0

Para quem perdeu – a Igreja de Santo Alexandre estava lotada no Recital – conferir algumas das imagens do Recital Cidadão, com a cantora lírica Gabriella Florenzano, o pianista Humberto Azullay, o compositor e pianista Vicente Malheiros da Fonseca, o maestro Jonas Arraes e o Coro do Projeto Cururu. Quando o DVD estiver finalizado, vou publicá-lo aqui e no YouTube.
Aliás, como primeiros frutos da iniciativa, Isabela Lima, assessora da Prefeitura de Ananindeua, ofereceu parceria com o projeto Cururu, através da Ação Social, presidida por Daniela Barbalho. E Bárbara Lameira, cantora de pop rock, doou um violão ao projeto.
Lembro que as doações podem ser feitas a qualquer tempo, diretamente aos responsáveis pela Escola de Música Maestro Wilson Fonseca, de Santarém – instrumentos de sopro (flautins, flautas, oboés, clarinetes, saxofones e fagotes), de metais (trompetes, trompas, eufônios, trombones e tubas) e de percussão (pratos, caixas, bombos, xilofones, glokenspiels, vibrafones, marimbas, sinos, triângulos, tímpanos), de cordas (violinos, violas, violoncelos e contrabaixos de cordas), e Projeto Cururu, da Paróquia de Santo Antônio de Lisboa, em Belém – cordas para violino, viola, cello e contrabaixo acústico; breus, crinas, arcos e palhetas para clarinete; instrumentos de cordas da família dos violinos; sapatilhas e malhas de balé para faixa etária de 7 a 12 anos; cadernos de música; e quadro (lousa), preferencialmente de vidro, para uso com pincel próprio.
Anotem os contatos:
Maestro Jonas Arraes: jonasarraes@oi.com.br; arraesjonas@hotmail.com; (91) 8866.8869 e (91) 3083.5968.
Maestro José Agostinho da Fonseca Neto (Tinho): tinhofonseca@gmail.com; (93) 3223-5770 e 9122-1767.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Móveis de Oriximiná na Exposição

Anterior

Alívio no MPE

Próximo

Você pode gostar

Comentários