O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Arqueologia Amazônica

O Museu Emílio Goeldi relançou a coleção “Arqueologia Amazônica”, extensa obra sobre os estudos já realizados na região, organizada pelas pesquisadoras da Coordenação de Ciências Humanas Edithe Pereira e Vera Guapindaia.
São dois volumes, que reúnem mais de 40 trabalhos, oferecendo aos leitores um panorama atualizado com os resultados dos últimos 20 anos de pesquisa sobre a arqueologia na Amazônia. Os textos são em português, inglês e espanhol, com estudos de pesquisadores de várias instituições nacionais e internacionais.
O primeiro volume conta sobre a antiga ocupação humana nos manguezais da Amazônia, arqueologia no Amapá, cerâmica e complexidade social na Amazônia, arte rupestre e arqueologia subaquática, entre outros. Dentre os autores dos estudos estão as organizadoras da obra, e também Maura Imazio e João Aires da Fonseca, do Museu Goeldi;  Denise Schaan, da UFPA; Franz Scaramelli, do Instituto Venezuelano de Investigações Cientificas; Stéphen Rostain, do Centro Nacional da França de Pesquisa Científica.
O segundo volume discute a importância da socialização do conhecimento produzido pela Arqueologia, através de três aspectos: cronologia e rota de ocupação, localização geográfica e implantação dos sítios arqueológicos. Um dos desafios é compreender as diversas relações que se estabelecem no contato com o patrimônio arqueológico amazônida, que passam pelo comércio ilegal de peças e desconhecimento dos seus indicadores.
Os autores, que também estimulam a reflexão sobre ações no âmbito da educação patrimonial, propõem uma consciência histórica além de se informar dos fatos, mas também perceber o universo social como processo ininterrupto e direcionado de formação e organização.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *