Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

A justeza da reivindicação marajoara

Desde anteontem, o Movimento Acorda Marajó interdita a PA-154 a fim de impedir o acesso de veículos ao embarque nas balsas no porto do Camará, em Salvaterra, no arquipélago do Marajó, em protesto contra o aumento de 20% na tarifa. Só permite a passagem de  ambulâncias. Centenas de pessoas estão irritadíssimas e impacientes, com toda razão, impossibilitadas de fazer a travessia para Belém.

A Arcon – Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Pará foi contactada ontem à tarde a fim de que tomasse alguma providência, mas na sede do órgão o segurança que atendeu a ligação informou que o assunto só poderia ser tratado hoje, quando funciona das 8h às 11:30h, por causa do jogo do Brasil na Copa do Mundo. 

Hoje, a Arcon distribuiu nota à imprensa informando que autorizou a revisão tarifária dos serviços de transporte hidroviário intermunicipal de passageiros na linha Icoaraci-Camará por ferry boat, e travessia por balsa Soure/Salvaterra e Salvaterra/Cachoeira do Arari, realizada pela empresa Henvil Transportes Ltda., conforme estabelece legislação específica, de três em três anos, e que “serve para corrigir distorções tarifárias acumuladas pela empresa durante o período.” Alega que “o Conerc concluiu pela legalidade e justeza da aplicação do índice de revisão tarifário proposto” e que desde o fim de 2012 vários avanços vêm sendo registrados no transporte fluvial para o Marajó: novos horários de viagens, um ferry boat com capacidade superior à das balsas que já operavam na região e a meta de ampliar e melhorar o serviço. Aduz que também foi ampliada a capacidade das embarcações e criadas áreas VIPs e econômicas, para garantir mais conforto aos passageiros. Argumenta, ainda, que, recentemente, foi publicada no DOE a portaria de abertura da concorrência pública para a contratação de transporte fluvial diferenciado para fazer a travessia de passageiros no trecho Belém-Salvaterra-Soure, com lancha rápida, a fim de atender à demanda dos moradores e impulsionar o turismo na região, que a embarcação será em estilo catamarã e deverá ter capacidade para, no mínimo, 150 lugares. 

Ok, ok. Mas então cadê a lancha rápida? Se é justo e legal o aumento da tarifa, o que dizer da reivindicação de transporte rápido, seguro e confortável da população, que aguarda há décadas esse atendimento? A “meta” de melhorar o serviço não pode ser brandida pela Arcon como justificativa para o aumento. Ao contrário. O correto é que primeiro seja cumprida e depois o distinto cidadão usuário seja chamado a pagar a conta. É o mínimo a fazer. O lucro da Henvil, que exerce o monopólio do transporte no trecho Belém/Salvaterra/Soure/Cachoeira do Arari, na travessia de balsa e ferry boat, pode esperar.

Afinal, quem pagava R$ 90,90 agora é chamado  a pagar R$ 108,25 pelo transporte do mesmo veículo. A travessia de Salvaterra para Soure também é muito cara para o padrão dos moradores locais, famílias humildes em sua maioria e não veranistas ou turistas. O governador Simão Jatene precisa tomar a frente das negociações, até porque o desgaste político é seu, e a Arcon é controlada pelo PR, que declaradamente está na oposição ao seu governo. A população é que não pode pagar o pato dessas contradições.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *