Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

TJ-PA julga ação bilionária do funcionalismo

A expectativa do funcionalismo público estadual é grande. Amanhã deverá entrar na pauta do Tribunal de Justiça do Estado do Pará  o julgamento da ação rescisória que trata do retroativo a 1º de outubro de 1995, relativo ao reajuste salarial de 22,45% concedido exclusivamente aos servidores militares pelo então governador do Pará, Almir Gabriel. O processo nº 0008829-05.1999.814.0301 foi ajuizado em 1999 e são mais de 30 mil servidores beneficiados. A decisão de primeiro grau, proferida em 29 de abril de 2015, ainda determinou o acréscimo de abono de R$ 100, retroativo a julho de 1997, com exceção de aposentados ou pensionistas vinculados ao Hemopa. 

Decisão da 2ª Vara da Fazenda Pública da capital (proc. 0036535-14.2012.814.0301) determinou a incorporação do percentual de 22,45% aos proventos de aposentadoria ou pensões dos servidores que atuavam em Belém, retroativo a 01/10/1995, nos termos da sentença proferida no processo n.º 0008829-05.1999.814.0301, e chegou a dar prazo de 60 dias para a incorporação, sob pena de multa diária de R$200 por aposentado ou pensionista, até o limite individual de R$100 mil, a ser revertido em favor do beneficiário do aumento. 

Ao suspender a execução do título judicial (processo n.º 0043800-92.2015.814.0000), o desembargador Constantino Guerreiro, na época presidente do TJE-PA, justificou ser o caso excepcionalíssimo e que a implementação imediata do pagamento, viável mediante a inscrição de precatórios requisitórios, configuraria a quebra da ordem econômica. 

O desembargador entendeu que o impacto financeiro do pagamento redundaria no valor global aproximado de R$1.268.815.708,24 (um bilhão, duzentos e sessenta e oito milhões, oitocentos e quinze mil, setecentos e oito reais e vinte e quatro centavos) e no impacto financeiro mensal de R$10.016.362,75 (dez milhões, dezesseis mil, trezentos e sessenta e dois reais e setenta e cinco centavos), valores em abril de 2015. 

Ou seja: houve um momento em que os funcionários estiveram perto, muito perto, de receber. Até porque a decisão  favorável já transitou em julgado. Mas, com a suspensão, o governo ajuizou ação rescisória e agora tudo será novamente reexaminado.

O problema é que pelo menos 12.600 servidores que aceitaram acordo com o Executivo já receberam parte desse dinheiro há alguns anos. E os demais, como ficam?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *