A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Em ação civil coletiva do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnico Duchista, Massagista, Empregados em Hospitais e Casa de Saúde do Estado do Pará, na qual o Ministério Público do Trabalho PA-AP atuou como fiscal da lei, a 2ª Vara…

A cada hora morre um adolescente no País

Dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância apontam que, a cada hora, morre um adolescente por homicídio no País. O Brasil é o segundo no mundo em número de homicídios de adolescentes, atrás apenas da Nigéria. O documento do Unicef lembra, ainda, que as maiores vítimas desse tipo de violência são meninas e meninos afrodescendentes, cuja taxa de homicídios é quase quatro vezes maior do que a de meninas e meninos brancos. Em 2012, o Datasus registrou 9.106 homicídios de jovens entre 15 e 19 anos, dos quais 8.454 foram de meninos e 652 de meninas. 

O julgamento de Rosevan Moraes Almeida, ex-PM condenado ontem a 120 anos de prisão pela morte de seis adolescentes na noite de 19.11.2011, no distrito de Icoaraci, em Belém do Pará, é um triste exemplo dessa situação. As 15 horas do julgamento, pelo 3º Tribunal do Júri da Capital, foram marcadas pelo discurso que busca legitimar os que “podem” matar e os que “devem” morrer, além do medo das pessoas imposto pelos grupos de extermínio, mas algumas testemunhas conseguiram romper o silêncio e falar. Na  sessão, presidida pela juíza Ângela Alves Tuma, atuou o promotor de justiça Rui de Almeida Barbosa, que contou na assistência de acusação com as advogadas Ana Celina Bentes Hamoy, Mairã Soares e Suzany Brasil, do Cedeca Emaús. A responsabilização do réu serviu para mostrar que a sociedade não aceita as violações de direitos humanos. 

O caso, que ficou conhecido como “A Chacina de Icoaraci”, chocou os cidadãos paraenses, brasileiros e até a comunidade internacional. Os seis adolescentes tinham 12, 14, dois tinham 16, e 17 anos e foram executados por volta de 22:30h, na calçada em frente ao Instituto de Assistência e Previdência do Município de Belém (Ipamb), na rua Padre Júlio Maria, a “Terceira Rua”, no bairro Ponta Grossa, de Icoaraci, onde o assassino mandou que se ajoelhassem e atirou em suas cabeças. Cinco morreram no local e um no hospital.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *