A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Belém ganha parque e museu no Cemitério da Soledade

Monumentos, vitrais e azulejos. Túmulos e pétreos. O Cemitério da Soledade, o mais antigo de Belém, agora é um museu a céu aberto e parque urbano, no coração de Belém. Após belo trabalho das equipes do Laboratório de Conservação, Restauração e Reabilitação (Lacore), da Universidade Federal do Pará e da Secretaria de Cultura do Estado, com apoio da GM Engenharia, o espaço foi aberto à visitação, ontem, ao fim da primeira etapa dos serviços de restauro e requalificação, pelo governador Helder Barbalho e pelo prefeito Edmilson Rodrigues, ladeados pela primeira-dama Daniela Barbalho, vice-governadora Hana Ghassan, secretário de Estado de Cultura, Bruno Chagas; deputado Igor Normando; reitor da UFPA, Emmanuel Tourinho; secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Ualame Machado; secretária de Ciência e Tecnologia, Edilza Fontes; presidente da Fumbel, Michel Pinho; Delegado-Geral Walter Resende, pesquisadores,  escritores, arquitetos, educadores, artistas e jornalistas.

O Soledade funcionou durante trinta anos, de 1850 a 1880, e tem importância religiosa histórica, antropológica, arquitetônica e paisagística. Personagens importantes na história do Pará estão ali sepultadas, como o Barão de Igarapé-Miri e o General Gurjão, além de santos populares.

O projeto do CNPq intitulado “Ciência da conservação e da restauração na Amazônia: contribuições para a salvaguarda do Cemitério Monumental Nossa Senhora da Soledade”, entre 2011 e 2014, contou com a participação de pesquisadores da UFPA, Museu Paraense Emílio Goeldi, UFBA, USP, UFMG e LNEC/Lisboa, e levou ao convite, feito em 2013, para o Lacore integrar a equipe que elaborou o projeto de restauro coordenado pelo então secretário de Estado de Cultura, Paulo Chaves. Em 2021, já no governo de Helder Barbalho, o convite foi renovado para participar da execução da obra de restauro por meio de um convênio tripartite entre Secult, UFPA/Lacore e Fadesp, envolvendo pesquisadores e discentes de graduação e pós-graduação de diversos cursos da UFPA, principalmente da Faculdade de Conservação e Restauro (Facore) e dos Programas de Pós-Graduação em Ciências do Patrimônio Cultural (PPGPatri) e de Arquitetura e Urbanismo (PPGAU). 

As técnicas utilizadas no restauro resgataram o Soledade como lugar de ensino e pesquisa, desde o emplastro de bentonita aplicado pela primeira vez neste patrimônio pelo Professor Mário Mendonça em 1993, até os novos materiais e técnicas desenvolvidos nas diversas pesquisas do Lacore. Importantíssimo neste processo de salvaguarda é o envolvimento de discentes da UFPA na execução prática de restauro, experiência única e pioneira no Estado do Pará, aliando o ensino, a pesquisa e a extensão, com a oferta de cursos e palestras, além da oportunidade de formação e de geração de conhecimento e pesquisas, observa a professora doutora Thais Sanjad, que assim como Flavia Palácios atuou junto à coordenadora geral do projeto, Rose Norat.

Arquiteta e urbanista, doutora em Ciências, área de concentração Geoquímica e Petrologia, mestre em Ciências da Arquitetura e especialista em Restauração e Preservação do Patrimônio Arquitetônico, Rose Norat é diretora da Faculdade de Conservação e Restauro/FACORE do Instituto de Tecnologia/ITEC/UFPA, já dirigiu o Departamento de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural/DPHAC e a Diretoria de Projetos da Secretaria de Estado de Cultura do Pará; foi diretora Diretora de Patrimônio Histórico da Fumbel e gerente de Projetos da Fortaleza de São José de Macapá.

O trabalho de restauro contou, ainda, com coordenações específicas de Alexandre Loureiro, Pâmela Bahia e Amanda Loureiro, inclusive de Carolina Gester e Mayra Martins.

As pesquisas do Lacore no Cemitério da Soledade foram apoiadas pelo edital universal do CNPq e geraram dissertações de mestrado e teses de doutorado. Todas analisaram materiais usados na construção do cemitério, itens como as pedras que compõem os monumentos, os azulejos, os vidros e vitrais que ainda existiam em alguns túmulos e as grades e metais aplicados em alguns monumentos e túmulos do cemitério.

Foram investidos mais de R$ 16 milhões no restauro e em toda a estrutura funerária, obras na parte hidráulica e elétrica, a criação de uma nova entrada voltada para a travessa Doutor Moraes, a construção de calçamentos com acessibilidade, banheiros, área para administração, iluminação e paisagismo. A capela, o muro e o pórtico de entrada receberam nova pintura. A segunda fase da obra, após a abertura do museu, seguirá com ações de restauração nos mausoléus e esculturas centenárias que compõem o cemitério histórico de Belém.

O Cemitério da Soledade fica na avenida Serzedelo Corrêa e é um marco arquitetônico na capital paraense, patrimônio tombado pelo Iphan e de grande importância para a memória parauara, que Belém ganha de presente nos seus 407 anos.

O espaço abriga um museu com exposição permanente sob curadoria do Sistema Integrado de Museus e Memórias da Secult (SIMM). O trabalho seguiu as normas do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que aprovou o projeto inicial do arquiteto Paulo Chaves (1946-2021). Terá ações culturais e de educação patrimonial, além de área expositiva na capela e informações expográficas. Está aberto para visitação de quinta a segunda-feira, de 9h às 17h. Às terças e as quartas-feiras ficará fechado para trabalhos internos. O Secretário de Estado de Cultura, Bruno Chagas, contou que o Soledade foi inspirado em estruturas europeias, como o conceito de jazigo, numa época em que Belém vivia situação de epidemia. O cemitério também foi marco da expansão urbana, porque ali não era o centro da cidade como é hoje, era área rural e que passou a ser ocupada. Tanto o titular da Secult quanto o governador Helder Barbalho e o prefeito Edmilson Rodrigues fizeram questão de registrar em seus discursos a importância do projeto do saudoso arquiteto Paulo Chaves, gesto bonito muito aplaudido por todos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *