A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Alepa discute desativação do lixão em Marituba

Foto: Ozeas Santos
Representantes das comunidades do entorno da central de processamento da coleta de lixo de Marituba estiveram na Assembleia Legislativa, hoje, e por designação do presidente da Casa, deputado Márcio Miranda, reuniram com os deputados Eliel Faustino (líder do Governo) e Raimundo Santos (presidente da Comissão de Constituição e Justiça). Eles exigem a imediata desativação do empreendimento, que há dois anos substituiu o lixão do Aurá. Os deputados Miro Sanova e Soldado Tércio também participaram do encontro.

Eliel Faustino lembrou que a empresa responsável pelo aterro só permite a entrada dos caminhões de coleta se os municípios pagarem em dia pelo serviço e que é preciso cobrar o cumprimento das condicionantes. 

Na sessão ordinária da Alepa, foi aprovado à unanimidade requerimento de Raimundo Santos criando comissão especial para buscar soluções junto com Estado, Ministério Público, OAB-PA e a sociedade. Afinal, o problema afeta toda a Região Metropolitana e é questão de saúde pública e ambiental. 

O aterro sanitário de Marituba foi criado com a capacidade para receber 1.240 toneladas de lixo por dia, de cinco municípios da RMB. Mas só Belém produz 1.200 toneladas de lixo por dia. Ou seja: surgiu para resolver um problema, mas acabou se tornando outro. É que a coleta de todos os municípios envolvidos ultrapassa a capacidade do empreendimento, o odor fétido e problemas respiratórios estão adoecendo a população e o cenário futuro se anuncia sombrio. 

Amanhã os moradores vão reunir com o secretário de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Luiz Fernandes. O governador Simão Jatene está em Brasília mas já sinalizou que também receberá a comissão em seu retorno.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *