Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

TJ-PA julga ação bilionária do funcionalismo

A expectativa do funcionalismo público estadual é grande. Amanhã deverá entrar na pauta do Tribunal de Justiça do Estado do Pará  o julgamento da ação rescisória que trata do retroativo a 1º de outubro de 1995, relativo ao reajuste salarial de 22,45% concedido exclusivamente aos servidores militares pelo então governador do Pará, Almir Gabriel. O processo nº 0008829-05.1999.814.0301 foi ajuizado em 1999 e são mais de 30 mil servidores beneficiados. A decisão de primeiro grau, proferida em 29 de abril de 2015, ainda determinou o acréscimo de abono de R$ 100, retroativo a julho de 1997, com exceção de aposentados ou pensionistas vinculados ao Hemopa. 

Decisão da 2ª Vara da Fazenda Pública da capital (proc. 0036535-14.2012.814.0301) determinou a incorporação do percentual de 22,45% aos proventos de aposentadoria ou pensões dos servidores que atuavam em Belém, retroativo a 01/10/1995, nos termos da sentença proferida no processo n.º 0008829-05.1999.814.0301, e chegou a dar prazo de 60 dias para a incorporação, sob pena de multa diária de R$200 por aposentado ou pensionista, até o limite individual de R$100 mil, a ser revertido em favor do beneficiário do aumento. 

Ao suspender a execução do título judicial (processo n.º 0043800-92.2015.814.0000), o desembargador Constantino Guerreiro, na época presidente do TJE-PA, justificou ser o caso excepcionalíssimo e que a implementação imediata do pagamento, viável mediante a inscrição de precatórios requisitórios, configuraria a quebra da ordem econômica. 

O desembargador entendeu que o impacto financeiro do pagamento redundaria no valor global aproximado de R$1.268.815.708,24 (um bilhão, duzentos e sessenta e oito milhões, oitocentos e quinze mil, setecentos e oito reais e vinte e quatro centavos) e no impacto financeiro mensal de R$10.016.362,75 (dez milhões, dezesseis mil, trezentos e sessenta e dois reais e setenta e cinco centavos), valores em abril de 2015. 

Ou seja: houve um momento em que os funcionários estiveram perto, muito perto, de receber. Até porque a decisão  favorável já transitou em julgado. Mas, com a suspensão, o governo ajuizou ação rescisória e agora tudo será novamente reexaminado.

O problema é que pelo menos 12.600 servidores que aceitaram acordo com o Executivo já receberam parte desse dinheiro há alguns anos. E os demais, como ficam?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *