A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Os fatos que ensejaram a prisão preventiva do SGT Gildson dos Santos Soares e o afastamento da Coronel QOPM/PA Andréa Keyla Leal Rocha do Comando de Policiamento Ambiental da Polícia Militar do Pará descortinaram uma situação gravíssima e surreal dentro…

Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Soure repudia medida da presidente do TJ

“A Cidadania é, por um conceito reduzido, o acesso das pessoas aos bens e serviços promovidos pelo poder público. Seu exercício se dá de maneira cotidiana e permanente quando o povo tem acesso a boas escolas, vias públicas de qualidade, energia elétrica contínua, água potável, transparência com os gastos públicos, acesso a informações de interesse coletivo, etc. 

Aliado a este conceito de cidadania, temos o de Democracia, que também em forma reduzida assegura que é o poder que emana do povo e em seu nome é exercido. 

Assim, Democracia e Cidadania compõem, também de forma simples, o entendimento de que o povo tem o poder, transfere isso para que o Estado (poder público) o organize, e o devolva através dos bens e serviços que deve promover, trazendo o desenvolvimento através dos investimentos públicos e alcançando a satisfação social pela qualidade e pela seriedade com que esse patrimônio público é tratado. 

Para que isso ocorra, o poder público se vale de diversos mecanismos de organização para promover o exercício da tarefa que lhe foi atribuída pelo povo, detentor real do poder público. 

No município, então, cria-se a Prefeitura e a Câmara de Vereadores. À Prefeitura cabe a gestão da coisa pública, incentivando e promovendo o desenvolvimento social, através da aplicação criteriosa, ordeira, transparente e séria dos recursos financeiros que lhe chegam, seja através de repasses dos governos federal, estadual ou de arrecadação própria. Este exercício cabe ao prefeito, que nomeia auxiliares para ajudá-lo (secretários municipais). À Câmara de Vereadores cabe a elaboração de leis municipais, que sem poder contrariar as leis federais e as leis estaduais, deve responder aos anseios dos munícipes, sempre tendo como objetivo o interesse público e nunca o interesse pessoal ou de grupos isolados e, ainda, como tarefa principal, fiscalizar todos os atos emanados pela Prefeitura, solicitando esclarecimentos e informações ao prefeito, podendo vir a cassá-lo em casos de não resposta às solicitações ou de improbidade com os recursos públicos, em conformidade com o que determinam as Leis. 

Em todos os casos, a população também PODE E DEVE fiscalizar o poder público, para que não haja desvio de suas funções. Estes desvios se dão por indícios ou pela própria constatação local de que a administração pública está afastada de suas obrigações, comprometendo assim todo o contexto social de uma cidade. 

A população de Soure sente e constata, através do que a cidade mostra, de que a administração pública, representada pelo prefeito e por nove vereadores, não tem feito nada pela cidade. Um prefeito ausente e uma Câmara de Vereadores inerte é o que se tem constatado. 

Hospital, escolas, esgotos, limpeza pública, servidores municipais, ruas e estradas todos em frangalhos e desprestigiados. A coisa pública deixada de lado para se ter como prioridade o interesse pessoal. Isso são constatações, não são hipóteses. 

No dia seis de junho do corrente ano, na tentativa de mediar uma solução pacífica para o imbróglio, Sua Excelência Reverendíssima, o Bispo da Prelazia do Marajó, Dom José Azcona participou de uma reunião convocada pelo Sindicato dos Servidores em Saúde do Município, na prefeitura municipal, com a participação do alcaide agora afastado, objetivando uma deliberação para acalmar os ânimos da população, que a àquela altura já se encontravam bastante exacerbados. 

Pela postura truculenta do prefeito e de seus assessores na ocasião, nenhuma deliberação positiva foi alcançada e, na saída do prédio municipal, o alcaide foi hostilizado com palavras, gestos, ovos e até pedras, sendo na ocasião um manifestante preso de posse de uma faca, o qual após conduzido para os procedimentos na Delegacia de Polícia foi identificado como sendo parente(primo) do presidente da Câmara de Vereadores, de prenome Macedo. Pode-se dizer que só não houve o linchamento físico do alcaide pela presença moral da inegável liderança pública na pessoa do Bispo do Marajó. 

Mediante ao quadro caótico em que se encontra o município de Soure, e a falta de decisão advinda da reunião citada, o povo, sem qualquer liderança, reuniu cerca de 25% da população urbana do município (3.000 pessoas) e passou a manifestar-se pelas ruas da cidade, hostilizando justamente aqueles que têm papel de representar o povo, que são o prefeito municipal e os vereadores da Câmara Municipal. 

Foi uma noite turbulenta e que externa o altíssimo grau de insatisfação popular contra os que deveriam representar seus interesses. 

A massa popular revoltosa, mediante o abandono completo do poder público em que se encontra a cidade de Soure, transitou por diversas ruas da cidade demonstrando não só o interesse de protestar, mas também de não tolerar mais a completa omissão, a falta de transparência e o caos em que a cidade se encontra. 

Os vereadores, temerosos por si mesmos mas pouco se importando com suas condutas anteriores, pediram uma oportunidade para a população, em uma reunião na sede da Prefeitura, para a adoção de medidas, dentre as quais, o pedido de cassação do prefeito municipal, no que foram atendidos, ficando marcada uma outra reunião na Câmara de Vereadores para deliberar e votar o assunto. 

Isso trouxe ao município autoridades de diversas esferas, em busca de uma pacificação, dentre outras, o Procurador do Ministério Público do Estado, Nélson Medrado; o deputado federal Arnaldo Jordy; o secretário de Estado de Segurança Pública Luiz Fernandes; o Delegado Geral de Polícia Civil Rilmar Firmino; e uma equipe do Tribunal de Contas do Município para efetuar auditoria nas contas públicas, dentre outra providências, além de mobilizar, certamente com elevados custos de logística, o helicóptero e diversos policiais civis e militares, o pelotão de choque, o canil e o Grupamento fluvial da Segup. Parte deles ainda se encontra no município, refletindo a instabilidade reinante. Considere-se também que o Ministério Público do Estado do Pará, através da Promotora local, solicitou auditoria nas contas da Câmara Municipal. 

Essa reunião deu-se na Câmara Municipal, na data de nove de junho do ano corrente, com a presença de entidades representativas do Município, dentre outras do Sindicato dos Servidores em Saúde; da Comissão de Justiça e Paz da CNBB Norte II, do Bispo Prelado do Marajó, do Conselho de Segurança Pública e de membros da sociedade organizada, onde inclusive o presidente da Câmara de Vereadores de prenome Macêdo tentou impedir o acesso, onde ficou consignado em ata, após exaustiva deliberação, que o prefeito municipal seria afastado do cargo por 90 dias, que a vice prefeita pediria licença do cargo por igual período, que o presidente da Câmara, os vereadores da mesa diretora e nenhum dos demais assumiriam a prefeitura municipal, e que o Ministério Público remeteria pedidos de sua alçada ao Tribunal de Justiça e ao Governo do Estado, solicitando as medidas para o caso. Tudo foi lavrado em ata, tornando-se portanto um documento público com valor jurídico. 

Alçado o problema em nível de deliberação e decisão judicial, o qual forçosamente deve levar em conta não só a figura técnica legal, mas toda a contextualização do fato e seu impacto na sociedade local, tendo também a decisão o condão de buscar o alinhamento da conduta dos representantes do povo, as quais estavam completamente desvirtuadas de suas funções, esperava toda a sociedade sourense o direito, o equilíbrio, a sensatez e fundamentalmente a Justiça

Ocorre que na data de 24 de junho, há apenas 18 (dezoito) dias do caos social externado nas ruas do município, em decisão isolada, a presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, Desembargadora Luzia Nadja Guimarães Nascimento, conduziu ao cargo de prefeito do município o Presidente da Câmara de Vereadores, o qual foi preso recentemente pela Polícia Federal envolvido em ilícitos no seguro-defeso, bem como é um dos acusados pela população pelo estado em que atravessa o município, já que como presidente da Casa legislativa nada fez para fiscalizar o prefeito em seus desmandos, além de estar sendo investigado pelo Ministério Público por enriquecimento ilícito. O vereador Macêdo, mais uma vez, não cumpriu com a palavra dada ao povo, quando registrou em ata reconhecida em cartório que não assumiria a Prefeitura Municipal, bem como, nenhum membro da Mesa Diretora da Câmara o faria. 

Isto equivale a colocar a raposa para tomar conta do galinheiro. 

Frustrante, em descompasso com os anseios sociais e sem levar em conta a própria segurança do município, é o que externa a decisão judicial, que será recorrida, mas que já causa inegável abalo a esta sociedade já tão corroída pelo descaso, pela injustiça, pelo abandono, e pela falta de seriedade das instituições. 

É mais um capítulo deplorável na história do município. 

Neste comunicado, as entidades abaixo assinadas renovam seu desejo mais profundo por uma sociedade livre, ordeira e justa, onde os munícipes possam orgulhar-se de aqui viver e aqueles que aqui vêm visitar a cidade possam levar boas impressões.
Externado nesta nota está o profundo sentimento de indignação, frustração, decepção e lamento pela equivocada decisão da presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, que deliberou e decidiu pela manutenção do caos no município de Soure, ao exarar sentença que conduz à prefeitura do município um dos principais responsáveis pelo caos que nele se instalou. 

Soure, 25 de junho de 2014. 
Dom José Azcona, Bispo do Marajó 
Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II
Conselho de Segurança de Soure – CONSEG
Sindicato dos Trabalhadores em Saúde de Soure – SINDSAÙDE
Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará- SINTEPP
Sociedade Civil Organizada”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *