Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

TRF1 manda reintegrar Gleba Bacajá

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região deferiu pedido de tutela de urgência formulado pelo Ministério Público Federal e determinou a imediata reintegração de posse do lote 68 da Gleba Bacajá, em Anapu (PA) – onde foi assassinada a missionária Dorothy Stang, em 2005 –, para a União. O desembargador federal Souza Prudente, do TRF1, acatou apelação contra a sentença da Vara Federal da Subseção Judiciário de Altamira (PA), que havia decidido em favor da ocupante do imóvel, a Santa Helena Participações. A empresa alega que o imóvel foi adquirido na década de 70. 

Os lotes da Gleba Bacajá foram vendidos na década de 1970 durante o programa de ocupação da Amazônia desenvolvido pelo governo federal. Mas as cláusulas contratuais que exigiam que os adquirentes explorassem a região em um prazo máximo de cinco anos não foram cumpridas, o que ensejou o automático cancelamento dos registros imobiliários, não podendo a Santa Helena Participações ter adquirido essas terras públicas depois de decisão judicial definitiva. 

O Incra e a União ajuizaram ação civil pública para garantir a desocupação das terras destinadas à reforma agrária. Por sua vez, o Ministério Público Federal afirma que a propriedade está ocupada por pistoleiros, tendo se transformado em cenário de forte conflito agrário. 

A sentença observa que a situação tem se agravado nos últimos dias, chegando a ponto de a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão solicitar a Força Nacional para a região. O magistrado justifica a decisão pelo objetivo de minimizar os conflitos locais, garantindo a segurança e a integridade física das famílias de trabalhadores rurais que foram assentados mas que são constantemente ameaçados por fazendeiros, grileiros e madeireiros.

O mandado de reintegração de posse deve ser cumprido no prazo de dez dias, utilizando forças policiais, se necessário. Número do processo: 0000802-07.2013.4.01.3903/PA

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *