Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Dia da Marujada de São Benedito

FOTOS: CARLOS SODRÉ 
Encerra hoje uma das mais antigas e bonitas manifestações culturais do
Pará: a Marujada, que integra a festividade em honra a São Benedito, padroeiro
de
Bragança, e cuja
origem é ligada os remanescentes dos escravos negros na região. A Irmandade –
entidade que, hoje, participa ativamente da festa juntamente com a igreja
católica – foi fundada em 1798 e neste umbral de 2013 congrega cerca de 1.200
associados, embora a Marujada propriamente dita – manifestação cultural – seja
aberta a qualquer pessoa.
Para participar e
só saber dançar e estar vestido a caráter. Os trajes dos marujos se diferenciam
pela cor. No dia de Natal, as vestimentas têm predomínio do azul. Já no dia 26,
data em que se comemora São Benedito, o tom em destaque é o vermelho, ambos
conjugados com o branco, que aparece, por exemplo, nas blusas das marujas e nas
calças dos marujos. O chapéu pode ter fita vermelha ou azul.
São as mulheres de
Bragança que comandam a Marujada, onde os homens têm um papel secundário, todos
subordinados à “capitoa”, sempre a
mais velha do grupo, que, tradicionalmente, oferece o café da manhã para os
marujos e marujas. Em seguida, na igreja, acontece a ladainha de São Benedito. Após
as orações, os devotos dão início às danças, no barracão, ritmadas por roda,
retumbão, chorado, mazurca, valsa e xote bragantino. Lá, o almoço é oferecido
por um devoto, promesseiro ou marujo, chamado de juiz ou juíza, em
agradecimento a uma graça alcançada.
São Benedito teve uma vida de humildade
e dedicada aos outros. Negro e pobre, exerceu diversas atividades domésticas,
incluindo a de cozinheiro, mesmo depois de já ter entrado para o convento, de
onde, reza a lenda, tirava às
escondidas mantimentos para alimentar os famintos nas ruas. Diz o Ofício Litúrgico de São Benedito do próprio da
Ordem Franciscana: “Benedito que
pela sua cor preta foi chamado o santo preto
“.
Que seu exemplo
inspire muitos outros e a alegria de sua festa contagie todos os corações. Confiram as fotos do evento.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *