Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

CNJ mantém suspensa eleição para o TRE-PA

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça manteve hoje a liminar que suspende a eleição do desembargador Leonam Gondim Cruz Júnior, do Tribunal de Justiça do Pará, para 2º suplente do TRE-PA. 

Como vocês leram aqui no último dia 22 de fevereiro, no post “TJ-PA não conhece recurso contra eleição para TRE“, Leonam Cruz Jr., em eleição secreta no dia 15 de fevereiro deste ano, foi escolhido para a vaga. Sua concorrente, a desembargadora Maria Filomena Buarque, não aceitou o resultado. Isto porque os dois empataram na votação, com 13 votos cada, e o critério para o desempate foi antiguidade no tribunal. Ela contestou citando resolução do TJE-PA que rege de forma específica a temática e estabelece critérios distintos de desempate, baseada no maior tempo de atividade como juiz. Originário do Quinto Constitucional, pela OAB-PA, Leonam entrou direto no desembargo.

Em 22 de fevereiro, seu recurso foi apreciado pelo Pleno do TJ. Na ocasião, o desembargador Rômulo Nunes ponderou no sentido da incompetência do tribunal para tal reanálise, explicando que caberia a uma instância superior, com o que concordaram os demais membros.

Inconformada, a desembargadora impetrou um Pedido de Controle Administrativo perante o CNJ, e obteve uma liminar, concedida pelo conselheiro Norberto Campelo logo em 23 de fevereiro. A cautelar sustou o pleito. 

Agora, apesar de a nomeação continuar suspensa, o mérito da questão ainda precisará ser analisado pelo Pleno do CNJ.

O, digamos, imbroglio togado está rendendo o maior bafafá nos corredores forenses e, lógico, eleitorais.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *