Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

A educação ladeira abaixo

A educação vai mesmo ladeira abaixo. Nem terminou ainda o drama da greve dos professores da rede pública, e agora os professores das escolas particulares, em luta por aumento de 30% dos salários, anunciam estado de greve. Com as mensalidades altíssimas – a menor no valor de um salário mínimo -, é inconcebível que seus educadores sejam mal remunerados. O Ministério Público Estadual, Ministério Público do Trabalho, Conselho Estadual de Educação, OAB e MEC, assim como todas as entidades e órgãos encarregados da fiscalização do setor, devem ficar atentos e coibir abusos. Não dá para repassar esse custo aos alunos. 

Incoerências na Lei de Diretrizes e Bases da Educação nacional, a LDB (Lei nº 9.394) permitem que alguns princípios válidos para o ensino público (gestão democrática, valorização dos profissionais da educação, padrão mínimo de qualidade) não se estendam às escolas privadas, que, no entanto, usufruem o direito de abocanhar uma parte dos recursos públicos, sem falar nas isenções fiscais de que gozam há muito tempo. Em síntese, quando os recursos públicos estão em jogo, as escolas privadas querem se equiparar às públicas. O que só confirma a secular relação ambígua entre o estatal e o privado, mais intensa ainda por conta da tradição patrimonialista brasileira, em que os governantes acham natural tratar a coisa pública como propriedade pessoal, privada.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *