O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Quase todo mundo já caiu na tentação de comer ou beber além do necessário, mas a data, 26 de janeiro, foi criada a fim de conscientizar a população sobre os perigos que a compulsão alimentar oferece à saúde. Neste ano,…

Visitem a Rocinha!

Em razão de seu valor artístico e histórico, a fachada da Rocinha foi adotada como logomarca e símbolo maior do Museu Paraense Emílio Goeldi e abriga exposições, o Centro de Visitantes e o Serviço de Educação do MPEG. O nome do edifício homenageia o criador do Museu, Domingos Soares Ferreira Penna (1818-1888).
 

Agora, pela representatividade de seu estilo arquitetônico, participa do projeto da Azougue Editorial, um livro sobre ‘Patrimônios do Brasil – projetos de restauração e memória’, com fotografias e textos sobre 20 exemplares do patrimônio histórico e cultural brasileiros em edição trilíngue com textos em português, espanhol e inglês.
 

Para evidenciar a diversidade cultural brasileira, o livro registra patrimônios das cinco regiões do país. Da região Norte, apenas o Pavilhão Domingos Soares Ferreira Penna, a Rocinha do Museu Emílio Goeldi e o Teatro Amazonas (AM) foram incluídos. O projeto é patrocinado pelo Ministério da Cultura e pelo BNDES.

As rocinhas, vivendas rurais utilizadas por seus proprietários como casa para temporadas de descanso, se espalharam pelos arredores de Belém durante o século XIX. A rocinha do Museu Goeldi foi construída em 1879 para a residência de Bento José da Silva Santos, cujas iniciais ainda podem ser lidas no alto da porta central. Em 1895, foi adquirida pelo Governo do Pará para a instalação do Museu. No prédio, o então diretor, o zoólogo Emílio Goeldi (1859-1917), instalou exposições, gabinetes e a biblioteca.
 

É um dos poucos exemplares que sobreviveram entre as mais de 300 rocinhas que existiam na cidade e o único onde é possível a visitação pública. A preservação de suas características arquitetônicas foi garantida por meio de intervenções realizadas na década de 1970 e em 2003-2005, quando o prédio foi restaurado e adaptado.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *