Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

The two of us

O documentário de Pete Jackson a partir de fitas gravadas há 50 anos atrás pelos Beatles, algumas delas compiladas no filme “Let it Be”, de Lindsay-Hogg vem sendo bastante comentado. Para mim, que influenciado por meu irmão Edgar, ouvi e li tudo a vida inteira sobre o quarteto, chega a incomodar ler nas mídias sociais que há pessoas que não acham assim tão importante e até chato. Gente mais nova, que não chegou a ser atingida por eles. Um amigo me conta que ia na casa de outro amigo ouvir, mas na voragem do tempo, esqueceu-os. Daqui desta Belém tão distante e tão difícil de comunicar, nós ouvíamos sem parar os discos. Fazíamos mímica na frente do espelho. Usamos cabelos grandes, botas. Aprendendo a falar inglês, tive dificuldades quando vieram as letras “psicodélicas”, que na verdade introduziram cenas, paisagens, ao invés de garoto encontra garota e tira pra dançar. O filme de Lindsay-Hogg aproveita o fim da banda e as queixas para fixar-se nos maus momentos. Yoko Ono é a responsável, acreditamos, em um misto de preconceito e misoginia. John e Paul brigam por liderança. Enfim. “Get Back”repõe no lugar muita coisa. Pedro Antunes escreveu que, para os fãs empedernidos, como diria Edgar, é como um BBB. Como se fossemos Beatles, também, participando de seu dia a dia. Eles riem, cantam e dançam. Lembram os tempos de Hamburgo, onde conheceram Billy Preston que chega, toca três acordes, arredonda tudo e recebe o “você está na banda”. Ringo evita discussões. Senta e toca o horário inteiro. Quando as coisas ficam sérias faz de conta que dorme. Para quem conhece, há diversas canções que adiante foram lançadas em seus discos solo. E há George Harrison, personagem bastante controverso. No primeiro dia de gravação leva um Hare Krishna para rezar no estúdio. Como não conseguiu tocar cítara como Ravi Shankar, largou tudo e foi ser fã de corridas de F1 e produtor de filmes. Ele próprio confessa que não era um guitarrista como Eric Clapton, que improvisava no blues e até jazz. Gostava mais dos acordes. Por timidez, ficava no seu canto, mas ao amadurecer e começar a compor, queria colocar suas músicas também. Aproveitou bem a companhia. Em carreira solo não manteve o mesmo padrão. Mas é que os Beatles eram John e Paul. Tocavam, um olhando para o outro, adivinhando as notas. George canta “All things must pass”, linda, e eles não dão bola. Nas outras, Paul reclama. Ele dá respostas irônicas. Um dia levanta e sai da banda. Fleugmaticos, ficam estáticos, uns dizendo que deviam apagar suas partes, outros chamar Eric Clapton. E então fazem uma jam com Yoko Ono gritando tudo o que pode. Botam pra fora. Houve um encontro e nada. Ringo chamou John e Paul e falou. Depois, há uma conversa entre eles. Um e outro assumem suas culpas. Outro encontro e George retorna. Vida que segue? Alguém informa a John que o empresário Allen Klein chega para falar com ele. Nada mais foi dito. Mas foi a razão da dissolução. Klein era um escroque. Mais tarde, deram razão a Paul, que queria um Eastman, parente de Linda. E as músicas? Para mim, o título devia ser “Two of Us”, música que define John e Paul, com belíssima letra e música. Aparece Paul começando a compor “Get Back”. Incrível. E um dia após o outro, eles se perguntam “o que foi que você fez”, ou seja, à noite, compunham novidades. Não há consenso se deviam fazer um show grandioso em “Trípoli”, Líbia, por exemplo. Idéias malucas. Parecem nem querer. John não quer. Paul evita o confronto, mas está nervoso. Queixa-se que o fazem de chefe e o deixam sozinho. Yoko Ono não dá uma palavra nas músicas. Só quer saber de John. Mas a convivência entre todos é ótima. Maureen e Pattie aparecem. Linda leva Heather. Eles vão empilhando músicas, clássicos, incluindo algumas antigas. Também cantam outras, de sua autoria, de começo de carreira. Então vem a idéia do show no telhado da Apple. Eles estão felizes, tocando. Trocam olhares e sorrisos. Repetem algumas músicas ensaiadas. Queriam tocar mais. A Polícia aparece. Nosso BBB acaba. Foi maravilhoso. Quem não gostou tem doença no pé. Quem não viu ainda pode.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *