Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Jovem mãe em abandono afetivo e social

Em Cametá, município histórico do Pará alcunhado Terra dos Notáveis, e onde o prefeito era o diretor do Hospital Regional, a saúde mental vai de mal a pior. Um idoso ficou vinte anos em condição degradante, vivendo em meio a ratos em uma baiuca construída na calçada de uma das principais ruas da cidade. Quando a situação foi denunciada e ganhou enorme repercussão nas redes sociais, o pobre homem foi finalmente resgatado mas já era tarde demais e faleceu duas semanas depois. Agora se sabe de uma moradora de Cametá, Taysa, que sofreu depressão pós-parto há quase cinco anos e, sem tratamento, surta e agride as pessoas nas ruas. Anteontem ela foi vítima de espancamento público por três homens, que jogaram inclusive cadeiras nela. Taysa ficou muito machucada, e nenhum órgão competente tomou providências para protegê-la e garantir o tratamento psiquiátrico de que precisa.

Taysa é uma jovem mulher, de 25 anos, mãe de um menino de 4 anos do qual não consegue cuidar por causa dos surtos – que poderiam ser controlados se ela fosse medicada -, muito castigada pelo abandono afetivo e social a que tem sido relegada, e precisa urgentemente de ajuda profissional. Mora na rua Sobradinho, bairro da Aldeia, e sua família lavrou um documento afirmando não ter condições para cuidar dela, porque são muito pobres, a mãe é idosa e um irmão tem deficiência física. Vizinhos relatam que antes o médico do município visitava Taysa todo dia, fazia a medicação e atendimento, mas acabaram com o programa e, sem os remédios adequados, ela fica agressiva.

Em nota, a prefeitura de Cametá alega que a internação compulsória é proibida, que a paciente teve passagem no Hospital de Clínicas Gaspar Viana, mas sempre volta às ruas, que o caso já foi encaminhado ao Ministério Público e que nem assim foi resolvido “mediante a dificuldade de conciliação entre a paciente, a família e os órgãos responsáveis”. Isso é um absurdo. Essa mulher doente está em situação de extrema vulnerabilidade, sua família já entregou a responsabilidade por ela ao município, através de documento próprio, e é evidente que ela não tem discernimento para administrar a própria vida, estando em perigo real de morte em razão da insensibilidade do poder público e a selvageria de populares. O Ministério Público, a Defensoria Pública e o Poder Judiciário precisam agir urgentemente e garantir os seus direitos constitucionais à dignidade humana, à vida e à saúde, que estão acima da legislação ordinária e da burocracia insensata.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *