A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

SOS Tucuruí

Vejam nas fotos como está o hospital municipal de Tucuruí, que deveria  atender a saúde básica.

A alimentação é precária para os pacientes: torta de cenoura com um pouco de frango, ou ovos. Faltam lençóis, remédios, materiais para procedimentos e equipamentos.
 
A central de esterilização não funciona. O material está sendo esterilizado no Hospital Regional, com transporte em veículo inadequado. Falta “lap” para partos e procedimentos cirúrgicos, tanto de médio quanto pequeno porte.  Na lavanderia não há o mínimo: comida, roupa de cama e material de limpeza.
Apesar de Tucuruí estar em gestão plena do SUS não tem condições de fazer sequer parto normal. O maior absurdo foi o ministério publico estadual apoiar o prefeito na decisão de colocar um hospital dentro do outro.
No hospital regional o acréscimo do serviço de obstetrícia resulta em sobrecarga brutal ao atendimento e piora em cadeia de todos os serviços: anestesia, enfermagem, serviço social, nutrição, farmácia, centro cirúrgico, central de esterilização, limpeza, lavanderia, copa-cozinha, almoxarifado e  administrativo.

O orçamento de 2009 foi de exatos R$39.280.615,00 (trinta e nove milhões, duzentos e oitenta mil e seiscentos e quinze reais) ou R$3,250 milhões por mês, R$104.333,33 por dia. O de 2010 ultrapassou R$40 milhões.  Em 2011 vai chegar ao R$50 milhões, o que significa que não há falta de recursos para adequar o espaço da Maternidade, comprar alimentação adequada, materiais de limpeza, medicamentos, equipamentos e roupagem necessários para dar assistência médica à população de Tucuruí, um dos municípios mais ricos do Pará, pelos royalties que recebe do setor energético, além dos repasses federais e estaduais e arrecadação própria.

Detalhe: o hospital municipal fechado, credenciado para fazer partos normais, cesarianas e outras cirurgias, continua recebendo os recursos do SUS, sem realizar quaisquer procedimentos. O MPE local, aliado ao prefeito, fechou o hospital  e  não pediu que o repasse fosse suspenso.
  
A população não pode nem fazer exames, porque o prefeito não paga os prestadores de serviço, e quer saber, com justa indignação, para onde foi o dinheiro da saúde.

Será que a Polícia Federal, o Ministério Público Federal, a Corregedoria do MPE/PA, a CGU, o Conselho Nacional de Saúde e o Departamento Nacional de Auditoria do SUS não podem inspecionar com urgência e dar um basta nessa situação? 

        

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *