Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Batizada de sagui-de-Schneider (Mico schneideri), em homenagem ao pesquisador brasileiro Horácio Schneider (1948-2018), geneticista da Universidade Federal do Pará e pioneiro da filogenética molecular de primatas, a descoberta alvoroçou a comunidade científica internacional. A nova espécie de sagui amazônico do…

STF muda divisas de quatro Estados

Desde 1919 Piauí, Tocantins, Bahia e Goiás mantinham uma perlenga judicial, que finalmente chegou acabou na quarta-feira passada (8). Por unanimidade, o Plenário do Supremo Tribunal Federal determinou que a divisa entre os quatro estados seguisse os laudos do serviço geográfico do Exército, de 2006, e não a demarcação feita pelo IBGE em 1980. A área total em disputa abrange exatos 15,4 mil Km². Até então, prevalecia uma liminar de 2005, do ministro aposentado Eros Grau, que determinava o estudo do IBGE como marco divisor. Para o relator do acórdão, ministro Luiz Fux, o parecer do Exército é o que melhor atende ao caso porque, além de “dispor de mais recursos técnicos e modernos”, foi o órgão escolhido de forma consensual pelos estados envolvidos para a perícia por “levar em consideração os marcos já fixados em estudos anteriormente efetivados”. 

A questão envolve o recolhimento de impostos e a disputa pela posse de terras, ensejando falta de segurança jurídica, política e financeira, motivo de sucessivas reuniões de conciliação, desde 2002. Em 2012, Minas Gerais e Tocantins entraram em acordo sobre a Ação Civil Originária 347, que passou a focar nas divisas entre Bahia e Goiás, enquanto a ACO 652 tratou das terras entre Piauí e Tocantins.
A Bahia queria que a Borda do Chapadão Ocidental fosse critério para demarcação, por atender às necessidades da população local. O ministro Fux, contudo, disse que os conflitos existentes nessas áreas “caracterizam uma discordância quanto ao critério demarcatório adotado”.
Já o Tocantins defendeu o uso das demarcações feitas pelo IBGE em 1980, por não concordar com as conclusões da perícia do Exército. Porém, o ministro desconsiderou o pedido, sob pena de ofensa à segurança jurídica. 

A decisão preserva os títulos de posse e de propriedade. Além disso, as ações judiciais referentes às áreas abrangidas ainda não sentenciadas deverão ser redistribuídas ao juízo competente. O STF também estabeleceu que, quando dois Estados tiverem emitido um título de posse ou de propriedade em relação a uma mesma área abrangida pelas ações, prevalecerá o título concedido judicialmente, e, em se tratando de dois títulos judiciais, o que já transitou em julgado. Quando não houver mais possibilidade de apelação, prevalecerá a primeira decisão judicial feita à luz do laudo do Exército. 

Clique  aqui para ler o laudo técnico da ACO 652.

Clique aqui para ler o laudo técnico da ACO 347.

*Com informações da assessoria de imprensa do STF.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *