Pará tem municípios com os menores IDHs do Brasil e do mundo, no arquipélago do Marajó, que precisam muito de investimentos em todos os setores. Por outro lado, o aproveitamento produtivo das áreas de Cerrado no território paraense representa 7 milhões de hectares (65%), possibilitando o desenvolvimento econômico sem avanço sobre a floresta. Dessa forma, pode se tornar o principal Estado em importância econômica do País, com a consolidação de seus polos produtivos, considerando, por exemplo, a disponibilidade de terras a preços competitivos, já que é o segundo maior Estado do Brasil (124,8 milhões/ha,  cerca de 15% do território nacional). Temos  3,2% da água doce do mundo e o maior aquífero do mundo em volume está em Alter do Chão, são 86 mil Km² de água doce em território paraense”, explicou Carlos Xavier.

Lembrando que a Assembleia Legislativa do Pará foi pioneira ao aprovar a lei estadual nº 6.745/2005, que dispõe sobre o Macrozoneamento Ecológico-Econômico do Estado e definiu o percentual máximo de 35% para consolidação e expansão de atividades produtivas, dentro das metas que integram a proposta em áreas de recuperação e áreas alteradas (43,5 milhões de hectares), o presidente da Alepa realçou que urgem ações concretas para garantir segurança jurídica aos empreendedores e condições mínimas de desenvolvimento das atividades na infraestrutura e nos ambientes de inovação tecnológica, paralelamente à enorme demanda em ciência e tecnologia, formação profissional, assistência técnica e gerencial. “Com mais de um milhão de quilômetros quadrados, o Pará impõe desafios para a produção que exigem recursos em larga escala. Precisamos de portos, rodovias, ferrovias, hidrovias e aeroportos; segurança jurídica fundiária e ambiental”, pontuou o deputado Chicão. Há dez anos foram concluídas as eclusas de Tucuruí, mas a hidrovia do Tocantins ainda não foi viabilizada porque a execução do derrocamento do Pedral do Lourenço e a dragagem e balizamento de pontos críticos do rio se arrasta a passos de cágado desde então, sob a responsabilidade do governo federal. Com o aproveitamento adequado de cem mil hectares de lâmina d’água é possível tornar o Pará um dos líderes em piscicultura do país, a partir da implantação de tanques escavados e tanques-rede, tanques suspensos – sistema de recirculação (terra e mar), observou Chicão.

O projeto já foi apresentado pela Faepa ao Ministério Público, Tribunal de Justiça e Universidade Federal Rural da Amazônia. O Governo do Pará estuda a compra de R$2 milhões em mudas de mandioca, e a destinação de emendas parlamentares para a implantação de fecularia.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar