Trabalhadores da Companhia Docas do Pará estão em pé de guerra com a direção da estatal federal. Desde julho estão padecendo com contracheques zerados, aumento de jornada, remuneração encurtada, custo de vida encarecido e compromissos não honrados. Tudo isso graças…

A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

A verdadeira fraternidade

Hoje,
quando todos, no mundo inteiro, trocam mensagens de fraternidade universal, é o
dia propício a uma reflexão duradoura acerca do quanto pode ser feito por toda
a Humanidade a partir da postura de cada um.
Por
que ser feliz um dia só se podemos ser mais felizes? Por que fazer de conta, só
hoje, que tudo é bom e perfeito, e fechar os olhos e mais uma vez continuar a
permitir todas as desgraças que nos assolam? Como podemos achar que a
felicidade consiste em comprar objetos e presentear e ser presenteado com eles,
quando o que é de fato importante, necessário e crucial para nos deixar felizes
não está à venda? Para que estabelecer condicionantes materiais à alegria se
ela se desenha nas coisas mais simples do dia-a-dia e na maioria das vezes
simplesmente não as enxergamos?

nos incomodamos com a violência – em todas as suas nuanças – quando ela nos
atinge, aos nossos familiares ou amigos. Assim também quanto às drogas e à
criminalidade de um modo geral. Só tomamos conhecimento da injustiça quando ela
se manifesta em nossas vidas e nas dos que nos são queridos. Só nos
manifestamos quanto à desigualdade quando sofremos com ela. Só nos
sensibilizamos com a dor e o sofrimento dos outros quando nos alcançam e aos
que amamos.
Precisamos
morar no lugar A, ter o carro B, dispor de bens de consumo que o alfabeto
inteiro é insuficiente para ilustrar, a fim de que finalmente nos sintamos plenamente
felizes e realizados. E assim passamos a vida correndo atrás de miragens, até
que um dia um acidente, uma doença incurável, um mal súbito e fatal, atalhe
essa busca incessante.
Por
que não aproveitar o Natal como o recomeço de um ciclo, o nascimento de uma
nova sociedade, mais justa, mais consciente do papel de cada um para o bem
estar coletivo, a começar de gestos simples como respeitar o direito do outro,
em todas as situações?
A
todos, um belo e amoroso Natal, no aconchego da família e dos amigos, com a
consciência do real valor de tudo o que nos cerca, e de todas as possibilidades
que temos de fazer mais e melhor por todo mundo, hoje e sempre.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *