Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

A educação ladeira abaixo

A educação vai mesmo ladeira abaixo. Nem terminou ainda o drama da greve dos professores da rede pública, e agora os professores das escolas particulares, em luta por aumento de 30% dos salários, anunciam estado de greve. Com as mensalidades altíssimas – a menor no valor de um salário mínimo -, é inconcebível que seus educadores sejam mal remunerados. O Ministério Público Estadual, Ministério Público do Trabalho, Conselho Estadual de Educação, OAB e MEC, assim como todas as entidades e órgãos encarregados da fiscalização do setor, devem ficar atentos e coibir abusos. Não dá para repassar esse custo aos alunos. 

Incoerências na Lei de Diretrizes e Bases da Educação nacional, a LDB (Lei nº 9.394) permitem que alguns princípios válidos para o ensino público (gestão democrática, valorização dos profissionais da educação, padrão mínimo de qualidade) não se estendam às escolas privadas, que, no entanto, usufruem o direito de abocanhar uma parte dos recursos públicos, sem falar nas isenções fiscais de que gozam há muito tempo. Em síntese, quando os recursos públicos estão em jogo, as escolas privadas querem se equiparar às públicas. O que só confirma a secular relação ambígua entre o estatal e o privado, mais intensa ainda por conta da tradição patrimonialista brasileira, em que os governantes acham natural tratar a coisa pública como propriedade pessoal, privada.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *