Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Quase todo mundo já caiu na tentação de comer ou beber além do necessário, mas a data, 26 de janeiro, foi criada a fim de conscientizar a população sobre os perigos que a compulsão alimentar oferece à saúde. Neste ano,…

"Por muito tempo, nós, da Diretoria Executiva da Unimed Belém nos silenciamos diante das barbaridades que estavam sendo disseminadas entre os colegas nos recusando a entrar no jogo de convencimento de cooperados, pois acreditamos que a verdade sempre prevalece, ou…

Surf na Pororoca prevê 200 competidores

A Assembleia Legislativa do Pará está apoiando o 4º Campeonato Brasileiro de Surf, que rola nos dias 25 e 26 de março em Salinópolis, por meio de emendas compartilhadas entre o presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda, e os deputados Celso Sabino, Carlos Bordalo, Cássio Andrade e Ozório Juvenil. Dezesseis estados e 260 atletas participarão do evento, que valerá dois mil pontos para o ranking nacional. Quarenta atletas parauaras estão na disputa, organizada em parceria com a Federação Paraense de Surf (Fepasurf), presidida por Noélio Sobrinho. 

E entre os dias 26 e 28 de abril os holofotes do surf nacional e internacional se voltarão para São Domingos do Capim-PA, a Capital Mundial da Pororoca. Também estão sendo costuradas emendas parlamentares em apoio. Guto Delgado e Noélio Sobrinho montaram acampamento na Alepa e, com garra e foco, vão garantir o brilho do evento.

O surf começou a ser praticado no Pará em meados dos anos 70, na praia do Atalaia, em Salinópolis. Naquela época só os belenenses viajados praticavam a novidade esportiva. Pouco a pouco novos points com boas ondas foram descobertos: a praia da Princesa em Algodoal, a praia do Crispim em Marudá e a praia de Ajuruteua em Bragança, a praia do Cuiaral e Maria Baixinha em Cuiarana, a da Marieta na ilha do Marco, Lombo Branco em Apeú Salvador, e também as praias de água doce na ilha do Mosqueiro e das ilhas do Marajó.

A primeira competição no litoral da região norte do Brasil aconteceu em meados de 1983, e o campeão foi o surfista de Belém Roberto Lisboa, o “Beto Urubu”. Daqueles tempos até hoje alguns nomes da tribo de Belém merecem destaque, como Guto Delgado, Tony Parafina, Gilberto, Beto Urubu, o primeiro shaper André da Crista, Adelino Java, Jairon, Salin Haber, Alonso, Denis Sarmanho, Alex Cavalcante, Ely Vasconcelos e Murilo Bellesi. Da tribo de Salinas, os primeiros surfistas foram Reginaldo e seu irmão Ronaldo Nóbrega, Max do São Geraldo, Ian, Wanderson, Marcos Damasceno, Marcus Emir e seus irmãos Maurício e Marcelo.

O pessoal da Federação de Surf aponta as duas melhores famílias de surfistas do Pará: a do veterano Sérgio Roberto, Junior Félix e o maior competidor paraense de todos os tempos Sandro Buguelo; e a de Ricardinho, Rogério Pingo e a grande revelação Rodrigo Coelhão. Sem, é claro, deixar de destacar o surfista de Mosqueiro, Marcinho, e o de Agodoal, Ricardo Tatuíra. 

No festival da Pororoca, em Domingos do Capim, este ano haverá a maior ultramaratona aquática, prova que une resistência, estratégia e muita coragem em percurso aproximado de 140 Km, enfrentando os perigos da Floresta Amazônica e superando limites para vencer a distância entre Belém e São Domingos do Capim. Adrenalina pulsante para os amantes de esportes radicais! A turma promete pulverizar o atual recorde brasileiro de Surf na Pororoca e por mais de 200 surfistas simultaneamente na onda. Haverá, ainda, um Festival Nacional de Música e outras surpresas que ainda estão sendo preparadas e serão divulgadas em breve. 

Auêra-Auára!!! 
(antes que pensem que o blog pirou: significa bem-estar. É uma forma de desejar bem ao próximo e homenagear os Aueras, antigos habitantes de onde acontece a pororoca no Amapá).

A foto é de Sidney Oliveira, feita em 22.03.2015 quando sete surfistas profissionais se aventuraram às 1h50 da madrugada,  debaixo de chuva e de um céu escuro. De longe se via uma linha branca no rio Capim, era a pororoca noturna, alta e forte. As pranchas estavam cobertas de LEDs e o Mirante do Barriga – de onde o fenômeno pode ser visto – iluminado para a espera da onda.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *