Casarões da CDP saqueados e em ruínas
Abandonado há cerca de vinte anos pela Companhia Docas do Pará, o casarão que até o início dos anos 2000 servia como...
Ver mais
Perigo quando as águas azuis do Tapajós ficam verdes
O Tapajós, já reconhecido como o mais belo rio do mundo, é um dos maiores da Amazônia e às suas margens...
Ver mais
As incríveis coleções do Museu Paraense Emílio Goeldi
Com importância singular nos campos científico, sociocultural e político, os acervos arqueológicos e etnográficos do Museu Paraense Emílio Goeldi, sediado em...
Ver mais
Previous
Next

O procurador-geral de Justiça César Mattar Jr. recebeu, ao lado do subprocurador-geral de Justiça Eduardo Barleta, do 2º subcorregedor-geral Geraldo Rocha; do presidente da Associação do Ministério Público do Pará (Ampep), promotor de Justiça Márcio Maués Faria, e do chefe de gabinete da PGJ, promotor de…

A roda de conversa “Novíssimas teses sobre a Cabanagem”, com o jornalista Sérgio Buarque de Gusmão, pesquisador e autor do livro “Nova História da Cabanagem: seis teses revisam a insurreição que incendiou o Grão-Pará em 1835”, o historiador Geraldo Mártires Coelho, professor titular aposentado da UFPA, e a cientista política…

O Ministério Público do Estado e o Ministério Público Federal criaram um Grupo de Trabalho Interinstitucional para tratar das questões envolvendo as comunidades quilombolas e populações tradicionais do Marajó, de modo articulado com o Grupo de Trabalho Agrário do MPPA e acompanhamento dos Centros de Apoio Operacional…

Figura na pauta da reunião virtual do Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Pará desta quarta-feira, 16, o julgamento de Processo Administrativo Disciplinar contra os juízes Raimundo Moisés Alves Flexa e Marco Antônio Lobo Castelo Branco. Em julho de 2019, circulou amplamente nas redes sociais gravação em áudio na qual o prefeito de…

Trinta anos de Uruá-Tapera

O Uruá-Tapera foi concebido por mim em 1991 como um filho. Lembro que até o desenhei, como impresso, em oito páginas. Na época pensei nele como um jornal regional, porque os grandes praticamente só davam notícia da capital. E eu queria fazer diferente. Nascida em Santarém do Pará, já morava há 11 anos em Belém, mas optei por fundá-lo em Oriximiná, terra natal de minha mãe, onde moravam dois irmãos, o Chico e o Valdo, este também jornalista, que toparam me ajudar. E adotei um nome indígena para celebrar as raízes brasileiras.  

Em dezembro daquele ano tudo começou. De lá para cá muitas mudanças aconteceram. Com o advento da internet, o jornal evoluiu, deixou de ser impresso e passou a ser veiculado, no mesmo formato standard, no site. Criei então o blog e páginas nas redes sociais. Hoje, o Uruá-Tapera virou portal jornalístico com revista eletrônica, blog, colunas, editorias com espaço aberto a articulistas e cronistas com formação diversa de jornalismo, agenda cultural e programa de entrevista audiovisual, de modo a estimular a pluralidade de ideias, a leitura e o pensamento crítico. E tenho a minha filha, Gabriella Florenzano, como sócia e editora adjunta. Ela engatinhou no Jornalismo pelo Uruá-Tapera, me acompanhando pela redação, ainda criança, observando todas as fases, inclusive a industrial e a distribuição. Vivia comigo o estresse da notícia, a urgência na edição e impressão. Dizia que não queria isso para si, porque sabia que jornalista não tem horário, deve estar pronta na hora em que acontece a notícia. Mas – ironia do destino – sua primeira graduação foi justamente Comunicação Social. Estagiou em assessoria de imprensa e enveredou como colunista em revistas. Paralelamente às suas atividades artísticas e acadêmicas no Canto Lírico e Cinema, experimentos gastronômicos e esportivos, Gabriella continua minha parceira nas aventuras do Uruá-Tapera. 

Lembro que cuidei de, antes de tudo, criar a pessoa jurídica, fazer o devido registro em cartório. Quando fui registrar o jornal no Sinjor-PA, o então presidente, o saudoso jornalista Raimundo Pinto, compadecido ao me ver sonhar alto, me aconselhou a não gastar dinheiro com o registro antes de funcionar pelo menos seis meses. Ante a minha insistência em legalizar totalmente a iniciativa, temerosa de alguma represália – a Lei de Imprensa, criada durante a ditadura, considerava clandestina qualquer publicação à qual faltasse um dos registros obrigatórios -, ele me explicou que dezenas de jornalistas já tinham tentado mas não conseguiam ir adiante e ainda ficavam com dívidas. Garantiu que não havia perigo nesse prazo. Combinamos assim e eu, seis meses depois, com incontida alegria, fui ao Sindicato providenciar o registro do Uruá-Tapera. E cá estamos, quase trinta anos depois, apesar dos muitos – e duros – percalços.  

O jornalismo tem sempre histórias nos bastidores. Relato isso para que os leitores saibam do esforço empenhado em cada matéria. O jornalismo independente exige dedicação, paciência, cuidado e coragem. Os desafios permanecem e são cada vez maiores do que em dezembro de 1991, quando foi lançada a primeira edição do Uruá-Tapera.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

11 comentários

  1. Deixo consignados aqui votos de sucesso e a declaração de minha admiração pela linha editorial do Uruatapera. Parabéns, Franssinete!

  2. Excelente. Sou fã do jornal.
    Desejo que continue e cresça ainda mais o sucesso do jornal.

  3. Conheço a história desse jornal e da jornalista. Parabéns pelos 30 anos de jornalismo sério e a serviço da população paraense!!

  4. Parabéns ilustre presidente, jornalista Franssinete Florenzano, pelo seu trabalho criterioso e pelo 30 anos do seu filho, o Uruá-Tapera, uma referência no jornalismo investigativo.
    Felicidade a você, ao Uruá e muito sucesso.

  5. Acompanho diariamente este belo e reconhecido trabalho da amiga Francinete. No aguardo de mais 30 anos de comunicação seria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar