A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Agosto Dourado

Certa vez, ministrava uma aula no curso de Psicologia sobre maternidade e saúde mental, e perguntei para as mulheres mães da turma como havia sido amamentar. Todas responderam que foi lindo, maravilhoso e o melhor momento da vida. Não surpresa, relatei a minha vivência com a amamentação da primeira filha: fissura e bico dos seios rachados, noites insones, dando conta das madrugadas sozinha. De repente, todas elas passaram a contar das dificuldades (e não eram poucas), inclusive as dores, estafa física, somadas à culpa, quando desejavam fazer algo fora do ser mãe exclusiva. Logo, nosso debate constatou a romantização da maternidade, que silencia mulheres, não habituadas a identificar suas experiências e narrar suas histórias.

Na literatura debatida por nós, textos apresentavam pesquisas científicas que apontavam como tendemos a patologizar mulheres que não correspondem a idealização deste momento, ou culpabilizá-las por “fracassos”, com diagnósticos de saúde que excluem questões sociais e que reforçam um cenário histórico de cobrança, na qual recai sobre elas a necessidade de bancar um script social, cujo desenvolvimento infantil é responsabilidade exclusiva feminina. Afastar-se disso é lido como desvio e sentenciado como doença.

Dentre as normativas da maternidade ideal, a amamentação vem com campanhas que abordam os benefícios para criança, posto que contribui para diminuição de doenças e fortalecimento do sistema imunológico, com redução da mortalidade infantil, e fortalece o desenvolvimento do vínculo mãe-bebê, sendo o mês de agosto destinado à campanha em defesa e promoção do aleitamento materno.

No entanto, é preciso lembrar: a média de amamentação exclusiva no Brasil é de aproximadamente 54 dias, apesar da Organização Mundial de Saúde orientar até os seis meses de idade. E o que isso significa? Significa que muitas mulheres sequer podem escolher sobre amamentar seus filhos e filhas e que precisamos falar das diferentes maternidades, com distintas realidades sociais no país.

 As campanhas romantizam amamentação como um ato de amor e não como um ato nutricional importante, e ignoram que a garantia, ou não, da amamentação exclusiva, parte de uma condição de privilégios, sendo um ato e efeito político, social e econômico, onde os marcadores classe e raça as afetam de diferentes formas, sendo as negras, as mais negligenciadas. É possível amamentar exclusivamente se você não tem direito a licença maternidade? É possível amamentar exclusivamente se você não tem emprego ou o que comer?

Estou amamentando pela segunda vez e só agora ouvi falar em pojadura (momento de descida do leite). Além disso, achava ter todo o conhecimento possível por ter tido a primeira experiência da maternidade e pelas leituras, mas sigo num processo de, recorrentemente, ter meus ductos mamários entupidos, o que torna o amamentar mais doloroso. Eu poderia estar na estatística de abandono do aleitamento exclusivo, não o estou por ter acompanhamento médico atualizado e próximo, mas muitas mulheres abandonam a amamentação por dor e esta dor está relacionada a falta de informação que direcionam cuidados com seios, a pega do bebê, dentre outros. Ou seja,

em um país que sequer aprendemos sobre o corpo feminino, acesso a informações e acompanhamento adequado é privilégio de raça e classe.

Outro montante de mulheres abandonam a amamentação por falta de rede de apoio, familiar, social. A cultura que defende que a mulher deve se sacrificar pelos filhos em detrimento de si faz com que o cuidado deixe de ser um ato social e coletivo, deixando as mulheres em solidão e estafa, muitas vezes, sem apoio estatal, ou seja,

o modelo patriarcal causa sofrimento psíquico às mulheres.

Também é preciso levar em consideração o abandono paterno. Em um país onde 11,5 milhões de mulheres não podem contar com a presença e responsabilidade dos pais para cuidar e educar seus filhos (IBGE, 2018), amamentar e maternar se torna um processo extremamente exigente física e emocionalmente, seja pela privação do sono e seus efeitos, seja pelo sofrimento psíquico, por exemplo.  O trabalho materno passa a ser visto como vocação da natureza feminina e não como gasto de energia física e mental, não sendo remunerado e tido como menos trabalho, contribuindo pro cenário econômico do país, onde só as mulheres são responsáveis pelos filhos e filhas, ou seja

a exploração de mulheres contribui com modelo capitalista que privilegia os homens no cenário público e social.

Além disto, o cenário político não é nada animador: temos um governo que proíbe falar de educação sexual nas escolas; não temos políticas de apoio as mulheres mães; temos um índice enorme de mulheres trabalhando de maneira informal, sem carteira assinada; e somos um país onde as empresas privadas concedem apenas quatro meses de licença maternidade, contrariando a indicação da exclusividade dos seis meses.

Devemos combater a romantização e tratar maternidade de maneira crítica: as dificuldades para a moça que trabalha em casa de família nunca será igual para a patroa que a contrata, apesar de não ser simples para nenhuma. Por isso falar em maternidadeS, não podemos biologizar e universalizar um fenômeno que é político e afetam mulheres de diferentes formas, a depender de seus marcadores. Mulheres precisam falar sobre suas vivências, identificar suas experiências, ter acesso a informações e isso só se torna possível se ouvirmos mulheres, se validarmos suas histórias e processos.

Romantizar a maternidade é silenciar nossas vivências. Silenciar nossas dores é uma forma de manipulação para tudo continuar como está.  Toda mulher deveria ter o direito de amamentar, caso o quisesse. Toda mulher deveria ter condições para que o momento de amamentar também pudesse ser vivido como um momento de alegria. Toda mulher deveria ter o direito de escolher amamentar ou não, sem imposições sociais coagindo suas escolhas. Amamentar é um ato nutricional que pode sim ser repleto de amor, mas não é prova de amor.

Normalizem acordar os parceiros de madrugada, todo mundo terá o que fazer no dia seguinte, pois cuidar de um bebê também é trabalho. Normalizem conversar com mulheres sobre suas vivências, vocês verão que não estão sós e que existem fatores que se repetem nessa cultura sobre nós. E abracem mulheres mães que amamentam ou não, nós precisamos de apoio e de não sermos rechaçadas, como tanto já o fazem. E votem em mulheres, precisamos de representatividade para abordarem nossas realidades e levantarem nossas bandeiras, pois nosso corpo é político.

Precisamos andar juntas e falar alto. Juntas somos mais.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *