Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Ataque ao patrimônio histórico santareno

  Foto: arquivo
Foto: Semma
Foto: Ádrio Denner
Santarém acaba de perder mais um de seus ícones, o “Casarão Tapajônico”, também conhecido como Solar dos Braga ou dos Macambira, localizado na rua Siqueira Campos, entre as travessas 15 de Agosto e 15 de Novembro.
Na sexta-feira (19), uma equipe de fiscalização da Secretaria Municipal de Meio Ambiente constatou que o prédio havia sido demolido, restando apenas a fachada, como é comum em casos de burla à legislação de proteção ao patrimônio histórico, artístico e cultural.
O casarão onde moraram dois dos primeiros e mais célebres políticos de Santarém, Sylvio Leopoldo de Macambira Braga, advogado, escritor, deputado federal e principal responsável pela instalação da usina hidrelétrica de Curuá-Una, e Cléo Bernardo de Macambira Braga, advogado, jornalista, poeta e cronista, pracinha da FEB nos campos da Itália na II Guerra Mundial, professor de Direito na UFPA e, no Colégio Moderno, de História e Economia, 
deputado estadual, ambos cassados pelo golpe militar de 1964, foi derrubado para dar lugar a um estacionamento.

O casarão tem mais de 150 anos. Lá chegou a funcionar uma luteraria, tocada pelo luthier Hugo Martinez e pelo violonista Sebastião Tapajós.  De acordo com o secretário de Meio Ambiente, Podalyro Neto, que interditou o local, o atual proprietário, cujo nome não foi revelado, admitiu que não tem licença, já foi notificado para pagar multa, que varia de R$ 5 mil a R$ 5 milhões, e cumprir obrigação de fazer . A Semma também já avisou o Ministério Público Federal e o Estadual sobre o acontecido, além do Instituto de Proteção ao Patrimônio Histórico e Arquitetônico Nacional – Iphan, e solicitou oficialmente para a Secretaria de Infraestrutura e Secretaria de Cultura do município que tipo de documentos o empreendedor pediu a esses órgãos. 

Há um ano tramita na Câmara Municipal projeto de lei que cria o Conselho Municipal do Patrimônio Histórico, Artístico e Natural, além de instituir o Fundo Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural, sem desfecho. Um ato público pelo fim do descaso com a cultura foi realizado na noite de domingo por integrantes do Movimento Arte e Cultura de Santarém, movimentos sociais e estudantis, além de profissionais de vários segmentos da sociedade. Cerca de 150 pessoas saíram da Praça São Sebastião, com velas, terços e vestidos de preto caminharam e fizeram paradas em frente a prédios históricos, passando pelo Museu Fona para alertar sobre a reforma do prédio, pela antiga Casa de Saúde, onde o prédio foi demolido de forma misteriosa há alguns anos, depois seguiram pela Adriano Pimentel e, em frente ao casarão onde funcionava a antiga padaria Lucy, demonstraram tristeza e revolta pela demolição da antiga construção, com azulejos portugueses, para ser transformada em um hotel de propriedade do deputado Antonio Rocha(PMDB). 

Chama a atenção o fato de ser o secretário de Meio Ambiente Podalyro Neto quem embargou a obra que destruiu o Casarão Tapajônico, assim como foi ele quem foi atrás do deputado Antonio Rocha por causa da destruição do prédio da antiga Panificadora Lucy, e quem tomou providências quando colocaram máquinas no Morro do Mirante. A Secretaria Municipal de Cultura, os vereadores, os deputados representantes de Santarém têm sido ausentes, mudos e quedos enquanto símbolos históricos e culturais de Santarém estão virando literalmente pó.  Uma questão que se impõe saber urgentemente: a área do Mirante – em frente à antiga Padaria Lucy – é contemplativa do encontro das águas dos rios Tapajós e Amazonas.
Vão deixar construir um prédio que impeça essa visão, além de tapar a orla com paredão, aumentando o calor intenso da cidade? 

De Cléo Bernardo: 
“Essa corrupção, que envergonha e afronta a Nação, porque de governistas e de oposicionistas, à semelhança de outrora, não é somente em matéria de dinheiro ou de exploração do trabalho. Existem em penca os corruptos das ideias falsas. Existem sobrando os contrabandistas dos juramentos, conforme o poder mais alevantado que se erga. Hoje a palavra solenemente empenhada virou vaso noturno. É a subversão dos princípios, dos valores, dos encargos, trocando máscaras e substituindo mascarados. As tais razões de Estado se confundem com os morcegos: nem pássaros nem ratos são.” (Uma Bandeira Branca, 22/05/1977).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *