Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Acionado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Ministério Público Federal recomendou ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, medidas efetivas para que os responsáveis pelo edifício conhecido como Bloco B da Assembleia Paraense assegurem a manutenção emergencial do…

Na quarta-feira passada (22), operários e servidores ligados à execução da reforma e readequação do Palácio Cabanagem almoçaram com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, que preferiu essa forma de reunião para agradecer pelo compromisso com o trabalho e…

Nunca reclamem de barreiras de fiscalização no trânsito. Graças aos agentes do Detran-PA um homem vítima de sequestro foi resgatado ileso ontem à noite, por volta das 23h, na rodovia BR-316. Conforme relato do coordenador de Operações do Detran-PA, Ivan…

Descortinar o passado e projetar o futuro

O resgate de dois sítios arqueológicos pela Alcoa, antes da instalação
da mina de bauxita de Juruti, à beira do rio Amazonas, na área onde hoje
funciona o terminal portuário da mineradora e refinadora de alumínio, foi
destaque no 2º Colóquio Ibero-Americano Paisagem Cultural, Patrimônio e Projeto
– promovido em Belo Horizonte pela Universidade Federal de Minas Gerais e Instituto
do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) -, que considerou o
trabalho referência em licenciamento ambiental.
Foram encontradas cerâmicas e artefatos de pedra e madeira que revelam
um pouco sobre a população que viveu às margens do rio, na comunidade hoje
conhecida como Terra Preta.  A análise
das amostras aponta indícios de ocupação da área datando de seis mil anos.
Também há materiais evidenciando nova onda de ocupação por volta do ano
1.200 da Era Cristã. Já o passado colonial de Juruti foi expresso em algumas
peças do século XVIII, indicando ocupação desde 1748, e não só a partir de
1818, quando ocorreram as primeiras missões que visavam fiscalizar o rio
Amazonas.
Trata-se de descoberta científica importante, que merece ser aprofundada,
junto aos demais sítios arqueológicos existentes na região, muitos já
identificados e datados e com peças classificadas e catalogadas. Afinal, essa é
uma das muitas vertentes da sustentabilidade da atividade minerária.  As grandes empresas que atuam na região podem
contribuir em  muito para descortinar o
passado e projetar o futuro protegendo os vestígios históricos e disseminando o
conhecimento.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *